TOMADAS DE HÁBITO E PROFISSÕES ENTRE AS IRMÃS DA FSSPX

UMA NOVA SUPERIORA GERAL PARA AS IRMÃS DA FSSPX | DOMINUS EST

A Congregação das Irmãs da Fraternidade São Pio X tem a alegria, todos os domingos de Quasimodo, de expandir-se durante a cerimônia de tomada do hábito e das profissões.

Fonte: La Porte Latine – Tradução: Dominus Est

Neste sábado, 11 de abril de 2021, as fileiras das Irmãs da Fraternidade São Pio X, essas preciosas auxiliares dos sacerdotes, cresceram da seguinte forma:

  • no noviciado de Ruffec: 1 noviça e 3 profissões perpétuas.
  • As outras três casas de formação religiosa das Irmãs dão à família: 7 noviças, 2 professas temporárias e 2 professas perpétuas.

Este ano, 15 Irmãs estão dando os primeiros passos na vida religiosa, tomando o hábito ou fazendo os três votos de obediência, castidade e pobreza.

Para essas almas chamadas a viver na intimidade de Deus, a felicidade é grande em subir os degraus que as conduzem à doação total! As Irmãs dão graças a Deus, mas a colheita é abundante e as 210 trabalhadoras são muito poucas. As necessidades são urgentes. Como responder aos apelos das almas que as solicitam em todo o mundo?

Rezemos para obter de Nossa Senhora da Compaixão, padroeira e mãe das Irmãs, numerosas e santas vocações.

Mais sobre as Irmãs da FSSPX pode ser visto clicando aqui, aqui e aqui.

NOVIDADES DA REFORMA E CONSTRUÇÃO DO PRÉ-SEMINÁRIO EM SANTA MARIA

Na segunda-feira, 15 de março de 2021, começaram as obras de reforma e construção para o nosso Pré-Seminário (em Santa Maria/RS).

Os pisos e azulejos do banheiro já foram retirados, já foram feitas as novas paredes e está sendo terminada a encanação de água e esgoto.

No primeiro andar já foram retiradas as janelas e estão sendo preparados os novos vãos para recolocá-las; foi retirado o telhado e foram niveladas as paredes exteriores para receberem a laje do novo andar que será construído em breve.

O reforma da cozinha do Priorado para servir de refeitório dos pré-seminaristas já está pronta.

As obras avançam rapidamente e temos recebido a bênção dos primeiros oito pré-seminaristas que já estão recebendo aulas no Priorado de Santa Maria.

Continuamos contando com a generosidades de todos os fiéis do Brasil para terminar de construir nosso Pré-Seminário.

Deus abençoe todos os seus esforços!

Fotos do andamento das obras

Reforma dos banheiros:

Este slideshow necessita de JavaScript.

Cozinha: antes e depois!

Este slideshow necessita de JavaScript.

Retirada do telhado

Este slideshow necessita de JavaScript.

Fotos e vídeos aéreos do prédio do Pré-Seminário

Este slideshow necessita de JavaScript.

Os Padres do Priorado e os pré-seminaristas

Faça a sua doação!

A obra consiste na restauração dos dois primeiros andares e a construção de um terceiro andar. São 75mts2 de construção e 150mts2 de reforma.

– O metro quadrado de construção custará R$ 1.000,00
– O metro quadrado de restauração custará R$ 500,00

Faça sua doação ao Priorado Imaculado Coração de Maria de Santa Maria/RS na conta:

Associação São Pio X
CNPJ: 04.455.445/0001-17
Banco Itaú
Agencia: 0330
Conta corrente: 03232-7

Especificando como motivo do depósito “Pré-seminário São Luiz Gonzaga”

Conheça aqui todos os detalhes da campanha

**************************

Nota do blog 1: Colocamos abaixo alguns links sobre a vocação sacerdotal:

Nota do blog 2: Mais números sobre a FSSPX podem ser vistos clicando aqui.

Nota do blog 3: Perguntas e respostas sobre a FSSPX podem ser vistas clicando aqui.

**************************

“Senhor, dai-nos sacerdotes,

Senhor, dai-nos santos sacerdotes,

Senhor, dai-nos muitos santos sacerdotes,

Senhor, dai-nos muitas santas vocações religiosas,

Senhor, dai-nos famílias católicas, 

São Pio X, rogai por nós”

A JORNADA DE UM SACERDOTE – SEMINÁRIO DA FSSPX (DOCUMENTÁRIO)

NOTA DO BLOG 1: Junte-se à FSSPX na Cruzada de Rosários pelas Missas e pelas Vocações (LEIA AQUI)

NOTA DO BLOG 2: Colocamos abaixo alguns links sobre a vocação sacerdotal:

NOTA DO BLOG 3Mais números sobre a FSSPX podem ser vistos clicando aqui.

NOTA DO BLOG 4Perguntas e respostas sobre a FSSPX podem ser vistas clicando aqui.

NOTA DO BLOG 5: Mais posts com fotos, vídeos e reportagens sobre as ordenações na FSSPX podem ser vistas clicando aqui e acessando a tag FSSPX de nosso Blog.

**************************

“Senhor, dai-nos sacerdotes,

Senhor, dai-nos santos sacerdotes,

Senhor, dai-nos muitos santos sacerdotes,

Senhor, dai-nos muitas santas vocações religiosas,

Senhor, dai-nos famílias católicas, 

São Pio X, rogai por nós”

VÍDEO: TRECHOS DO FUNERAL DE D. LEFEBVRE, EM 2 DE ABRIL DE 1991, EM ECÔNE

Fonte: La Porte Latine – Tradução: Dominus Est

Este vídeo VHS foi produzido por um dos fiéis de Amiens que compareceu ao funeral de D. Marcel Lefebvre, em 2 de abril de 1991, no seminário de Ecône.

Pode-se reconhecer muitos clérigos na imensa procissão que precede e segue a cerimônia da qual vemos alguns extratos.

Este vídeo, de 26 minutos, é a homenagem de um simples católico ao grande e perspicaz Bispo, D. Marcel Lefebvre.

 

25/03/2021 – 30 ANOS DO FALECIMENTO DE S.E.R. DOM MARCEL LEFEBVRE

“Somos todos filhinhos Dele”.

Aos 30 anos da morte de Dom Marcel Lefebvre, como nossa singela homenagem, reapresentamos a nossos leitores um post publicado por nós há exatos dez anos: os últimos instantes deste heróico arcebispo, a quem a Igreja tanto deve neste sombrio momento em que vivemos.

Obrigado, Monsenhor!

Fonte: Fratres in Unum

* * *

Tempo da paixão

Tomando conhecimento da morte de sua irmã mais velha, Jeanne, Dom Lefebvre decidiu não ir ao seu funeral [ndr: por conta de seus problemas de saúde]: “Rezo todo dia para que eu possa morrer antes de perder minha consciência. Prefiro partir, pois se caísse em contradição, diriam: ‘Aí está; ele disse que errou!’ E eles tirariam vantagem disso”.Muitas vezes o Arcebispo mencionava a morte suave de sua irmã mais velha, chamada de volta à casa por Deus quando acabara de ir tirar um cochilo; ele gostaria de ter falecido assim, embora com a Extrema Unção. Mas Deus pediria ao padre e bispo Marcel Lefebvre que tomasse parte em Seus sofrimentos redentores.

Em 7 de março de 1991, festa de Santo Tomás de Aquino, o Arcebispo deu a seus amigos e benfeitores de Valais a tradicional conferência. Cheio de fé e eloqüência, concluiu com estas palavras: “Nós as teremos!”. E no dia seguinte, às 11 da manhã, celebrou o que seria sua última Missa na terra. Mas tamanhas eram sua dor de estomago e fadiga que realmente pensou que não poderia terminá-la. Apesar disso, partiu de carro para Paris, a fim de assistir ao encontro dos fundadores religiosos nos “Círculos da Tradição”:  “É algo muito importante”, disse, “e está dentro do meu coração”.

Hospitalização, operação

Ele sequer passou de Bourg-en-Bresse; por volta das 4 da manhã, acordou seu motorista, Rémy Bourgeat: “Não estou bem”, disse, “vamos voltar para a Suíça”. E a seu pedido, ingressou no hospital em emergência na manhã de 9 de março. O direitor do hospital em Martigny, Sr. Jo Grenon, era um amigo de Ecône. O Arcebispo foi acolhido na ala operatória no quarto 213. Atrás das montanhas que cercam a cidade estava Forclaz, e França, e não muito distante o Grande Passo de São Bernardo, Itália, e Roma.

O Arcebispo estava confiante, mas sofria: “É como um fogo queimando meu estômago e subindo até meu peito”.

Padre Simoulin deu-lhe a Sagrada Comunhão, que receberia até a sua operação: Ele o agradeceu: “Fiz o senhor perder as vésperas… mas o senhor fez uma obra de caridade. Trouxe para mim o melhor Médico. Nenhum deles pode me dar mais do que o senhor deu”.

Admirava o Crucifixo, que fora trazido para o altar temporário em seu quarto: “Ele ajuda a suportar os sofrimentos”.

Analgésicos ajudavam a diminuir seus sofrimentos e era alimentado intravenosamente. Brincava, dizendo às enfermeiras: “Vocês fizeram um bom negócio comigo: estou pagando integralmente e vocês sequer estão me alimentando!”

Além do mais, era muito paciente e os médicos tiveram que repreendê-lo para que falasse sobre suas dores. As enfermeiras acharam-no muito gentil e excepcionalmente discreto: nunca usara o sino para pedir atenção. Não queria incomodar os outros. Estava um pouco preocupado com as conseqüências de uma cirurgia, mas ao mesmo tempo resignado e confiante. Disse por diversas vezes: “Terminei meu trabalho e não posso fazer mais. Não me resta senão rezar e sofrer”.

Na segunda-feira, 11 de março, sentiu um calafrio subindo suas pernas e pediu a Extrema-Unção, que recebeu com grande recolhimento e simplicidade, mantendo seus olhos fechados e respondendo ao sacerdote de maneira muito clara. Em seguida, pediu a benção apostólica in articulo mortis (na hora da morte) e então abriu seus olhos tranquilos, sorriu, agradeceu ao sacerdote e acrescentou: “Quanto às orações pelos moribundos, podemos esperar um pouco mais”.

Melhorara um pouco, mas ainda não havia começado a rezar novamente seu breviário. “Então rezo algumas orações simples. Não sirvo para mais nada. Nada mal”.

Ele já havia passado por numerosos exames quando na quinta-feira, 14 de março, os médicos decidiram dar-lhe uma refeição que apreciasse e que lhe desse alguma resistência. Mas ele não a comeu, a fim de que pudesse receber a Sagrada Comunhão… o Padre estava com pressa. Na mesmo dia, um dos médicos disse ao Padre Denis Puga: “Padre, devo lhe dizer algo. Passei o dia com o Arcebispo por causa dos exames. Ele é um homem extraordinário, e sinceramente é um prazer estar com ele. Que bondade! É possível ver a bondade divina em sua face. O senhor realmente é privilegiado por estar tão próximo dele. As pessoas não percebem quando o vêem nos jornais. Pedi ao Arcebispo que rezasse por mim”.

Esse médico não era católico. Na sexta-feira, 15 de março, Dom Lefebvre foi levado a Monthey para ser examinado por um tomógrafo. Voltou ao hospital onde seus padres o encontraram com certa dificuldade por causa do intravenoso, que estava lhe causando inchaço:

“Suas veias estão muito difíceis”, disse-lhe o Padre Simoulin.

“Não, muito pelo contrário, parece que elas estão bem e miúdas. Que tal… para um bispo de ferro!”

No sábado, dia 16, Sitientes, as ordenações ao subdiaconato ocorreram em Ecône. “Estava unido em oração com a ordenação”, disse o Arcebispo ao Padre Puga.

“É a primeira ordenação, e ela não teria ocorrido se o senhor não nos tivesse dado bispos”.

“Sim, de fato aquele ano de 1988 foi uma grande graça, uma benção do Senhor, uma verdadeiro milagre. Esta é a primeira vez que fiquei seriamente doente em que também fiquei perfeitamente em paz. Devo admitir… desculpe… mas antes, quando eu ficava doente, estava sempre preocupado pelo fato da Fraternidade ainda precisar de mim e de que ninguém poderia fazer o meu trabalho. Agora estou em paz, tudo está pronto e caminhando bem”.

No domingo, dia 17, Domingo da Paixão, após receber a Sagrada Comunhão, ele explicou que seria operado nos próximos dias e advertia: “Que o Senhor me leve, se quiser”.

Assim, a cirurgia ocorreu na segunda-feira da Semana da Paixão: “Quando o médico me pediu para contar até dez enquanto eu adormecia, fiz um grande sinal da Cruz… e então… não havia mais nada. Depois acordei e perguntei: “Então a cirurgia não está indo adiante?”

“Mas Sr. Lefebvre [sic], já acabou”, responderam.

Este foi o relato que o Arcebispo fez de sua cirurgia. O cirurgião removeu um grande tumor, do tamanho de mais ou menos três toranjas. Aconteceu de ser canceroso, mas nada foi dito ao paciente. Estava exausto pela cirurgia, mas sorriu por detrás de sua máscara de oxigênio e do tubo estomacal. Na noite da quarta-feira, ficou ansioso; seus membros estavam terrivelmente inchados e tinha dores nas costas e de cabeça. Disse: “É o fim, tenho uma terrível dor de cabeça. O bom Deus deve vir e me levar. Quero realmente morrer com um pouco dos meus padres ao meu redor para rezarem a oração pelos agonizantes. Eles não podem me negar isso”.

Pensava que seus padres estavam sendo impedidos de vê-lo e a chegada de Padre Puga, na manhã da quinta-feira, o acalmou. Ficou novamente otimista e muito mais alegre. No Sábado da Semana da Paixão, Dom Lefebvre falou sobre os procedimentos humilhantes e dolorosos que tivera de sofrer, e disse que o menor dos esforços o exauria. Suas mãos estavam inchadas.

“Estamos no tempo da Paixão”, disse o Padre Simoulin.

O Arcebispo fechou seus olhos e repetiu: “Sim, é a paixão!”. Ele não podia receber a Comunhão: “Sinto falta… preciso dela… ela me dá força”, disse tristemente.

Na noite do mesmo dia, Padre Puga o contou sobre algumas observações do Cardeal Gagnon na 30 Giorni, no sentido de que não encontrara nenhum erro doutrinal em Ecône. O Arcebispo encolheu os ombros: “Um dia a verdade virá. Não sei quando, mas o bom Deus o sabe. Mas virá”.

Morte dolorosa

Ao final, o Arcebispo não tinha a menor dúvida de que fizera a coisa certa. Como veremos, seu fim foi, assim como sua vida, centrado e fortalecido por uma fé que era simples, discreta e modesta. Parece não ter havido mensagens espirituais ou novissima verba – “últimas palavras”. Fez algumas poucas observações que eram aparentemente comuns ou “mesmo travessas, embora não maliciosas”, cuja importância apenas seriam visíveis posteriormente, especialmente com relação àqueles que pouco ou nada conheciam Dom Lefebvre e que não poderiam imaginar como ele morreu, já que não viram como ele viveu.

No Domingo, 24 de março, o primeiro dia da Semana Santa, as condições do paciente repentinamente pioraram. Na sexta-feira, pediu por seu relógio e aparelho auditivo (prova de que estava se sentindo melhor) e no sábado pensaram em transferi-lo de volta para seu quarto no dia seguinte. Mas no domingo, a esperança deu lugar à preocupação: o Arcebispo tinha uma temperatura muito alta e o cardiologista decidiu mantê-lo na unidade de tratamento intensivo. Estava agitado e sentia dores, e falava incessantemente, mas por conta da máscara de oxigênio havia dificuldade para compreendê-lo. Todavia, Jo Grenon decifrou: “Somos todos filhinhos Dele”. Quando Grenon o deixou, o Arcebispo sorriu e estendeu sua mão para dizer adeus.

Quando o Padre Simoulin disse a ele que seu irmão Michel Lefebvre viera, sorriu o máximo que pôde e a alegria brilhou em sua face. Por volta das 7 da noite, o reitor de Ecône retornou ao hospital, mas assim que entrou na unidade de tratamento intensivo, ouviu o assustador som do forte gemido que podia ser ouvido acima dos barulhos vindos do equipamento ao lado; ele aumentava ainda mais por causa da máscara de oxigênio. O Arcebispo estava absolutamente exausto e não podia falar, mas compreendia tudo que o padre lhe disse: “Excelência, o retiro que o senhor estaria pregando para nós… está sendo pregado de uma maneira que não prevíamos!”. O Arcebispo sorriu. “Alguns dos fiéis de Valais, incluindo os motoristas [ndr: amigos pessoais de Dom Lefebvre], estão seguindo o retiro conosco”. E o Arcebispo sorriu novamente.

Então o padre notou o Crucifixo do cubículo e fez uma observação, enaltecendo o hospital e seu bom diretor, que colocava todo paciente sob o olhar do Redentor. Muito lentamente o Arcebispo moveu sua cabeça à esquerda, para olhar na direção em que o Padre apontara, e então suavemente fechou os olhos.

Um sorriso… um olhar para o Crucificado… estas foram as últimas palavras de Dom Lefebvre. Um sorriso… para dizer obrigado, para acalmar, para encorajar os outros a terem a mesma serenidade, um sorriso de caridade e atenção aos outros, no esquecimento de si mesmo. Um olhar em direção ao Crucifixo, o último gesto consciente que seus filhos viram-no fazer: o olhar adorador do contemplativo e do sacerdote.

Por volta das 11:30 da noite, o hospital ligou para Ecône: Dom Lefebvre acabara de sofrer uma parada cardíaca e estava em processo de ressuscitação. Os Padres Simoulin e Laroche encontraram o Arcebispo respirando com grande dificuldade: seus olhos estavam fixos e vidrados. Fora-lhe administrada uma massagem cardíaca e devia ter sofrido uma embolia pulmonar.

Enquanto o Padre Laroche retornava ao seminário para acordar a comunidade e levá-la para rezar na capela, Padre Simoulin permanecia com o Arcebispo, que dolorosamente tentava respirar; era como a agonia do Crucificado. Com o passar do tempo, seu rosto ficava mais revestido de dor enquanto as medições nos monitores diminuíam pouco a pouco.

Por volta das 2:30 da madrugada, seu declínio se acelerou e sua respiração diminuiu, ao passo em que a dor ainda traçava uma marca em sua fronte. Pouco a pouco tudo se acalmava. Em torno das 3:15 da madrugada, o padre disse à enfermeira: “Sua alma está apenas esperando por uma coisa: deixar seu corpo que sofre e estar com Deus”;

“Acho que a alma está deixando agora”, disse a enfermeira, saindo depois.

Padre Simoulin começou então as orações pelos agonizantes. “Exatamente no momento em que eu terminara”, disse, “era por volta das 3:20 da manhã, e o Superior Geral, Padre Schmidberger, entrou na unidade de tratamento intensivo. O monitor do pulso caiu até ‘00’, mas ainda se podia ouvir a respiração: era o Arcebispo ou a máquina? Ofereci o ritual ao Padre Schmidberger, que recomeçou as orações in expiratione”.

Alguns últimos surtos de dor relampejaram do rosto do Arcebispo e então, por volta das 3:25 da madrugada, os sofrimentos cessaram completamente e ele retornara à paz novamente. O Superior Geral então fechou os olhos do amado pai.

Era uma segunda-feira da Semana Santa, 25 de março, festa da Anunciação da Santíssima Virgem Maria, o dia em que o Céu sorriu para a Terra e quando a esperança renasceu nas almas: o dia da Encarnação do Filho de Deus e da ordenação sacerdotal de Jesus Cristo como Sumo Sacerdote. Neste dia, a alma de Marcel Lefebvre foi julgada…

Em Lille, quinze anos antes, ele disse: “Quando eu estiver diante de meu Juiz, não quero ouvi-lo dizer a mim: ‘Vós também, vós deixastes a Igreja ser destruída’”.

Então, naquele 25 de março de 1991, quando Deus o perguntou o que fizera com a graça de seu sacerdócio e episcopado, o que, de fato, poderia ele ter respondido, esse velho soldado da Fé, esse bispo que restaurou o sacerdócio Católico?

“Senhor, vede, eu transmiti tudo o que podia ter transmitido: a Fé Católica, o sacerdócio Católico e também o episcopado Católico; Vós me destes tudo isso e tudo isso transmiti para que a Igreja pudesse continuar”.

“Transmiti o que recebi”.

"Transmiti o que recebi".“Vosso grande Apóstolo disse, ‘Tradidi quod et accepi’ e como ele eu quis dizer: ‘Tradidi quod et accepi’, transmiti o que recebi. Tudo que recebi, transmiti”.

Ninguém tem maior amor

Os restos mortais do fiel lutador foram solenemente trazidos de volta para Ecône. Em vestes pontificais, ficaram velados na capela de Notre Dame des Champs. A multidão formou fila por toda a semana; até o Núncio e Dom Schwery, bispo de Sion, vieram e abençoaram o corpo daquele que o Papa declarou excomungado. O corpo foi assistido dia e noite, da segunda  [dia 25 de março] até a terça-feira da Páscoa [2 de abril]. O Arcebispo recebeu uma benção final na manhã de 2 de abril, e então o caixão foi fechado. Uma placa foi afixada sobre o mesmo, ornado com as armas do Arcebispo e as palavras que ele pediu que se gravasse: Tradidi quod et accepi.

Lentamente o Arcebispo foi carregado sobre os ombros de seus padres e passou pela multidão de vinte mil fiéis que se reuniram para o funeral. Foi levado pelo campo de Ecône no qual ele muitas vezes transmitiu a graça do sacerdócio. Então chegou à “basílica-tenda”, no fundo do campo, onde ocorreriam a Missa e as Absolvições Pontificais. O clima estava frio e nublado; o sol apenas brilhava no lado oposto do vale. De repente, no meio da cerimônia, ele lançou suas luzes na imensa multidão de amigos da Fraternidade São Pio X. O calor se espalhou. Então, quando o corpo foi levado de volta pelo campo, debaixo do céu azul, a seu lugar de descanso em Ecône, vinte mil almas sentiram em seus corações que ali a vida estava passando e continuando. Este também era o sentimento nos corações de seus filhos no sacerdócio, cada um deles segurando uma pequena vela acesa na ofuscante luz refletida nas rochas atrás de Ecône. A Tradição estava viva.

No livro de condolências, um dos “soldados católicos” que seguiu a Tradição da Igreja graças a Dom Lefebvre, escreveu estas breves linhas: “Obrigado por intervir, por salvar o sacerdócio, por ter sido o nosso porta-bandeira, por ter se oferecido em holocausto para salvar o seu povo”.

Sim, ele amou a Igreja com todo o seu coração até os próprios limites do amor: in finem dilexit. Não teria ele mostrado o maior amor possível? Ele amou mais do que muitos, esse homem que até o último instante “acreditou na caridade que Deus tem por nós”.

Marcel Lefebvre, The Biography – Dom Bernard Tissier de Mallerais, 608-614, Angelus Press, 2004 – Tradução: Fratres in Unum.com

*******************************

PARA SABER MAIS SOBRE D. MARCEL LEFEBVRE, CLIQUE AQUI  PARA ACESSAR A TAG DE NOSSO BLOG DESTINADA A ELE.

VOCÊ AINDA PODE AJUDAR A FSSPX EM SUA CRUZADA DE ORAÇÕES, PELAS MISSAS E PELAS VOCAÇÕES

abbe_davide_pagliarani_fsspx_1_1

A situação internacional está claramente se deteriorando. Um dos pontos mais críticos diz respeito à proibição das Missas públicas. Como todos sabemos que a Missa é a alavanca que levanta o mundo, só podemos nos preocupar com o futuro.

Os fiéis e os sacerdotes da FSSPX, em todo o mundo, estão preocupados em se opor a esta situação com meios proporcionais. Para encorajar tal estado de espírito, ajudando a lutar principalmente em um nível sobrenatural, o Superior Geral decidiu lançar uma Cruzada de Orações, apoiada pela recitação do Rosário.

É uma cruzada tanto pela Missa quanto pelas vocações. Assim, ao mesmo tempo que responde à necessidade presente, esta cruzada responde ao próprio objetivo da Fraternidade, permitindo manter nossa preocupação com as vocações e nosso apego à Missa. (DICI)

************************

Clique aqui para saber mais sobre essa Cruzada e como se juntar a nós nessas orações.

SEMINÁRIO SÃO PEDRO DE CARDROSS, EXEMPLO DO FRACASSO CONCILIAR

Este curioso edifício é um testemunho imóvel e silencioso das ilusões eclesiásticas que marcaram os anos em torno do Concílio Vaticano II.

Fonte: La Porte Latine – Tradução: Dominus Est

Pode ser difícil entender a construção que agora parece um gigantesco estacionamento abandonado. Quando foi inaugurado em 1966, um ano após o encerramento do Concílio Vaticano II (1962-1965), o Seminário São Pedro de Cardross, localizado perto de Dumbarton na Escócia, foi reconhecido por sua arquitetura altamente visionária e voltada para o futuro, refletindo a imagem da Igreja que a vanguarda progressista triunfante queria. A empresa Gillespie, Kidd & Coia foi contratada, no início dos anos 1950, para projetar a substituição do antigo prédio do seminário danificado em um incêndio em 1946. Os planos foram idealizados em 1961 e completados cinco anos depois. Preenchido com madeira e vidro em uma estrutura de concreto moderna, o edifício foi projetado em um estilo “brutalista“.

Este seminário foi destinado a acolher mais de 100 jovens levitas, mas a abertura ao mundo empreendida pelos liberais no Concílio Vaticano II (1962-1965) não resultou na esperada “primavera da Igreja”, e o edifício nunca cumpriu seu propósito. O número de seminaristas despencou e o cruel declínio da Igreja Católica na Escócia impossibilitou a manutenção do seminário, cuja moderna concepção na mente do famoso arquiteto Le Corbusier significou, como tantas vezes, problemas crônicos de manutenção. Moribond, este local de formação eclesiástica fechou definitivamente as suas portas em fevereiro de 1980 para se tornar… um centro de desintoxicação, até 1987. Desde então, está completamente abandonado.

Em 2019, a Arquidiocese de Glasgow, proprietária do edifício, declarou que o Seminário São Pedro foi danificado pelo fogo, pela chuva e pelo vandalismo, e descreveu o edifício como uma “ruína“. Ronnie Convery, diretor de comunicações, disse que o prédio era um “grande fardo” para a arquidiocese. Uma realidade muito distante dos sonhos utópicos acalentados com tanta esperança pelos modernistas 50 anos antes. Esta aventura pode ser comparada com várias outras semelhantes, em muitas dioceses católicas. As lições serão aprendidas com tudo isso?

O SEMINÁRIO E SEUS PRIMEIROS DIAS

O SEMINÁRIO HOJE

 

FESTA DE SÃO JOSÉ, ESPOSO DA VIRGEM MARIA

abcClique na imagem acima e acesse a leitura da Festa de São José, por Santo Afonso de Ligório.

Algumas outras excelentes leituras sobre São José:

 ******************************

Para acessar todos os posts publicados relacionados ao glorioso São José, clique aqui.

VOCÊ AINDA PODE AJUDAR A FSSPX EM SUA CRUZADA DE ORAÇÕES, PELAS MISSAS E PELAS VOCAÇÕES

abbe_davide_pagliarani_fsspx_1_1

A situação internacional está claramente se deteriorando. Um dos pontos mais críticos diz respeito à proibição das Missas públicas. Como todos sabemos que a Missa é a alavanca que levanta o mundo, só podemos nos preocupar com o futuro.

Os fiéis e os sacerdotes da FSSPX, em todo o mundo, estão preocupados em se opor a esta situação com meios proporcionais. Para encorajar tal estado de espírito, ajudando a lutar principalmente em um nível sobrenatural, o Superior Geral decidiu lançar uma Cruzada de Orações, apoiada pela recitação do Rosário.

É uma cruzada tanto pela Missa quanto pelas vocações. Assim, ao mesmo tempo que responde à necessidade presente, esta cruzada responde ao próprio objetivo da Fraternidade, permitindo manter nossa preocupação com as vocações e nosso apego à Missa. (DICI)

************************

Clique aqui para saber mais sobre essa Cruzada e como se juntar a nós nessas orações.

TONSURAS E PRIMEIRAS ORDENS MENORES EM ÉCÔNE – 2021

thl_7800

Fonte: Séminaire Saint-Pie X – Tradução: Dominus Est

Em 27 de fevereiro de 2021, sábado das Quatro Têmporas da Quaresma, D. Alfonso de Galarreta conferiu a tonsura clerical a 5 levitas e as Ordens Menores de Hostiário e Leitor a outros 10.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Este slideshow necessita de JavaScript.

**************************

Nota do blog 1: Colocamos abaixo alguns links sobre a vocação sacerdotal:

Nota do blog 2: Mais números sobre a FSSPX podem ser vistos clicando aqui.

Nota do blog 3: Perguntas e respostas sobre a FSSPX podem ser vistas clicando aqui.

Nota do blog 4: Para saber mais sobre as Ordens Sagradas na Igreja clique aqui.

**************************

“Senhor, dai-nos sacerdotes,

Senhor, dai-nos santos sacerdotes,

Senhor, dai-nos muitos santos sacerdotes,

Senhor, dai-nos muitas santas vocações religiosas,

Senhor, dai-nos famílias católicas, 

São Pio X, rogai por nós”

AJUDE A FSSPX EM SUA CRUZADA DE ORAÇÕES, PELAS MISSAS E PELAS VOCAÇÕES

abbe_davide_pagliarani_fsspx_1_1

A situação internacional está claramente se deteriorando. Um dos pontos mais críticos diz respeito à proibição das Missas públicas. Como todos sabemos que a Missa é a alavanca que levanta o mundo, só podemos nos preocupar com o futuro.

Os fiéis e os sacerdotes da FSSPX, em todo o mundo, estão preocupados em se opor a esta situação com meios proporcionais. Para encorajar tal estado de espírito, ajudando a lutar principalmente em um nível sobrenatural, o Superior Geral decidiu lançar uma Cruzada de Orações, apoiada pela recitação do Rosário.

É uma cruzada tanto pela Missa quanto pelas vocações. Assim, ao mesmo tempo que responde à necessidade presente, esta cruzada responde ao próprio objetivo da Fraternidade, permitindo manter nossa preocupação com as vocações e nosso apego à Missa. (DICI)

************************

Clique aqui para saber mais sobre essa Cruzada e como se juntar a nós nessas orações.

O BOM SAMARITANO DA DÉCADA DE 1970 NOS ESTADOS UNIDOS

Resultado de imagem para marcel lefebvre

[Nota da Permanência: O texto a seguir foi escrito por um monge beneditino norte-americano em homenagem a Dom Marcel Lefebvre. Tudo aquilo que o religioso escreveu acerca da importância do grande bispo para os católicos do seu país, podemos subscrever no que se refere aos católicos do Brasil]

A década de 1970 foi uma época turbulenta para a Igreja Católica. A aplicação das mudanças litúrgicas na Igreja foi brutalmente implementada com o assim chamado espírito do Concílio. Nós testemunhamos a destruição dos altares principais das igrejas, sendo substituídos pelo que ficou conhecido como as mesas de açougueiro de 19701 . Vimos as igrejas sendo destituídas da mesa de comunhão dos fiéis, das imagens dos santos e do crucifixo acima do altar principal, o qual foi substituído por uma cruz vazia e um véu branco representando o Cristo ressuscitado em oposição ao sacrifício de Cristo na Cruz. O tabernáculo foi escondido em alguma parte obscura da igreja. O sagrado canto gregoriano foi substituído, na melhor das hipóteses, por “Kumbaya, My Lord” 2, ou, na pior das hipóteses, com as missas “clown” 3 ou “rock-n-roll”. A mais devastadora mudança foi no rito sagrado da missa em si, que ficou desfigurado a ponto de ficar essencialmente irreconhecível. Os clérigos daquela época tornaram-se centrados no homem. Eles não mais pregavam sermões sobre Deus e as almas, mas denunciavam a injustiça social sobre o proletariado.

As vítimas de todas essas mudanças foram os próprios padres e os fiéis sob seus cuidados. Algumas estimativas falam de 120.000 padres abandonando o sacerdócio. Só Deus sabe o dano feito às almas dos fiéis durante estes tempos terríveis. Esses pobres padres foram vítimas da ilusão de que o homem e o mundo têm mais a oferecer do que Deus. Foi nesses mesmos anos que os EUA aceitaram legalmente o assassinato de crianças ainda não nascidas.

Essa era a triste situação da Igreja na década de 1970. Esses exemplos são bem conhecidos, mas há muitos outros que permanecem ocultos na consciência das vítimas. Era como se os ladrões tivessem nos despojado de nossa Igreja, deixando-nos meio mortos à beira da estrada da vida. A maioria das famílias, confundidas por seus pastores, simplesmente deixaram a Igreja em busca de um sentido para a vida. Muitas almas desiludidas voltaram-se para as comunidades hippies, onde tentaram satisfazer sua sede pelo sobrenatural com drogas alucinógenas e prazer sensual que chamavam de “amor livre”.

Essas feridas infligidas a toda a sociedade nos fazem pensar na parábola do Bom Samaritano. Nosso Senhor explica que a maior lei é o amor a Deus e a segunda é o amor ao próximo como a si mesmo. Um doutor da lei, para O tentar, pergunta: “Quem é meu próximo?” Nesta ocasião, Nosso Senhor apresenta a parábola do Bom Samaritano. Continuar lendo

SANCTE PIE DECIME

Nas vozes da Schola Cantorum St. Cecilia, da FSSPX em Utrecht, na Holanda.

Nota do blog: é em Utrecht (Holanda) que a FSSPX mantém uma de suas mais belas igrejas: a de St. Willibrord. Nos links abaixo é possível ver mais sobre ela:

CARTA DO SUPERIOR GERAL DA FSSPX AOS AMIGOS E BENFEITORES – N° 90

Fonte: DICI – Tradução: Dominus Est

Caros fiéis, amigos e benfeitores,

Estamos vivendo um momento muito especial da história, excepcional por assim dizer, com a crise do coronavírus e todas as repercussões que ela teve. Milhares de perguntas surgem em tal situação, para as quais haveria outras tantas respostas a dar. Seria utópico pretender dar uma solução a cada problema em particular, e não é esse o propósito destas poucas reflexões. Ao contrário, gostaríamos de analisar aqui um perigo de certo modo mais grave do que todos os males que atualmente afligem a humanidade: é o perigo que os católicos correm de reagir de forma excessivamente humana ao castigo que atualmente atinge nosso mundo, tornado pagão através de sua apostasia.

Com efeito, durante várias décadas, esperávamos um castigo divino, ou alguma intervenção providencial que viesse remediar uma situação que, durante muito tempo, poderia nos parecer perdida. Alguns imaginavam uma guerra nuclear, uma nova onda de pobreza, um cataclismo, uma invasão comunista ou mesmo um choque petrolífero… Em suma, poderíamos esperar algum evento providencial pelo qual Deus puniria o pecado da apostasia das nações, e suscitaria reações salutares ​​entre aqueles que estivessem bem dispostos. Em todo caso, esperávamos algo que revelasse os corações. Porém, se não há necessariamente os contornos que prevíamos, as angústias pelas quais estamos passando, sem dúvida, desempenham esse papel revelador.

O que está acontecendo com a crise que vivemos agora? Procuremos analisar os sentimentos que estão conquistando os corações dos nossos contemporâneos e procuremos, sobretudo, examinar se as nossas disposições para conosco, católicos, são capazes de se elevar ao nível de nossa fé.

Medos demasiado humanos

Para simplificar, descobrimos três tipos de medo que estão hoje emaranhados em quase todos os homens e que esgotam todas as suas energias.

Em primeiro lugar, existe o medo da epidemia como tal. Não se trata aqui de discutir a nocividade do coronavírus: mas o certo é que nosso mundo sem Deus se apega à vida mortal como sendo seu bem absoluto, diante do qual todos os outros se inclinam e perdem sua importância. Inevitavelmente, portanto, essa perspectiva distorcida engendra uma ansiedade universal e incontrolável. O mundo inteiro parece estar enlouquecendo. Hipnotizados pelo perigo que ameaça a “prioridade das prioridades”, literalmente em pânico, todos se mostram fundamentalmente incapazes de refletir sobre outra questão, ou de se elevar acima de uma situação que está acima de seu controle.

Depois, há o espectro da crise econômica. Evidentemente, é perfeitamente normal que um pai se preocupe com o futuro de seus filhos, e Deus sabe que nessa época as preocupações mais legítimas abundam. Mas quero falar sobre esse medo mais geral e, definitivamente, muito mais egoísta, que é o se tornar um pouco mais pobre e de não poder mais gozar do que era considerado como garantido e objeto de direitos intocáveis. Esta perspectiva está estreitamente ligada à anterior: porque se a vida aqui embaixo é o bem supremo, as riquezas que nos permitem desfrutá-la mais, ou tanto quanto possível, tornam-se também, por necessidade, um bem supremo. Continuar lendo

AJUDE A FSSPX EM SUA CRUZADA DE ORAÇÕES, PELAS MISSAS E PELAS VOCAÇÕES

abbe_davide_pagliarani_fsspx_1_1

A situação internacional está claramente se deteriorando. Um dos pontos mais críticos diz respeito à proibição das Missas públicas. Como todos sabemos que a Missa é a alavanca que levanta o mundo, só podemos nos preocupar com o futuro.

Os fiéis e os sacerdotes da FSSPX, em todo o mundo, estão preocupados em se opor a esta situação com meios proporcionais. Para encorajar tal estado de espírito, ajudando a lutar principalmente em um nível sobrenatural, o Superior Geral decidiu lançar uma Cruzada de Orações, apoiada pela recitação do Rosário.

É uma cruzada tanto pela Missa quanto pelas vocações. Assim, ao mesmo tempo que responde à necessidade presente, esta cruzada responde ao próprio objetivo da Fraternidade, permitindo manter nossa preocupação com as vocações e nosso apego à Missa. (DICI)

************************

Clique aqui para saber mais sobre essa Cruzada e como se juntar a nós nessas orações.

TONSURA NO SEMINÁRIO SANTO TOMÁS DE AQUINO, EM DILLWYN (EUA)

stst2021_0

Fonte: DICI – Tradução: Dominus Est

Foi em um Seminário ainda sob a neve que ocorreu a cerimônia de tonsura, no dia 2 de fevereiro, em Dillwyn, dia da Festa da Apresentação do menino Jesus no templo.

Embora a cerimônia do recebimento de batina tenha sido antecipada para os seminaristas do primeiro ano, depois de um ano conturbado pelas condições sanitárias, a cerimônia de tonsura pôde ser realizada na tradicional data de 2 de fevereiro.

D. Bernard Fellay, que agora reside no Seminário Santo Tomás de Aquino, conferiu a tonsura a 12 seminaristas do segundo ano: 11 americanos e 1 canadense.

A tonsura é a introdução oficial no grande corpo social dos consagrados a Deus, a passagem legal do estado laico ao estado eclesiástico. Receber a tonsura é, portanto, tornar-se clérigo, ou seja, ser incorporado ao clero.

A tonsura, porém, não faz parte do sacramento da Ordem, mas trata-se de um sacramental, que se realiza removendo mechas de cabelo com uma tesoura. Ao mesmo tempo, o Bispo pronuncia a fórmula ritual: “Dominus pars haereditatis meae et calicis mei, tu es qui restitues haeriditatem meam mihi.” – “O Senhor é a porção da minha herança e do meu cálice, és tu que tens na mão a minha sorte “

Depois de tê-la conferido, a Igreja acrescenta um complemento: a imposição da sobrepeliz branca, que é a vestimenta do coro do clero e que é usada em todas as cerimônias rituais. É também, por sua brancura, a figura de um novo nascimento.

Este slideshow necessita de JavaScript.

**************************

Nota do blog 1: Colocamos abaixo alguns links sobre a vocação sacerdotal:

Nota do blog 2: Mais números sobre a FSSPX podem ser vistos clicando aqui.

Nota do blog 3: Perguntas e respostas sobre a FSSPX podem ser vistas clicando aqui.

Nota do blog 4: Para saber mais sobre as Ordens Sagradas na Igreja clique aqui.

**************************

“Senhor, dai-nos sacerdotes,

Senhor, dai-nos santos sacerdotes,

Senhor, dai-nos muitos santos sacerdotes,

Senhor, dai-nos muitas santas vocações religiosas,

Senhor, dai-nos famílias católicas, 

São Pio X, rogai por nós”

AJUDEM NA VERDADEIRA CAMPANHA DA FRATERNIDADE 2021

Aliás, “nas” verdadeiras Campanhas da Fraternidade … São Pio X

CAPELA

A todos que fazem questão de não apoiar essas campanhas ecumênicas, naturalistas e modernistas da igreja conciliar, pedimos que ajudem e colaborem com aqueles que realmente se importam com a salvação das almas, com aqueles que levam a sã e verdadeira Doutrina da Igreja a todo o mundo e que não medem esforços pelo estabelecimento do Reinado Social de Nosso Senhor.

Como ajudar a FSSPX? Seguem abaixo algumas boas opções:

  • MISSÃO DA FSSPX EM RIBEIRÃO PRETO
  • CONSTRUÇÃO DO PRÉ-SEMINÁRIO NO BRASIL
  • FINALIZAÇÃO DA CASA AUTÔNOMA DA FSSPX NO BRASIL
  • CAPELA SANTO AGOSTINHO, EM PARNAÍBA/PI
  • MISSÃO DA FSSPX EM FORTALEZA/CE
  • MISSÃO DA FSSPX EM PASSOS/MG: Caixa Econômica Federal, Agência: 1374, Conta Poupança (Op. 013): 402134-6, CNPJ: 09.385.198/0001-43
  • MISSÃO DA FSSPX EM SOROCABA/SP: Caixa Econômica Federal, Agência: 1374, Conta Poupança (Op. 013): 402422-1, CNPJ: 09.385.198/0001-43
  • MISSÃO DA FSSPX EM CAMPINAS/SP: Itaú, Agência: 0368, Conta Poupança: 09923-0/500, CNPJ: 09.385.198/0001-43
  • MISSÃO DA FSSPX EM TERESINA/PI: Caixa Econômica Federal, Agência: 1607, Conta:857654418-9, Ana Karoline dos Santos Silva (tesoureira da Missão), CPF: 063.131.623-07
  • MISSÃO DA FSSPX EM CAMPO GRANDE/MS: Caixa Econômica Federal, Agência: 1374, Conta Poupança (Op. 013): 402136-2, CNPJ: 09.385.198/0001-43
  • CAPELA DA FSSPX EM BELO HORIZONTE/MG: Caixa Econômica Federal, Agência: 1374, Conta Poupança (Op. 013): 402135-4, CNPJ: 09.385.198/0001-43

Seja um benfeitor da FSSPX. Ajude a Tradição.

Que Nossa Senhora e São José os recompensem de alguma forma.

Para saber mais sobre a FSSPX clique aqui

Perguntas e respostas sobre FSSPX, em vídeo,  clique aqui.

Para acessar nosso Canal no YouTube clique aqui.

CERIMÔNIAS NO SEMINÁRIO DO SAGRADO CORAÇÃO DE ZAITZKOFEN

zst2021_11

Fonte: DICI – Tradução: Dominus Est

Nos dias 2 e 3 de fevereiro de 2021, as cerimônias anuais no seminário de língua alemã da Fraternidade São Pio X puderam ser realizadas, com algumas restrições à participação dos fiéis, de acordo com as normas sanitárias.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Esses dois dias centraram-se em quatro cerimónias diferentes, que dizem respeito aos seminaristas do primeiro ao quarto ano – num total de seis. Foi D. Tissier de Mallerais, Bispo auxiliar da Fraternidade, quem oficiou durante esses dois dias.

Em 2 de fevereiro, o pontífice vestiu pela primeira vez com o traje eclesiástico 9 seminaristas do primeiro ano: 4 alemães, 1 bielo-russo, 1 húngaro, 1 libanês, 1 polonês e 1 suíço. Em seguida, conferiu a tonsura clerical a 7 seminaristas do segundo ano: 2 alemães, 1 austríaco, 1 polonês e 3 suíços.

A tonsura não faz parte do sacramento da Ordem propriamente dito, mas é obrigatória para receber as várias Ordens. Na verdade, é um sacramental – uma cerimônia eclesiástica que confere uma graça, como as bênçãos – que se realiza cortando algumas mechas do cabelo, para significar a renúncia do mundo.

Em 3 de fevereiro, D. Tissier de Mallerais conferiu as primeiras Ordens Menores, de Porteiro (Hostiário) e Leitor, a 4 seminaristas do terceiro ano: 1 alemão, 1 austríaco, 1 lituano e 1 suíço, bem como as segundas Ordens Menores – de Exorcista e Acólito – a 4 seminaristas do quarto ano: 1 polonês, 1 russo, 1 suíço e 1 tcheco.

É animador constatar o número de nacionalidades representadas: 10 para 24 seminaristas, o que mostra a atração universal que a formação tradicional exerce.

Em sua homilia, o pontífice enfatizou que as ordens conferidas, mesmo que permaneçam relativas conferem um poder real sobre o Corpo Místico de Cristo. E como é absurdo suspendê-los após o Concílio Vaticano II, substituindo-os por “ministérios”, que agora podem ser confiados às mulheres, segundo um decreto muito recente do Papa Francisco.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Rezemos pela perseverança de todos esses jovens levitas, para que um dia se tornem sacerdotes e tragam sua força para a Igreja de amanhã, onde muitas coisas deverão ser reconstruídas, trabalho para o qual eles não serão um fardo muito pesado.

**************************

Nota do blog 1: Colocamos abaixo alguns links sobre a vocação sacerdotal:

Nota do blog 2: Mais números sobre a FSSPX podem ser vistos clicando aqui.

Nota do blog 3: Perguntas e respostas sobre a FSSPX podem ser vistas clicando aqui.

Nota do blog 4: Para saber mais sobre as Ordens Sagradas na Igreja clique aqui.

**************************

“Senhor, dai-nos sacerdotes,

Senhor, dai-nos santos sacerdotes,

Senhor, dai-nos muitos santos sacerdotes,

Senhor, dai-nos muitas santas vocações religiosas,

Senhor, dai-nos famílias católicas, 

São Pio X, rogai por nós”

TOMADA DE BATINA NO SEMINÁRIO SAINT-CURÉ-D’ARS DE FLAVIGNY

Este slideshow necessita de JavaScript.

Fonte: La Porte Latine – Tradução: Dominus Est

Na terça-feira, 2 de fevereiro de 2021, no Seminário Santo Cuta d’Ars, D. Alfonso de Galarreta, Bispo auxiliar da Fraternidade Sacerdotal São Pio X, entregou o hábito eclesiástico (batina) a 20 seminaristas do primeiro ano: 14 franceses, 2 Suíço, 1 belga, 1 espanhol, 1 inglês e 1 brasileiro.

O celebrante foi assistido pelos padres Guillaume Gaud, diretor do seminário (sacerdote assistente), Alain-Marc Nély e Foucauld Le Roux (diácono assistente), Louis Hanappier (diácono) e Cyprien Du Crest (subdiácono). O Pe. Benoît De Jorna, Superior do Distrito da França, e o Pe. Patrick Duverger, Superior do Distrito de Benelux, estiveram presentes na cerimônia.

É, em grande parte, fruto das escolas da Tradição, já que as escolas de Marlieux, Bitche, Saint-Bernard, Saint-Joseph-des-Carmes, Etcharry, Saint-Michel e Sainte-Marie viram pelo menos um de seus ex-alunos receber a batina.

Em seu sermão, D. Galarreta lembrou o que representava o traje clerical: um apelo ao sacrifício e à renúncia. Renúncia imposta pela Providência e pelos acontecimentos atuais, pois sabemos através de São Paulo que “todas as coisas concorrem para o bem daqueles que amam a Deus” (Rom. 8,28), e com Santo Agostinho que “Se és ouro, a tribulação te purifica de tua escória. Se és palha, a tribulação te reduz a cinzas.”

**************************

Nota do blog 1: Colocamos abaixo alguns links sobre a vocação sacerdotal:

Nota do blog 2: Mais números sobre a FSSPX podem ser vistos clicando aqui.

Nota do blog 3: Perguntas e respostas sobre a FSSPX podem ser vistas clicando aqui.

Nota do blog 4: Para saber mais sobre as Ordens Sagradas na Igreja clique aqui.

**************************

“Senhor, dai-nos sacerdotes,

Senhor, dai-nos santos sacerdotes,

Senhor, dai-nos muitos santos sacerdotes,

Senhor, dai-nos muitas santas vocações religiosas,

Senhor, dai-nos famílias católicas, 

São Pio X, rogai por nós”

ALOCUÇÃO “CI RIESCE” – SOBRE O PROBLEMA DA TOLERÂNCIA RELIGIOSA NA CRESCENTE COMUNIDADE DAS NAÇÕES

O Papa Francisco poderia declarar santo a Pio XII

Fonte: Site do Vaticano – Tradução: Dominus Est

Discurso dirigido por Sua Santidade aos que compareceram ao quinto Congresso nacional da União dos Juristas Católicos Italianos, em 6 de dezembro de 1953.

É para nós uma grande satisfação, queridos filhos da União dos Juristas Católicos Italianos, vê-los aqui reunidos ao nosso redor e dar-lhes, cordialmente, as boas-vindas.

No início de outubro, um outro Congresso de juristas reunia-se em Nossa residência de verão: o de Direito Penal Internacional. Sua “Convenção” tem, de fato, um caráter nacional, mas o tema dele é “nação e comunidade internacional”, e toca novamente as relações entre povos e Estados soberanos. Não por acaso se multiplicam os Congressos que estudam questões internacionais, científicas, econômicas e também políticas. O fato manifesto de que as relações entre indivíduos pertencentes a diferentes povos e entre os próprios povos estão crescendo em extensão e profundidade, torna cada dia mais urgente uma regulamentação das relações internacionais, privadas e públicas, especialmente porque esta aproximação mútua é determinada não apenas pelo incomparável aumento das possibilidades técnicas e pela livre escolha, mas também pela ação mais penetrante de uma lei imanente de desenvolvimento. Não devemos, portanto, reprimi-la, mas antes encorajá-la e promovê-la.

I

Neste processo de ampliação, as Comunidades de Estados e povos, quer já existam ou não representem mais do que um objetivo a ser alcançado e implementado, assumem naturalmente uma particular importância. São comunidades nas quais os Estados soberanos, ou seja, aqueles que não estão subordinados a nenhum outro Estado, reúnem-se em uma comunidade jurídica para a realização de determinados fins legais/jurídicos.  Seria dar uma falsa impressão dessas comunidades jurídicas se fôssemos compará-las aos impérios mundiais do passado ou de nosso tempo, nos quais raças, povos e Estados se fundiram, querendo ou não, a um único conglomerado de Estados. No presente caso, no entanto, os Estados, embora permanecendo soberanos, unem-se livremente em uma comunidade jurídica.

Neste sentido, a história universal, que mostra uma série contínua de lutas pelo poder, poderia sem dúvida fazer com que a constituição de uma comunidade jurídica de Estados livres parecesse quase utópica. Tais conflitos foram muitas vezes provocados pelo desejo de subjugar outras nações e de estender o alcance do próprio poder, ou mesmo pela necessidade de defender a própria liberdade e a própria existência independente. Desta vez, ao contrário, é justamente o desejo de evitar dissensões ameaçadoras que impulsiona uma comunidade jurídica supranacional; as considerações utilitárias, que certamente também têm um peso considerável, estão voltadas para as obras de paz; e, finalmente, talvez seja precisamente a abordagem técnica que tenha despertado a fé, latente no espírito e nos corações dos indivíduos, em uma comunidade superior dos homens, querida pelo Criador e enraizada na unidade de sua origem, sua natureza e seu fim. Continuar lendo

O PAPA FRANCISCO E O “GREAT RESET”

Fonte: DICI – Tradução: Dominus Est

O Papa Francisco enviou uma mensagem aos participantes do Dia de Martin Luther King – um memorial em homenagem à vida e realizações do pastor batista – onde encoraja todos os filhos de Deus a serem pacificadores.

O sonho de Martin Luther King “continua vivo”, escreveu o Papa em mensagem enviada em 18 de janeiro de 2021 aos participantes desta comemoração (“Beloved Community Commemorative Service”) que encerra uma semana de celebrações nos Estados Unidos.

O Papa se refere ao famoso “sonho” expresso em um discurso proferido em 28 de agosto de 1963, inspirado nos princípios de Gandhi e direcionado contra a segregação americana.

No mundo de hoje, que enfrenta cada vez mais os desafios das injustiças sociais, divisões e conflitos que impedem a realização do bem comum, acrescenta o Papa, o sonho da harmonia e da igualdade para todos os povos de Martin Luther King, alcançada por meios pacíficos e não violentos, ainda permanece vivo.”

O Papa continua: “cada um de nós é chamado a ser um pacificador, que une ao invés de dividir, que reprime o ódio em vez de alimentá-lo, que abre caminhos de diálogo em vez de erguer novos muros”, citando sua encíclica Fratelli tutti (n ° 284). “É apenas nos esforçando todos os dias para colocar esta visão em prática que podemos trabalhar juntos para criar uma comunidade construída sobre a justiça e o amor fraterno”, disse ele. Continuar lendo

AJUDE A FSSPX EM SUA CRUZADA DE ORAÇÕES, PELAS MISSAS E PELAS VOCAÇÕES

abbe_davide_pagliarani_fsspx_1_1

A situação internacional está claramente se deteriorando. Um dos pontos mais críticos diz respeito à proibição das Missas públicas. Como todos sabemos que a Missa é a alavanca que levanta o mundo, só podemos nos preocupar com o futuro.

Os fiéis e os sacerdotes da FSSPX, em todo o mundo, estão preocupados em se opor a esta situação com meios proporcionais. Para encorajar tal estado de espírito, ajudando a lutar principalmente em um nível sobrenatural, o Superior Geral decidiu lançar uma Cruzada de Orações, apoiada pela recitação do Rosário.

É uma cruzada tanto pela Missa quanto pelas vocações. Assim, ao mesmo tempo que responde à necessidade presente, esta cruzada responde ao próprio objetivo da Fraternidade, permitindo manter nossa preocupação com as vocações e nosso apego à Missa. (DICI)

************************

CLIQUE AQUI PARA SABER MAIS SOBRE ESSA CRUZADA E COMO SE JUNTAR A NÓS NESSAS ORAÇÕES.

 

QUANDO OS INIMIGOS SE TORNAM AMIGOS

Abbé Philippe Toulza • La Porte Latine

Pe. Philippe Toulza, FSSPX

Como explicar o declínio da evangelização na Europa? A rigor, a resposta a essa pergunta é que qualquer decréscimo no Cristianismo tem como sua causa, ao menos na porção adulta que afeta, uma falta de cooperação com a ação de Deus. De fato, a graça nunca falta; se a evangelização não se consuma, então isso se dá porque o homem, a quem ela está destinada, apresentou um obstáculo a ela. A descristianização ocorre quando, em um grupo humano, uma proporção crescente de almas não mais adere à fé ou, embora se mantendo católica, negligencia seu progresso em direção a Deus ou mesmo abandona a fé (ou a vida católica). Durante o iluminismo, o filósofo Julien de la Mettrie (1709-1751) foi um desses casos; ele nasceu em uma família católica na Bretanha, e seu pai achava que ele poderia ser um Padre. Ele preferiu dedicar-se ao estudo da medicina, o que o levou ao materialismo, ao ateísmo e ao libertinismo; ele espalhou essas convicções em seus escritos e entrou para a história como um exemplo lamentável de secularização. Aqueles responsáveis pela descristianização são, portanto, homens como ele e outros que rejeitam, em maior ou menor grau, para si mesmos ou para aqueles sob seus auspícios conforme o caso, as exigências do Reinado de Cristo.

Essa explicação põe a culpa em várias portas de entrada e, portanto, não é muito específica. Por essa razão, muitos preferem explicar essa descristianização não pelas suas verdadeiras causas, que devem ser buscadas nas almas, mas por aquilo que incita as almas a se afastarem de Cristo. Algumas dessas causas começaram a agir em Pentecostes: o demônio e o mundo. Outras causas estão mais intimamente conectadas a circunstâncias específicas, e são essas causas que nos interessam: quais delas levaram à secularização da Europa?

O pensamento moderno

Uma realidade tão complexa quanto a descristianização e realizada em um continente inteiro ao longo de vários séculos, necessariamente, é resultado de diversas causas: a perda das raízes [de um povo] devido à industrialização, a subversão das sociedades intelectuais, o apoio eclesiástico à escravidão, o avanço do hedonismo, etc. E alguns fatores trabalharam no sentido de promover outros fatores. Porém, o consenso geral é que a principal causa da descristianização é a modernidade. A começar com o Renascimento, a Europa pensou que estava redescobrindo a grandeza da natureza humana que o teocentrismo medieval, supostamente, havia escondido. Havia dúvida quanto a se a raça humana realmente tinha o pecado original e se o homem realmente precisava bater no próprio peito. Então, com o ímpeto da reforma protestante, toda autoridade religiosa parecia perigosa à liberdade; seguindo Rousseau e, após, Kant, a Europa divinizou a autonomia do homem. Assim como Descartes, no Século XVII, havia recusado argumentos que apelassem à autoridade na Filosofia, os pensadores modernos questionaram o dogma; eles não tinham mais a fé da mãe de Villon. No fim, levantes políticos como aqueles de 1789 desafiaram as instituições. Pedia-se liberdade de expressão do pensamento. A aliança entre o trono e o altar era denunciada. Padres eram suspeitos de serem gananciosos e o jugo da moralidade foi jogado fora; o ódio de Voltaire se espalhava. A diversidade religiosa, mesmo aquela entre católicos e protestantes, tornou-se um pretexto para rejeitar a autoridade dos Padres; havia tantas religiões na terra… o fato do Catolicismo ser a religião de nossos pais bastava para torná-lo mais crível que as outras? Continuar lendo

AS FAMÍLIAS SANTAS

Cum Petro et sub Petro: Semper: A Boa e a Má Educação dos Filhos, Segundo  S. Afonso M. de Ligório.

Apresentamos uma coleção de nomes de Santos que tiveram algum laço de parentesco entre si, constituindo assim “famílias Santas”.

As informações foram extraídas do Martirológio Romano (2014) da Editora Permanência, que pode ser comprado no próprio site da Editora clicando aqui e na Santa Cruz clicando aqui.

Agradecemos ao nosso amigo Marcos Maria Willian Francelino Gomes pelo excelente trabalho de compilação.

 ****************************

— Na Judéia a família de Nosso Senhor: São Joaquim[1] seu avô materno, Santa Ana[2], sua avó materna, Santa Maria[3], sua tia materna esposa de Cléofas.

— Na Judéia São Zacarias[4], Santa Isabel[5] e seu filho São João Batista[6].

— Em Jerusalém Santa Maria Salomé[7], mãe de São Tiago[8] maior, e de São João[9] Evangelista.

— Em Roma, São Pedro[10] Apóstolo e sua filha Santa Petronila[11] Virgem.

— Na França os Santos Irmãos São Lázaro[12] Bispo, Santa Marta[13] e Santa Maria Madalena[14], de que tanto se faz menção nos Evangelhos.

— Em Antioquia a paixão dos Santos 7 irmãos Macabeus martirizados juntamente com sua mãe — Festeja-se ao primeiro dia de agosto.

— Em Tarso, na Cilícia, as Santas Irmãs: Santa Zenais e Santa Filonila, parentes de São Paulo Apóstolo. Festeja-se aos 11 de outubro.

— Em Roma o martírio da família de São Flaviano[15], sua esposa Santa Dafrosa[16] e suas filhas Virgens Santa Bibiana[17] e Santa Demétria[18].

— Em Roma São Gregório Magno[19] Papa, sua mãe Santa Sílvia[20], suas tias Virgens Santa Emilia[21] e Santa Tarsila[22] e seu tataravô São Felix[23] III Papa,

— Em Neocesaréia no Ponto, Santa Macrina[24] avó de São Basílio[25] a quem educou na fé. São Basílio casou-se com Santa Emélia[26] e foram pais de Santos Bispos: São Basílio Magno[27], São Pedro[28] de Sebaste, São Gregório[29] de Nissa e de Santa Macrina[30] Virgem. Continuar lendo

SERMÃO DA MISSA DA SAGRADA FAMILIA, PELO PE. JEAN-FRANÇOIS MOUROUX

Em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo. Amém.

Louvado seja Nosso Senhor Jesus Cristo.

Caros fiéis,

Contemplando a vida da Sagrada Família, especialmente na época da Natividade do Menino Jesus, ficamos impressionados com as provações que essa família sofreu: uma viagem enquanto a Santíssima Virgem estava grávida, um nascimento na miséria, uma ameaça de morte e o exílio no exterior. Apesar de tudo isso, em nenhum momento imaginamos qualquer perda de tempo dentro desta família, mas um recolhimento contínuo que transformava todas as dificuldades em oportunidades de méritos. No início deste ano, devemos ter esta preocupação com o equilíbrio de nossa vida para não nos desviarmos do caminho da santificação. Este equilíbrio da vida implica a saúde do corpo, a da inteligência e a da alma.

Nesse desafio, os padres estão na linha de frente. O diabo sabe que se fizer um padre cair impedirá muitas graças, especialmente por causa de todos os sacramentos que serão impedidos de serem administrados. Ele os ataca particularmente.

I

O primeiro elemento necessário para uma vida equilibrada é um corpo saudável. Quando uma alma geralmente procura fazer o bem, o demônio sabe que propor o mal diretamente a ela tem poucas chances de sucesso. Ele vai, portanto, tentar sob a aparência de bem. No caso dos padres, seria querer realizar um apostolado desenvolvido de forma imprudente. Mais cedo ou mais tarde, o padre estará exausto. Esta é uma razão frequente para a ruína da saúde dos padres. Quando se está cansado; ou se dorme demais, levanta-se tarde e não se cumpre todos os deveres; ou se desperta cedo, mas não se cumpre bem o dever de estado. A pessoa cansada perde a concentração e fica irritável. Se tal situação persistir, é prenúncio de desastre.

São Francisco de Sales costumava dizer: “O dia começa com a hora de dormir”. “Para muitos, isto significa desligar os eletrônicos. Quanto tempo e sono se perde em frente ao nosso computador ou laptop – no dia seguinte, vemos as consequências, e nosso vizinho também. Continuar lendo

NOVO PRIORADO DA FSSPX EM TÓQUIO

Fonte: FSSPX Ásia – Tradução do nosso amigo Danilo Luis Garcia de Oliveira

Após 27 anos de apostolado no Japão, a FSSPX finalmente abriu um priorado em Tóquio.

Desde a sua ordenação sacerdotal em junho de 1993, o Pe. Onoda tem viajado constantemente das Filipinas ao Japão para exercer o apostolado em seu próprio país.

A inauguração do Priorado estava programada para ocorrer em setembro de 2020, mas com a pandemia…

Por fim, o Priorado Stella Matutina (Nossa Senhora, Estrela da Manhã) foi inaugurado no Primeiro Sábado do mês (2 de janeiro de 2021).

Peçamos todos à Santíssima Virgem que derrame as graças de Seu Imaculado Coração sobre o povo japonês!

fr_wailliez_preaching

Encomendamos as suas orações ao Pe. Thomas Onoda e ao Pe. Etienne Demornex para um apostolado frutífero que permita que a Terra do Sol Nascente converta-se ao Filho Ressuscitado.

*********************************

Vídeo do momento da consagração em uma Missa da FSSPX no Japão pode ser visto clicando aqui