A ÉPOCA DOS MACABEUS, FIGURA DA SITUAÇÃO ATUAL DA IGREJA

Resultado de imagem para macabeus

Fonte: Hojitas de Fe, 7, Seminário Nossa Senhora Corredentora, FSSPX
Tradução:
Dominus Est

“Tudo o que foi escrito, para nosso ensino foi escrito; a fim de que, pela paciência e consolação (que tiramos) das Escrituras, tenhamos esperança” (Rm 15 4). Nesta ordem de coisas, o primeiro Livro dos Macabeus está repleto de instruções para nós, ao assinalarmos duas coisas: • por um lado, as tremendas provas que o povo escolhido sofreu por querer imitar os pagãos: • por outro lado, o auxílio que a divina Providência deu naquela luta de vida ou morte, que, humanamente falando, deveria ter resultado na total aniquilação do pequeno povo judeu.

Propomos, então, aplicar em pinceladas breves o tema deste livro inspirado à crise atual da Igreja, também em dois pontos: • em primeiro lugar, descrevendo a situação provocada na Igreja por querer aceitar os princípios do homem moderno, racionalista, independente de Deus; • e, em seguida, destacar os remédios que a Providência deixou para a sua Igreja: uma situação semelhante a dos Macabeus, remédios semelhantes aos então dados pelo auxílio divino.

1ª Situação descrita pelo Livro inspirado, e aplicação à nossa.

Este livro nos conta como foi poderoso o reinado de Alexandre, o Grande, que rapidamente ocupou o mundo então conhecido. Este império impôs seus deuses e costumes em todos os lugares, exceto sobre o povo escolhido, que a princípio respeitou. Porém, mais tarde, sob o rei Antíoco Epifânio, da dinastia selêucida, este império tornou-se um perseguidor da verdadeira religião e do povo que a professava, o povo judeu. As coisas ocorreram da seguinte maneira. Continuar lendo

HISTÓRIA DA INVOCAÇÃO DA VIRGEM DO CARMO

12madonn_1467607Fonte: Hojitas de fe / Seminario de La Reja – Tradução: Dominus Est

O dia 16 de julho é a festa de Nossa Senhora do Carmo, devoção muito popular da Virgem, por ser a padroeira de uma das mais insignes ordens religiosas, e por nos ter dado o Santo Escapulário, que é uma das devoções marianas mais queridas do povo fiel.

1ª História da Ordem do Carmo.

A Ordem de Carmo e a invocação de Nossa Senhora do Carmo, segundo antigas tradições, remonta ao profeta Elias, que viveu no século IX aC. Este profeta viveu no Monte Carmelo, localizado na Palestina, em um promontório que entra no Mar Mediterrâneo, e é famoso por dois acontecimentos na vida do profeta Elias:

• A vitória contra os sacerdotes idólatras de Baal, no tempo do ímpio rei Acabe (860-852 aC), a quem o profeta fez matar após punir Israel com uma seca de três anos e meio.

• A visão da nuvenzinha misteriosa que a chuva trouxe: depois de matar os sacerdotes de Baal, Elias reabriu o céu que antes havia fechado; e foi então que ele viu uma nuvem misteriosa vinda do mar, muito pequena a princípio, mas que cresceu progressivamente, até trazer uma chuva abundantíssima; e por revelação divina Elias soube que esta nuvem era uma figura da futura Mãe do Messias.
Continuar lendo

REFLEXÕES SOBRE O “PENSAMENTO ÚNICO”

As antigas escolas filosóficas nas quais se “aprendia a pensar”

Fonte: FSSPX Distrito América do Sul – Tradução para o português: Dominus Est

 

O mundo do “livre pensamento” também tem suas máximas. Pode-se “pensar o que quiser” sempre que obrigatoriamente “se pense dessa maneira”. Esse “pensamento único” manipulado pelos meios de comunicação é o que abre as portas para todos os infortúnios que vivemos na atualidade.

Hoje, a cultura dominante, se podemos falar cultura, é essencialmente baseada na destruição de todos os cânones da ética cristã. A demolição das estruturas éticas está alinhada com o espírito do homem de hoje: se a “verdade” condena a realidade como a reduzimos, então a “verdade” é adaptada. Com o objetivo de não encarar a realidade e não precisar assumir responsabilidades, a maioria das pessoas adota crenças absurdas, renuncia à liberdade, prefere reconstruir a realidade adaptando-a às suas próprias ilusões.

“A verdade gera ódio; por isso alguns, para não incorrer no ódio daqueles que os escutam, velam sua boca com o manto do silêncio. Se pregaram a verdade, como a própria verdade exige e a divina Escritura abertamente impõe,incorreriam no ódio das pessoas mundanas, que acabariam expulsando-as de seus ambientes. Mas, como caminhamos de acordo com a mentalidade dos mundanos, temem escandalizá-los, enquanto nunca se deve faltarà verdade, nem mesmo à custa de escândalo”.[1]

Os fundamentos da vida ética estão sendo destruídos: os valores cristãos, a família, o Estado soberano, a escola. O Estado desaparece como estrutura que protege o bem comum e, com a normalização dos casais homossexuais, desaparecem as figuras do pai e da mãe e, portanto, da família. São considerados inimigos todos aqueles que ousam opor os valores éticos cristãos da vida pública.

A batalha contra a verdade emprega forças tão grandes que impedem as poucas pessoas “não contagiadas” de organizar e formar um movimento compacto e consistente. O poder da Besta aumenta a cada ataque, já que o Bezerro de Ouro, ou seja, o sistema financeiro internacional, é capaz de financiar qualquer operação. Os instrumentos monetários utilizados para o controle global são claramente devidos à coletividade.

O Bezerro de Ouro, para manter seu sistema de benefícios, precisa, contudo, impor o pensamento totalitário, eliminando todo vínculo moral, espiritual e cultural, de maneira que nos converta a todos em ignorantes, cheios de caprichos e sem qualquer responsabilidade em relação ao mundo exterior. O pensamento único globalizado – com seus promotores, arquitetos, vigilantes – serve para fazer previsíveis e controláveis os comportamentos sociais.

O homem de hoje está cada vez mais animalizado e globalizado, tendo escolhido aceitar a estupidificaçãotelevisiva e obedecer aos ditames do pensamento único “politicamente correto”.

Muitos já têm consciência da realidade dos “desenhos animados”. Não têm a menor ideia de como governos, bancos e instituições estão controladas para subverter a ordem natural e espiritual desejada por Deus.Acredita-se ainda que os telejornais e os periódicos são fontes de ciência e verdade, isentos de conflitos de interesses e intentos propagandísticos. Não há a menor consciência de que as mídiassão o instrumento de propaganda utilizado para manipular a percepção pública de ações governamentais e econômicas, para consolidar um sistema que vai completamente contra as leis de Deus. Tudo isso é claramente reforçado por instituições educacionais e escolares, nas quais é assimilado um conhecimento criado para distrair da compreensão do que está acontecendo.

Muitas pessoas pensam que a realidade começa e termina exatamente onde elas foram levadas a acreditar. Mas, como Sêneca nos advertiu:

“Não há pessoa mais escravizada do que aquela que se crê livre”.

A verdade é que vivemos em um “sistema de poder” corrupto, que, por meio do uso de ações dificilmente opináveis, por ser sustentadas por motivos “aparentemente coerentes”, dirige-nospor caminhos acima determinados pelos Veneráveis Irmãos Iluminados,os “Cavaleiros da Mesa Posta”, a serviço do Grande Arquiteto dos Distribuidores e dos Alimentadores.

A “ditadura do pensamento único” é a evolução dos antigos sistemas totalitários. Para convencer ou conquistar, não é necessário recorrer aos métodos autoritários de um tempo; por meio do controle dos meios de comunicação são criadas opiniões majoritárias. As descobertas no campo da psicologia cognitiva permitiram a criação de sofisticadas técnicas de manipulação que têm nos “Spin Doctors” [peritos]suas figuras de referência. São os Spin Doctorsos que, atuando dentro das instituições como consultores ou assistentes de políticos, ditam a agenda dos meios de comunicação.

São Tomás de Aquino, defensor do conhecimento da única verdade

A neo-linguagem do “pensamento único”, análogo ao orwelliano, inverte o significado das palavras. Ridiculariza, isola, reprime todas as formas de pensamento que divergem da “ortodoxia”, sem utilizar argumentos racionais, mas simplesmente por meio de acusações e slogans pré-fabricados.

Para dirigir segundo os planos o curso da transformação da sociedade, constroem-se “crenças protegidas” continuamente reforçadas nos telejornais; algumas das mais recorrentes são: impostos, dívida pública, imigração. Essas “crenças protegidas” são usadas pelos vassalos do poder mundialista para determinar a forma da sociedade porque, como afirmava Pio XII:

“Da forma dada à Sociedade, conforme ela concorda ou não com as Leis divinas, depende o bem ou o mal das almas”.

Como Orwel previu, hoje são as massas que defendem as “mentiras oficiais”. É suficiente desligar a televisão e ligar o cérebro para entender sobre quais bases se apoiam. Um pouco de espírito crítico é suficiente para ver a mentira tecnocrática segundo a qual o que acontece na política e na economia é muito difícil de compreender.

Não basta entender que a tarefa das “instituições legítimas” deveria ser a de emitir moeda, não subtraí-la do povo para dar aos banqueiros privados, fazendo-o pagar, como os italianos pagaram, dois trilhões de euros de “juros da dívida”. Não basta entender que a assim chamada “dívida pública” é uma superestrutura criada pela concessão da soberania monetária a banqueiros privados, o que acontece quando uma moeda do Estado é substituída por uma moeda privada como o euro. Não basta entender que justificar a imigração como forma de compensar o declínio demográfico é uma mentira: em vez de gastar 45 euros por dia por cada africano que entra na Itália, seria suficiente dar 45 euros por dia a todos os casais italianos que tenha um filho…

Se não se fizer o esforço para desligar a TV e ligar o cérebro, corre-se o risco de se tornar como a maioria das pessoas, que se “confina” na televisão depositando plena confiança em jornalistas telegênicos da moda, colocados ali para organizar o pensamento coletivo.

Infelizmente, a população, além de se adaptar ao “pensamento único”, também tende a se acostumar com a imoralidade do poder, já que pensar na injustiça sofrida é muito doloroso. A dimensão da batalha espiritual é imponente e não é possível tomá-la sem a verdadeira fé cristã; isto é, aquela que não foi mutilada pelo espírito inovador da Igreja “emancipada”, que, em vez de converter o mundo ao Evangelho, prefere “adaptar” o Evangelho ao mundo moderno.

“Não pode ser negligenciado o espetáculo miserável de um mundo em desordem pela ruína, operada, das estruturas morais fundamentais da vida… Não podemos, contudo, deixar de notar a crescente onda de culpas privadas e públicas, que tenta submergir as almas na lama e subverter todos os ordenamentos sociais saudáveis. Como toda época tem suasmarcas que selam suas obras, nossa era, em sua própria culpabilidade, distingue-se por indicadorescomo os séculos passados, talvez,nunca viram igualmente reunidos”.[2]

AnonimoPontino

(Traduzido para o espanhol por Marianuso eremita)

Sí Sí NO NO, 22 de junho de 2018.

[1] Sto. Antônio de Pádua. Sermões.

[2] Pio XII, Homilia, Basílica Vaticana, 26 de março de 1950.

TIBIEZA: CONTENTAR-SE COM NÃO OFENDER A DEUS PELO PECADO MORTAL, MAS NÃO QUERER EVITAR O PECADO LEVE

Resultado de imagem para tibiezaFonte: Capela Santo Agostinho

Que é a tibieza?

A tibieza é uma doença espiritual e das mais graves e perigosas. É o verme roedor da piedade. Micróbio terrível! Mina o organismo espiritual sem que o enfermo perceba. Enfraquece a pobre alma. Amortece as energias da vontade. Inspira horror ao esforço. Afrouxa vida cristã. Espécie de langor ou torpor, diz Tanquerey, que não é ainda a morte, mas que a ela conduz sem se dar por isso, enfraquecendo gradualmente as nossas forças morais. Pode-se compará-la a estas doenças que definham, como a tísica, e consomem pouco a pouco algum dos órgãos vitais. É uma sonolência, um sistema de acomodações na vida espiritual.

O tíbio não quer lutar. Tem horror ao combate da vida cristã. Não compreende a palavra de Nosso Senhor: Eu não vim trazer a paz, mas a guerra!

Guerra ao pecado, guerra às paixões, guerra à indiferença.

Quem não é por mim, é contra mim!

O tíbio não compreende este radicalismo sublime do Evangelho e da cruz. Numa palavra o define bem o Espírito Santo: é morno. Nem frio, nem quente.

Nem o ardor da caridade, o fogo do amor, nem o gelo da descrença e da impiedade e da morte da alma.

A tibieza é uma inércia espiritual. Um estado lamentável da alma.

É a mediocridade que se contenta com não ofender a Deus pelo pecado mortal, mas não quer evitar o pecado leve, fugir do relaxamento da vida espiritual.

Enfim, para defini-la com precisão e distingui-la do que a ela apenas se assemelha, como a aridez e outras provações da vida espiritual, vamos dar a sua definição. Continuar lendo

NOSSA SENHORA, NOS TEMPOS DO ANTICRISTO

Fonte: FSSPX México – Tradução: Dominus Est

Este artigo do Padre Calmel, OP – uma grande figura do tradicionalismo católico – mostra-nos como devemos pedir a intercessão da Santíssima Virgem em nosso tempo de confusão geral.

“Quisera eu viver nos tempos do Anticristo” escrevia a pequena Teresa em seu leito de agonia. Não há dúvida de que a carmelita que se ofereceu como vítima de um holocausto ao Amor Misericordioso intercederá por nós quando surgir o Anticristo, nem há dúvida que já está intercedendo especialmente em nosso tempo, em que os precursores do Anticristo se introduziram no seio da Igreja. Também não há dúvida de que sua oração está unida com a súplica infinitamente mais poderosa da Santíssima Virgem Maria, Mãe de Deus. Aquela que esmaga a cabeça do dragão infernal em sua Imaculada Conceição e sua Maternidade virginal, a que foi glorificada de corpo e alma e que reina no céu com seu Filho. Ela domina como soberana todos os tempos de nossa história e, particularmente, os momentos mais tremendos para as almas, a saber, os da vinda do Anticristo e aqueles em que seus diabólicos precursores prepararão esta vinda.

Maria se manifesta não somente como Virgem Poderosa e consoladora nos momentos de angústia para a cidade terrestre e a vida corporal, mas se mostra, sobretudo, como Virgem auxiliadora, forte como um exército em ordem de batalha, em tempos de devastação da Santa Igreja e de agonia espiritual de seus filhos. Ela é a rainha da história do gênero humano, não somente para os tempos de angústia, mas também para os tempos do Apocalipse.

A Primeira Guerra Mundial foi um desses tempos de angustia: matanças de ofensiva mal preparadas, derrota implacável sob um furacão de ferro e fogo … Quantos homens ao apertarem seus cintos saíam com a terrível certeza de perecer neste tornado alucinante sem nunca ver a vitória; mesmo às vezes, e era o mais atormentador, as dúvidas lhes vinham à mente a respeito do valor de seus chefes e a prudência em suas ordens. Mas, no final, em um ponto eles não tinham dúvidas e essa questão superava todas: a da autoridade espiritual. O capelão que auxiliava esses homens a serviço da pátria até sua morte era absolutamente firme em todos os artigos da fé e nunca teria pensado em adaptar pastoralmente a Santa Missa. Celebrava o Santo Sacrifício da Missa segundo o rito e as palavras antigas; celebrava com uma piedade muito mais profunda, que o sacerdote sem armas e seus paroquianos armados, poderiam ser chamados a unir, de um momento a outro, seu sacrifício de pobres pecadores com o único sacrifício do Filho de Deus que tira os pecados do mundo.  Continuar lendo

FOTOS DAS ORDENAÇÕES EM ZAITZKOFEN – ALEMANHA (2018)

Este slideshow necessita de JavaScript.

Fonte: La Porte Latine – Tradução: Dominus Est

No sábado, 30 de junho de 2018, Dom Alfonso de Galarreta, bispo auxiliar da Fraternidade São Pio X, cercado pelos padres Niklaus Pfluger, Primeiro Assistente Geral da FSSPX e Stefan Frey, Diretor do Seminário Sagrado Coração de Jesus, em Zaitzkofen, na Alemanha, ordenou 6 sacerdotes, na presença de uma multidão de quase 2.500 fiéis.

Os jovens levitas são de diferentes países: Alemanha, Áustria, Polônia, Rússia e Suíça. Nosso fundador, Mons. Marcel Lefebvre, disse uma vez, ver um sinal de Deus no fato de que jovens, animados por uma autêntica fé católica e vindos dos quatro cantos do mundo, se juntam à Fraternidade.

Rezemos pela perseverança dos ordenados de que tanto precisamos.

Deo gratias!

“Senhor, dai-nos sacerdotes,

Senhor, dai-nos santos sacerdotes,

Senhor, dai-nos muitos santos sacerdotes,

Senhor, dai-nos muitas santas vocações religiosas,

Senhor, dai-nos famílias católicas, 

São Pio X, rogai por nós”

MISSA DAS CRIANÇAS NA FSSPX

Como é uma Missa para as crianças na FSSPX?

Eis abaixo uma delas, em São Nicolau du Chardonnet, uma das paróquias da FSSPX em Paris.

Ao contrário do que vemos em muitas catedrais e paróquias conciliares (entregues ao modernismo e já com a total perda da noção do ridículo, visto que para esses a Missa é uma ceia, um simples memorial…), obviamente nas Missas da FSSPX não há sacerdote-palhaço, nem fantoches, nem catequistas alienados, nem musiquinhas bobas, nem animadores idiotas… porque as crianças, muito bem catequizadas, são sensíveis ao verdadeiro sacrifício da Missa, que os capta sem necessidade de outra coisa.

A DESCRIMINALIZAÇÃO DO ABORTO – CRIME QUE CLAMA VINGANÇA AO CÉU

Resultado de imagem para contra o aborto

Fonte: Hojitas de Fe, 253, Seminário Nossa Senhora Corredentora, FSSPX
Tradução:
Dominus Est

O livro de Daniel, ao contar-nos o episódio da casta Susana, em que dois judeus iníquos, velhos maliciosos, tentaram condenar uma mulher inocente à morte, para dissimular a paixão que os inflamava e se vingarem daquela que não cedera, diz deles:

“Naquele ano tinham sido constituídos juízes dois velhos dentre o povo, daqueles de quem o Senhor falou, quando disse: A iniquidade saiu da Babilônia por meio de velhos que eram juízes, os quais pareciam governar o povo.” (Dn13 5).

O mesmo está acontecendo em nossa terra natal [Argentina]. Em 13 de junho de 2018, o projeto de lei de descriminalização do aborto foi aprovado na Argentina, na Câmara dos Deputados da Nação. Já em 25 de maio, havia sido na Irlanda, por 65% dos votos, e no Chile, em setembro de 2017. A iniquidade vem daqueles mesmos que estão encarregados de governar o povo, dando-lhes leis; os inocentes, neste caso os nascituros, são condenados à morte por aqueles mesmos que deveriam velar por suas vidas, e isso por causa de interesses sórdidos, paixões não confessadas.

Confrontado o caos de ideias e argumentos sobre a questão do aborto exibidos, é necessário fazer uma pontuação de esclarecimento, para apresentar a realidade como ela é. Iniciemos com algumas reflexões. Continuar lendo

MÊS DE JULHO, DEDICADO AO PRECIOSÍSSIMO SANGUE DE JESUS CRISTO

Resultado de imagem para sangue de jesusFoste imolado e resgataste para Deus, ao preço de teu sangue, homens de toda tribo, língua, povo e raça” (Ap 5,9).

Fonte: Fojitas de Fe, 203, Seminário Nossa Senhora Corredentora
Tradução:
Dominus Est

A Igreja dedica todo o mês de julho ao amor e adoração do Preciosíssimo Sangue de nosso Salvador Jesus. É justo que nós adoremos na santa humanidade de Cristo, com um culto especial, aquelas partes que são mais significativas de algum mistério ou perfeição divina; e assim honramos: • SEU CORAÇÃO: para prestar culto ao seu amor infinito; • SUAS CHAGAS: para prestar culto a suas dores e sua paixão; • SEU SANGUE: para prestar culto ao preço de nossa Redenção.

No entanto, esse culto do Sangue do Salvador assume um caráter festivo no mês de julho e na festa com a qual este mês inicia. Já na Quinta-feira Santa celebramos a instituição da Eucaristia e na Sexta-feira Santa o Sangue de Cristo derramado por nós; mas o acento da celebração centrava-se em sentimentos de dor, de compunção, de contrição. A Igreja volta depois a dar culto à Sagrada Eucaristia na festa de Corpus Christi, e também à Paixão e Sangue do Salvador, mas com maior ênfase nos sentimentos de alegria e triunfo.

Por este culto nós agradecemos a Nosso Senhor a Redenção como uma vitória já obtida, e nos exultamos em tomar parte entre o número dos redimidos, daqueles que foram lavados no Sangue do Cordeiro. E prestamos culto de latria ao Sangue do Redentor, reconhecendo especialmente uma virtude salvadora, como se vê: Continuar lendo

AS FALSAS RELIGIÕES FORAM INVENTADAS PELO DEMÔNIO – PALAVRAS DE MONSENHOR LEFEBVRE

Fonte: FSSPX México Tradução: Dominus Est

“Os Papas, que de modo algum eram liberais e que permaneceram firmes na fé, sempre distinguiram explicitamente a verdadeira religião das falsas. De que espírito vem as falsas religiões? De Deus ou do demônio? Se são falsas foram inventados pelo espírito do erro e da mentira, e o mestre da mentira e do erro é o demônio “.

Os progressistas ficam furiosos se dissermos que as outras religiões são falsas. Eles não suportam ouvir isso. “Assim que os senhores condenam todas as outras religiões?” “Todas as outras religiões são más?” É algo visceral para eles e seu conceito concorda com o próprio princípio do liberalismo, segundo o qual todas as religiões são boas. 

Os senhores acreditam – dizem – que apenas a religião católica é boa e capaz de fazer o bem à sociedade. Mas veja a piedade dos muçulmanos ou budistas …”

As falsas religiões foram inventadas pelo demônio justamente para afastar populações e países inteiros de Nosso Senhor, e impedir-lhes que se tornem católicos e ouçam a Verdade. Não há dúvida. Por isso que é quase impossível converter muçulmanos. Continuar lendo

A PREPARAÇÃO PARA O NATAL, PREFIGURADA NA PESSOA DO BATISTA

Para a Festa de hoje, de São João Batista.

Resultado de imagem para saint jean baptiste

Fonte:  Hojitas de Fe, 17. | Seminário Nossa Senhora Corredentora FSSPX / – Tradução: Dominus Est

Como é sabido, o tempo do Advento prepara nossas almas para as três vindas ou adventos de Cristo entre nós: • a primeira é sua vinda em carne mortal, pela Encarnação, para padecer e morrer por nós; • a segunda é sua vinda espiritual a nossas almas, pela graça, para nos fazer viver de seus mistérios; • a terceira é sua vinda no final dos tempos, pela Parusia, pra julgar os vivos e os mortos.

Pois bem, essas três vindas reclamam uma preparação semelhante, maravilhosamente prefigurada e expressa por São João Batista. Poderíamos até mesmo dizer que São João Batista é um advento em ação: toda sua pessoa e missão estão inteiramente ordenadas a preparar os corações para receber a Cristo. Assim, pois, considerando o que São João Batista foi na primeira vinda de Cristo, veremos quais são as disposições que são agora necessárias em nós para nos prepararmos dignamente para a festa de Natal.

1ª Penitência: Preparai os caminhos do Senhor.

Quando São João Batista apareceu, o mundo inteiro se comoveu, ao menos na Judeia. Por mais de quatro séculos já não havia profetas em Judá, e a voz do Senhor houvera se calado durante tanto tempo justamente para que o povo eleito estivesse em expectativa, em relação ao futuro Messias. Por isso, quando João fez sua aparição, todos vieram até ele.

Para devidamente cumprir sua missão, João teve que conhecer, à luz do Espírito Santo, três coisas: • o advento iminente do Messias; • as disposições morais com que Israel deveria recebê-lo; • a ação que ele, como Precursor, deveria realizar, tanto em ordem ao Messias, a quem havia de apontar com o dedo, como em ordem a Israel, a quem havia de dispor. Pois bem, entre essas disposições, a primeira que João pregou foi a penitência:

“O Senhor falou a João, filho de Zacarias, no deserto. E ele foi por toda a terra do Jordão, pregando o batismo de penitência para remissão dos pecados, como está escrito no livro das palavras de Isaías profeta: ‘Voz do que clama no deserto: Preparai o caminho do Senhor; endireitai as suas veredas; todo o vale será terraplanado, e todo o monte e colina será arrasado, e os caminhos tortuosos tornar-se-ão direitos, e os escabrosos planos; e todo o homem verá a salvação de Deus’”. Continuar lendo

EDUCAÇÃO SOBRENATURAL

Resultado de imagem para mãe catolicaHá duas vidas em teu filho. Sobretudo a vida sobrenatural deve preocupar-te, vivamente. Dela depende a felicidade eterna dos teus. Seguindo o Pe. Bethléem, vamos expor-te o seguinte sobre esse assunto:

Por educação sobrenatural  se deve entender a criação, a iluminação da alma, o amparo, a ressurreição, a frutificação, a extensão e a transformação da vida sobrenatural da graça. O educador precisa satisfazer várias condições para conseguir seu intento. Deve viver no estado de graça, ter um grande espírito de fé, possuir uma sólida instrução religiosa e ser profundamente piedoso.

Do contrário não saberá falar com convicção sobre o amor de Deus e o horror ao pecado. Deixar-se-á guiar pelas praxes pagãs do mundo. Não saberá falar à alma infantil.

Nasce a vida sobrenatural com o batismo. Já dissemos que a mãe cristã deverá guardar a data do batizado do filho, para celebrá-la como “aniversário” do nascimento sobrenatural. Ilumina-se esta vida pela instrução religiosa, que aliás é gravíssimo dever que pesa sobre os pais.

Não se reduz a instrução ao mero conhecimento de rezas e orações. Requer o estudo das verdades do catecismo. Criança que desconhece o catecismo é uma analfabeta nas letras da vida eterna. As lado da instrução vem a formação da consciência, que é a voz de Deus dentro da alma. A educadora prudente pode contribuir para isso, suprindo, esclarecendo, tornando simples, dirigindo, preservando e exercitando a consciência dos filhos.

… De que preservarás a consciência dos teus?

Do pecado, do escrúpulo, das ilusões (sobre as promessas da vida, sobre a retidão das intenções, sobre as confissões, que se devem fazer). Amparos da vida sobrenatural são a oração, a crisma, a comunhão. A primeira traz a graça diária. O sacramento da fortaleza nos confirma na vida e a Eucaristia nutre essa vida…

A vida sobrenatural ressucita, quando morta pelo pecado, no sacramento da confissão. A assiduidade à confissão é, portanto ótimo fator educativo e de valor sobrenatural. Os frutos desta vida sobrenatural são a fé, a esperança, o amor a Deus, o amor à Igreja Católica, o zelo pela alma do próximo. Quantos horizontes iluminados, leitora!

Realmente, não é pequena a tarefa de uma educadora que quer educar sugundo as intenções de Deus. Mas sua recompensa não fica atrás dos sacrifícios e nem depende dos frutos que conseguir. Por isso, confiança em Deus, muita oração, muito estudo e mãos ao trabalho!

As três chamas do lar– Pe. Geraldo Pires de Souza

O SAGRADO CORAÇÃO DE JESUS

Resultado de imagem para sacred heart jesusFonte: Hojitas de Fe, 94. | Seminário Nossa Senhora Corredentora FSSPX.
Tradução:
Dominus Est

Quem nunca ouviu contar, alguma vez, a história daquele irmão leigo que, entrando na religião para servir a Deus, mas não podendo fazê-lo como os outros monges, tinha uma vida interior sumamente simplificada?

Durante o seu trabalho, não sendo capaz de ter pensamentos elevados sobre Deus, limitava-se a dizer repetidamente: “Creio em Deus, espero em Deus, amo a Deus”. Quando ele se retirava para a igreja, não sabia como meditar como os outros religiosos, e por essa razão continuava recitando sua jaculatória favorita: “Creio em Deus, espero em Deus, amo a Deus”. Depois de algum tempo, aquele irmão, que em nada brilhara de especial durante sua vida, morreu e foi enterrado no cemitério da comunidade. E qual não foi a surpresa dos religiosos quando se deram conta de que, em cima do túmulo do humilde leigo, brotara uma flor de extrema beleza. Uma vez crescida a flor, perceberam que tinha três pétalas, e em cada uma das pétalas estava escrito com letra de ouro um dos três lemas do humilde irmão: “Creio em Deus, espero em Deus, amo a Deus”. Admirado pelo prodígio, o superior ordenou que cavassem para ver de onde brotava a flor; e então se pode ver que a flor estava enraizada no coração do humilde irmão leigo.

Algo semelhante acontece com o Sagrado Coração de Jesus. A história testemunha a repentina aparição de belíssimas flores: • de Apóstolos que pregaram o nome de Jesus até os confins da terra; • de Virgens que lhe consagraram toda sua vida, e de Mártires que não hesitaram em sacrificá-la por ele; • de Doutores que ensinaram aos povos as verdades divinas; • e de um sem-número de almas que, amando e confessando a Cristo, começaram a viver cristãmente. E essas flores começaram a crescer de tal forma que toda a sociedade se viu transformada e, acabou por aceitar as leis do divino Crucificado. Pois bem, se nós, por uma santa curiosidade, quiséssemos descobrir onde se encontram as raízes dessas flores, veríamos que estão no Sagrado Coração de Jesus. Continuar lendo

FESTA DO SAGRADO CORAÇÃO DE JESUS

sagrFidelis est qui vocavit vos, qui etiam faciet – “Fiel é aquele que vos chamou: ele também assim fará” (1 Thess. 5, 24).

Sumário. Os homens prometem facilmente, mas depois faltam muitas vezes à palavra, ou porque enganaram prometendo ou porque não a podem ou não a querem guardar. Não faz assim Jesus Cristo, que, sendo Deus todo poderoso, não pode enganar nem mudar. Quanto melhor é, pois, ter que tratar com este Coração divino do que com os homens! Ponhamos, porém, a mão na consciência: somos nós fiéis a Deus, assim como ele nos é fiel? Quantas vezes temos já prometido amá-Lo e depois o temos traído!

*********************

Oh! Quanto o belo Coração de Jesus é fiel para com aqueles que Ele chama a seu santo amor! Fiel é aquele que vos chamou: ele também assim fará. A fidelidade de Deus nos dá ânimo para esperar tudo, se bem que nada mereçamos. Depois de expulsarmos a Deus de nosso coração, basta que Lhe abramos a porta para Ele entrar logo segundo a promessa feita: Si quis aperuerit mihi ianuam, intrabo ad illum et coenabo cum illo(1) – “Se alguém me abrir a porta, entrarei em sua casa e ceiarei com ele”. – Se desejamos graças, peçamo-las em nome de Jesus Cristo, visto que Ele nos prometeu que assim as obteremos:Se pedirdes alguma coisa a meu Pai em meu nome, Ele vo-la dará (2). Nas tentações, confiemos nos méritos de Jesus, e Ele não permitirá que os inimigos nos incomodem acima das nossas forças: Fidelis autem Deus est, qui non patietur vos tentari supra id quod potestis (3).

Oh, como é preferível tratar com Deus a tratar com os homens! Quantas vezes estes não prometem e depois faltam à palavra, quer porque enganam na promessa, quer porque depois da promessa mudam de opinião. Non est Deus quasi homo, ut mentiatur; nec ut filius hominis ut mutetur (4). Deus, assim diz o Espírito Santo, não pode ser infiel em suas promessas, porque não pode mentir, sendo a verdade mesma; nem pode mudar de opinião, porque tudo o que quer é justo e reto. Prometeu acolher todo aquele que a Ele se chega; dar auxílio ao que o pede, amar àquele que O ama, e depois não há de fazer? Dixit ergo, et non faciet? Continuar lendo

SOLENIDADE DE CORPUS CHRISTI

Clique aqui e ouça o belíssimo ofício Adoro Te Devote, composto por Santo Tomás de Aquino a pedido do Papa Urbano IV, no século XIII, por ocasião da promulgação da Festa de Corpus Christi através da Bula “Transiturus”.

Imagem relacionada

Ó sagrado convite em que se recebe a Cristo:
renova-se a memória de sua Paixão;
a alma se plenifica de graça,
e nos é dado um penhor da glória futura.

Fonte: Hojitas de Fe, 200, Seminário Nossa Senhora Corredentora, FSSPX
Tradução:
Dominus Est

Nas Vésperas da festa de Corpus Christi cantamos esta linda antífona, escrita (como todo o Ofício do Santíssimo Sacramento) por Santo Tomás de Aquino, e carregada de significado teológico.

Com efeito, Santo Tomás nos ensina na Suma Teológica (III, 60, 3) que todo sacramento, especialmente o da Eucaristia, é um sinal sensível que significa a nossa santificação, na qual podemos considerar três coisas: 1º a própria causa da santificação, que é a Paixão de Cristo; 2º sua essência mesma, que é a graça; 3º seu fim último, que é a vida eterna.

E assim, a Sagrada Eucaristia é um sinal rememorativo da Paixão de Cristo; um sinal demonstrativo do que se realiza em nossas almas pela Paixão de Cristo, a saber, a graça; e um sinal prenunciativo da glória futura. Consideremos, pois, cada um desses três pontos.

1º A Sagrada Eucaristia – sinal rememorativo da Paixão de Cristo

Esta é uma das verdades fundamentais que se nos quer fazer esquecer hoje, quando nos apresentam a Sagrada Eucaristia somente sob o aspecto da comunhão ou de ceia. No entanto, a Sagrada Eucaristia deve ser apreciada e considerada também sob outro aspecto, mais importante, que é o de sacrifício. A Sagrada Eucaristia não é tão somente uma comunhão com o Corpo e Sangue de Cristo; é, antes de tudo, a renovação incruenta do Sacrifício do Calvário. Ambos os aspectos são inseparáveis. Sem Sacrifício não haveria Sacramento: uma vez que Cristo faz-se presente sob as espécies de pão e vinho para ser imolado. Da mesma forma, sem Sacramento não há Sacrifício: porque, para que haja sacrifício, é necessária a presença da Vítima e porque a integridade do Sacrifício exige a comunhão com a Vítima sob o aspecto de Sacramento. Continuar lendo