NOSSOS SINCEROS AGRADECIMENTOS…

CAPELA… a todos que ajudam de alguma forma,  financeiramente ou por orações, a FSSPX e, de maneira especial, nossa Missão em Ribeirão.

Cada um dentro de suas possibilidades, uns de perto, outros de longe, outros ainda anônimos….porém todos sabendo que é pelo bem da Igreja, para honra e glória de Nosso Senhor.

Contem com as orações e Missas oferecidas pela FSSPX em favor seus benfeitores, que é o único meio para agradecermos.

À todos nosso muito obrigado, de coração, e que Nossa Senhora e São José possam os recompensar de alguma forma.

*****************************

Para saber sobre a Campanha de nossa futura capela, clique aqui.

AS MAIS BELAS IGREJAS DA FSSPX – PARTE 5 – SAINT WILLIBRORD (HOLANDA)

A FSSPX está presente em 37 países e visita  outros 35. Em suas Missões, uma grande quantidade de Missas, sacramentos, catecismo e formações são oferecidos em casas, salas de hotel, escritórios, zonas rurais, garagens e até mesmo em cabanas de madeira ou sapê, dependendo do local do mundo, mas sempre de modo zeloso e digno.

Porém, em seu apostolado, a Fraternidade também tem a graça de manter várias capelas e lindíssimas igrejas, inclusive centenárias.

No post de hoje veremos uma delas: a de Saint Willibrord, em utrecht, na Holanda.

Clique aqui e acompanhe o Especial “As mais belas igrejas da FSSPX”

SEJAM SEMPRE FELIZES, FILHOS DE DEUS

véu | Tumblr

Irmãs da Fraternidade Sacerdotal São Pio X

Como preâmbulo, permitam-me narrar um pequeno fato ocorrido em um de nossos colégios primários. Certo dia, vieram-me avisar que um policial gostaria de falar comigo no parlatório. Com uma ponta de apreensão no coração, dirigi-me ao local indicado e logo me encontrei diante de um jovem que me cumprimentava respeitosamente, e me falava do seu desejo de matricular o filho no nosso colégio. Respirei mais livremente quando me apresentou os motivos que o levaram a essa decisão. Em seguida, declarou à queima-roupa: “Irmã, faço parte da S. D. A”.

Sem compreender do que se tratava, perguntava-me se seria alguma polícia secreta…

Mas o rosto sorridente do policial contrastava com meus pensamentos íntimos. “Eh… O que significa S. D. A.?” perguntei-lhe, vagamente inquieta. O homem respondeu com um enorme sorriso, um pouco surpreso com minha ignorância. “Ora, é a Sociedade da Alegria, de Dom Bosco!”

Que descoberta! Apesar do nosso mundo moderno, e da crise da Igreja, aquele rapaz soubera guardar sua alma na Fé da sua infância e na virtude, graças à Società dell’allegria, fundada por São João Bosco. Continuar lendo

ESPANHA: O CREPÚSCULO DA FÉ

Fonte: DICI – Tradução: Dominus Est

A Espanha parece atingida por uma onda de abandono da fé. Se acreditarmos nos números publicados em junho de 2020, o número de católicos caiu acentuadamente em apenas 2 meses. 

A pesquisa publicada em junho de 2020 pelo Centro de Pesquisas Sociológicas revela números mais que alarmantes: 61% dos espanhóis ainda se declaram católicos, ou seja, 5 pontos a menos que em abril de 2020. 

Como é de se esperar, os jovens, privados de referências e que não receberam instruções religiosas dignas desse nome, são os mais afetados pela secularização e pelo ateísmo reinante. Entre os jovens de 25 a 34 anos, apenas 36% se identificam como católicos, enquanto mais de 57% deles afirmam total indiferença, quando não apresentam hostilidade à fé da Igreja. 

Outro sinal dessa onda de apostasia geral: a Conferência dos Bispos da Espanha anunciou que, ao mesmo tempo, fechou em 2019, nada menos que 32 mosteiros e conventos. Esta é a conseqüência direta do colapso do número de religiosos: 1.408 a menos em 2018, 1.828 a menos em 2019. 

Esses números significam para o episcopado espanhol o início de uma contestação e o retorno aos tesouros da Tradição? Na ausência de uma reação salutar, a queda do catolicismo parece inevitável. 

************************

Dias atrás já publicamos uma matéria sobre os números na Alemanha (leia aqui)

 

O NOVO CONCEITO DE PENITÊNCIA

Qual é a matéria do sacramento da Confissão?O sacramento da penitência não pode ser senão individual. Por definição e conforme a sua essência, ele é, como lembrei mais acima, um ato judiciário, um julgamento. Não se pode julgar sem estar a par de uma causa; é preciso ouvir a causa de cada um para julgá-la e depois perdoar ou reter os pecados. S. S. João Paulo II insistiu várias vezes neste ponto, dizendo notadamente no dia 1°. de abril de 1983 a bispos franceses que a confissão pessoal das faltas seguida da absolvição individual “é antes de tudo uma exigência de ordem dogmática”. Por conseguinte é impossível justificar as cerimônias de “reconciliação” explicando que a disciplina eclesiástica se abrandou, que se adaptou às exigências do mundo moderno. Não se trata de um caso de disciplina.

Havia precedentemente uma exceção; a absolvição geral dada em caso de naufrágio, de guerra: absolvição aliás cujo valor é discutido pelos autores. Não é permitido fazer da exceção uma regra. Se se consultam os Atos da Sé apostólica salientam-se as expressões seguintes tanto nos lábios de Paulo VI como nos de João Paulo II em diversas ocasiões: “o caráter excepcional da absolvição coletiva”, “em caso de grave necessidade”, “caráter inteiramente excepcional”, “circunstâncias excepcionais”…

As celebrações deste gênero não deixaram, contudo, de se tornar um hábito, sem, entretanto, serem freqüentes numa mesma paróquia, à falta de fiéis dispostos a pôr-se em ordem com Deus mais de duas ou três vezes no ano. Não se experimenta mais a necessidade disto, o que era de prever, visto que a noção de pecado se extinguiu nos espíritos. Quantos sacerdotes lembram a necessidade do sacramento da penitência? Um fiel me disse que, confessando-se conforme os seus deslocamentos numa ou noutra das igrejas parisienses onde ele sabe poder encontrar um “sacerdote de acolhimento”, recebe freqüentemente as felicitações ou os agradecimentos deste, todo surpreso de ter um penitente.

Estas celebrações submetidas à criatividade dos “animadores” compreendem cantos; ou então se coloca um disco. Depois se dá um lugar à liturgia da palavra antes de uma prece litânica à qual a assembléia responde: “Senhor, tende piedade do pecador que sou”, ou uma espécie de exame de consciência geral. O “Eu pecador me confesso a Deus” precede a absolvição dada uma vez por todas e a todos os assistentes, o que não deixa de pôr um problema: uma pessoa presente que não a desejasse vai receber a absolvição contra a sua vontade? Vejo numa folha roneotipada distribuída aos participantes de uma destas cerimônias, em Lourdes, que o responsável se coloca a questão: “Se desejamos receber a absolvição, venhamos mergulhar nossas mãos na água da fonte e tracemos sobre nós o sinal da cruz” e, no fim: “Sobre aqueles que se benzeram com o sinal da cruz com a água da fonte o sacerdote impõe as mãos (?). Unamo-nos à sua prece e recebamos o perdão de Deus.”
Continuar lendo

EL MARTIRIO DE LAS COSAS

Incêndio criminoso na Catedral de Nantes

Fonte: Boletim Permanencia

Foi com esses termos que Antonio Montero definiu o anarquismo vermelho durante a guerra civil espanhola. Com efeito, no ano de 1937, a Pastoral dos bispos espanhóis denunciava a destruição de nada menos que 20 mil igrejas no país!

Estamos nós no prelúdio de algo semelhante, só que, dessa vez, em escala mundial?

Já tratamos nesse boletim do ataque a igrejas ocorridos no México (ver aqui e aqui). Também tratamos da loucura chilena, onde mais de dez igrejas foram incendiadas por manifestantes no ano passado.

Nessa semana, a Catedral de Nantes foi incendiada — o fato do fogo ter se iniciado de três pontos diferentes não deixa dúvida sobre a origem criminosa do incêndio.

O episódio de Nantes, contudo, não foi um fato isolado, e sim a coroação de uma semana odiosa, em que ataques contra a Igreja — ou a apologia desses ataques — ocorreram por toda parte, mas, dessa vez, especialmente nos Estados Unidos:

No Estado da California, uma igreja do século XVIII foi inteiramente destruída após um incêndio ocorrido no último dia 11 de julho.

Em Boston, Massachusetts, uma estátua de Nossa Senhora, localizada fora da igreja da paróquia de São Pedro, foi incendiada e sofreu danos. A polícia e os bombeiros locais atenderam ao chamado e afirmam que um indivíduo desconhecido incendiou flores de plástico nas mãos da estátua, causando danos de fumaça e chama no rosto, cabeça e parte superior do corpo da imagem.

O episódio de Boston não foi um ato isolado: em Nova Iorque, na Diocese de Brooklyn, uma estátua de 100 anos foi pichada com as palavras “Idol” (ídolo, em inglês); no Tennessee, decapitaram outra estátua da Santíssima Virgem. Na Flórida, arrancaram do pedestal uma estátua de Nosso Senhor e partiram-lhe a cabeça.

Ainda na Flórida, no dia 11 de julho, um homem de 24 anos foi preso e acusado de tentativa de assassinato após incendiar a igreja católica Mary Queen of Peace, diocese de Orlando. Ele dirigiu sua van até a igreja, derramou dez galões de gasolina e acendeu. A igreja não estava vazia, mas felizmente ninguém se feriu.

Podemos mencionar ainda o histérico ataque contra a estátua do missionário São Junípero, na California (vídeo).

*

É claro que a imprensa canalha não dará destaque a nada disso.

Estamos presenciando o “retorno dos bárbaros”, como denunciou domingo passado o bispo de Alcalá, Dom Juan Antonio Reig Pla, ao tratar desses episódios de degradação e destruição de estátuas de heróis e santos católicos. Com acerto, disse que esses ataques marcam “o retorno dos bárbaros” e que o nosso tempo não é apenas o do “relativismo moral”, mas do “niilismo”.

Mais que nunca é preciso redobrarmos nossas orações e não nos esquecermos dos cinco sábados pedidos por Nossa Senhora em desagravo ao seu Imaculado Coração.

 

ALEMANHA: RUMO AO COLAPSO DOS SEMINÁRIOS

Fonte: DICI – Tradução: Dominus Est

Em 1962, ano de abertura do Concílio Vaticano II, a Alemanha ordenou 557 sacerdotes. Quase 60 anos depois, em 2020, apenas 57 ascenderam ao sacerdócio. A Igreja da Alemanha, mais do que nunca presa no pântano sinodal, luta para encontrar soluções. 

Essa é uma tendência alarmante“, preocupa-se Thomas Sternberg, presidente do Comitê Central de Católicos Alemães (Zdk), que especifica que “no ano passado, houve apenas 1 ordenação para cada 11 padres que se aposentaram“. 

Uma tendência essencial que não parece se reverter diante da situação dos seminários alemães: “o número de candidatos ao sacerdócio católico passou de 594 em 2011 para 211 atualmente“, explica Mons. Heinrich Timmerevers, bispo de Dresden-Meissen . Uma estatística que revela o colapso do número de seminaristas nas casas de formação.  

Consequência previsível: apenas 3 seminários diocesanos – os de Mainz, Munique e Munster – poderiam permanecer abertos, estima o grupo de trabalho da Conferência dos Bispos da Alemanha (DBK), co-presidida por Mons. Timmerevers. 

Em vista de uma situação tão catastrófica, fruto da secularização acelerada e da apostasia silenciosa de muitos, a única solução seria o retorno à Tradição, à Missa para sempre, à Filosofia e Teologia de Santo Tomás de Aquino, o que implicaria afastar-se das novidades envenenadas pelo Concílio Vaticano II. 

Naufrágio da fé 

Os prelados alemães não estão prontos para tal questionamento e preferem negar a realidade, acelerando ainda mais a revolução. Assim, Mons. Georg Bätzing, Bispo de Limbourg e presidente da Conferência Episcopal Alemã, prevê uma nova maneira de aliviar a crise vocacional. A fim de corrigir a situação, ele acredita ter encontrado uma solução na proposta do Caminho Sinodal e recomenda “pedir ao Vaticano que a questão da ordenação diaconal feminina, novamente aberta pelo Papa, continue e que Roma responda positivamente”. 

Infelizmente, a cegueira da Igreja na Alemanha vem de longa data. As teses mais progressistas, especialmente em moral, florescem lá há 50 anos com a bênção dos Bispos. Tendo semeado o vento e colhido a tempestade, chegou a hora de naufragar. 

 

VATICANO II – O CONCÍLIO DE FALSOS PROFETAS

Sermão proferido pelo Revmo. Pe. Carlos Mestre, por ocasião do 7º Domingo depois de Pentecostes 2020, sobre os falsos profetas que minaram a fé católico durante e após o Concílio Vaticano II. Em especial, o “Teólogo” protestantizado Karl Rahner.

AS MAIS BELAS IGREJAS DA FSSPX – PARTE 4 – SAINT ISIDORE (USA)

A FSSPX está presente em 37 países e visita regularmente outros 35. Em suas Missões, uma grande quantidade de Missas, sacramentos, catecismo e formações são oferecidos em casas, salas de hotel, escritórios, zonas rurais, garagens e até mesmo em cabanas de madeira ou sapê, dependendo do local do mundo, mas sempre de modo zeloso e digno.

Porém, em seu apostolado, a Fraternidade também tem a graça de manter várias capelas e lindíssimas igrejas, inclusive centenárias.

No post de hoje veremos uma delas: a de Saint Isidore, em Denver, nos EUA.

Clique aqui e acompanhe o Especial “As mais belas igrejas da FSSPX”

O NOVO CONCEITO DE MATRIMÔNIO E A INVERSÃO DE SEU FIM PRIMÁRIO

PREPARAÇÃO PARA O CASAMENTO | DOMINUS ESTO matrimônio foi sempre definido por seu fim principal, que era a procriação, e seu fim secundário, que era o amor conjugal. Pois bem, no concílio, se quis transformar esta definição e dizer que não havia mais fim primário, mas que os dois fins que acabo de citar eram equivalentes. Foi o cardeal Suenens que propôs esta mudança e eu me lembro ainda do cardeal Brown, superior geral dos dominicanos, levantando-se para dizer: “Caveatis, caveatis! (Tomai cuidado!) Se aceitamos esta definição, nós vamos contra toda a Tradição da Igreja e pervertemos o sentido do matrimônio. Não temos o direito de modificar as definições tradicionais da Igreja.”

Ele citou textos em apoio de sua advertência e a emoção foi grande na nave de São Pedro. O Santo Padre pediu ao cardeal Suenens que este moderasse os termos que tinha empregado e mesmo os mudasse. A Constituição pastoral Gaudium et Spes contém mais de uma passagem ambígua, onde o acento é posto na procriação “sem subestimar por isso os outros fins do matrimônio”. O verbo latino post habere permite traduzir: “sem colocar em segundo plano os outros fins do casamento”, o que significaria: pô-los todos no mesmo plano. É assim que se quer entendê-lo hoje em dia; tudo o que se diz do casamento se liga à falsa noção expressa pelo cardeal Suenens que o amor conjugal — que bem se chamou simplesmente e mais cruamente “sexualidade” — vem à testa dos fins do matrimônio. Conseqüência: a título da sexualidade, todos os atos são permitidos: contracepção, limitação dos nascimentos, e enfim aborto.

Uma má definição e eis-nos em plena desordem.

A Igreja em sua liturgia tradicional, faz o padre dizer: “Senhor, assisti em vossa bondade as instituições que vós estabelecestes para a propagação do gênero humano…” Ela escolheu a passagem da Epístola de São Paulo aos Efésios que precisa os deveres dos esposos, fazendo de suas relações recíprocas uma imagem das relações que unem Cristo e a sua Igreja. Hoje, muito freqüentemente, os próprios esposos são convidados a compor a sua missa, sem mesmo serem obrigados a escolher a epístola nos livros santos, substituindo-a por um texto profano, tomando uma passagem do Evangelho sem relação com o sacramento recebido. O sacerdote, em sua exortação, se acautela de fazer menção das exigências às quais eles se devem submeter, por medo de apresentar uma imagem rebarbativa da Igreja, eventualmente de chocar os divorciados presentes na assistência.
Continuar lendo

O NOVO CONCEITO DE BATISMO

A Bíblia ordena batizar bebês? – EvangelismoO primeiro efeito do batismo é a remissão do pecado original, isto se sabia, transmitido de pai para filho e de mãe para filha.

Mas eis que não se fala mais disto em parte alguma. A cerimônia simplificada que se realiza na igreja evoca o pecado num contexto tal que parece tratar-se daquele ou daqueles que cometerá o batizado na sua vida e não da falta original com a qual nós todos nascemos carregados.

O batismo aparece por conseqüência simplesmente como um sacramento que nos une a Deus, ou antes, nos faz aderir à comunidade. Assim se explica o rito de “recepção” que se impõe em certos lugares como uma primeira etapa, numa primeira cerimônia. Isto não é devido a iniciativas particulares, uma vez que nós encontramos amplos desenvolvimentos sobre o batismo por etapas nas fichas do Centro nacional de pastoral litúrgica. Chama-se também batismo diferido. Após a recepção, o “encaminhamento”, a “busca”, o sacramento será ou não administrado, quando a criança puder, segundo os termos utilizados determinar-se livremente, o que pode ocorrer numa idade bastante avançada, dezoito anos ou mais. Um professor de dogmática muito apreciado na nova Igreja estabeleceu uma distinção entre os cristãos cuja fé e cultura religiosa ele julga capaz de atestar, e os outros — mais de três quartos do total — aos quais não atribui senão uma fé suposta quando eles pedem o batismo para seus filhos. Estes cristãos “da religião popular” são descobertos no decorrer das reuniões de preparação e dissuadidos de ir além da cerimônia de acolhimento. Esta maneira de agir seria “mais adaptada à situação cultural de nossa civilização”. 

Recentemente, devendo um pároco do Somme inscrever duas crianças para a comunhão solene, exigiu as certidões de batismo, que lhe foram enviadas pela paróquia de origem da família. Ele verificou então que uma das crianças tinha sido batizada mas que a outra não, contrariamente ao que acreditavam os seus pais. Ela havia simplesmente sido inscrita no registro de recepção. É uma das situações que resultam destas práticas; o que se dá é efetivamente um simulacro de batismo, que os fiéis tomam de boa fé pelo verdadeiro sacramento. Continuar lendo

EM QUE MOMENTO A PESSOA PASSA A TER SEU ANJO DA GUARDA?

O Anjo da Guarda (1690) de Luca Giordano | Tela para Quadro na ...O quinto [artigo] discute-se assim — Parece, que o anjo não é delegado, para guardar o homem desde o nascimento deste.

  1. — Pois, os anjos são mandados em ministério, a favor daqueles que hão de receber a herança da salvação, como diz o Apóstolo. Ora, os homens começam a receber a herança da salvação, quando batizados. Logo, o anjo é delegado para guardar o homem, desde o tempo do batismo e não desde o nascimento.
  2. Demais. — Os homens são guardados pelos anjos, enquanto estes os iluminam pela doutrina. Ora, os recém-nascidos não são capazes de doutrina por não terem o uso da razão. Logo, não lhes são delegados anjos da guarda.
  3. Demais. — As crianças no ventre materno têm, depois de certo tempo, alma racional, bem como a têm depois da natividade. Ora, enquanto no ventre materno, não lhes são delegados anjos da guarda, como se sabe, porque os ministros da Igreja ainda não lhes comunicaram os sacramentos. Logo, não são delegados aos homens anjos da guarda, imediatamente depois do nascimento.

Mas, em contrário, diz Jerônimo, que cada alma, imediatamente depois de nascida, tem um anjo da guarda que lhe é deputado.

Solução. — Como diz Orígenes há, sobre este assunto, dupla opinião. Assim, uns ensinam que o anjo é dado ao homem, como guarda, desde o tempo do batismo. Outros porém, que desde o tempo do nascimento. E esta opinião Jerônimo a aprova, e com razão. Pois, os benefícios dados ao homem por Deus, desde que é cristão, começam do tempo do batismo, como receber a Eucaristia e outros. Ora o que a Providência divina dá ao homem, desde que este tem natureza racional, ele o recebe desde que ao nascer tem tal natureza. E tal benefício é a guarda dos anjos, como resulta claro do que já foi dito. Por onde, desde a sua natividade, o homem tem um anjo da guarda, que lhe é deputado. 

Donde a resposta à primeira objeção. — Os anjos são enviados em ministério eficaz, só quanto àqueles que hão de receber a herança da salvação, se se considerar o efeito último da guarda, que é o recebimento da herança. Contudo, também os outros não são privados desse ministério. Pois embora este não tenha a eficácia de os levar à salvação, é todavia eficaz,pelos livrar de muitos males.

Resposta à segunda. — A função de guardar se ordena à iluminação da doutrina, como ao último e principal efeito. Contudo, tem também muitos outros efeitos, que convêm às crianças, a saber, afastar os demônios e livrar de outros males, tanto corpóreos como espirituais.

Resposta à terceira. — Enquanto no ventre materno, a criança não está totalmente separada da mãe, sendo por uma como ligação ainda algo dela, assim como o fruto pendente é algo da árvore. E por isso pode-se provavelmente, dizer que o anjo que guarda a mãe, guarda a prole existente no ventre materno. Mas, ao separar-se da mãe, pela natividade, é lhe deputado um anjo da guarda, como diz Jerônimo.

(II Sent., dist. XI, part. I, a. 3. corp. et ad 3)