14 DE SETEMBRO – EXALTAÇÃO DA SANTA CRUZ

Está página é extraída do Boletim de Nossa Senhora da santa Esperança, de Março de 1903 (reeditada em Le Sel de la Terre, no. 44, consagrado ao Pe. Emmanuel-André). O Padre Emmanuel pronunciou o seu último sermão na festa da Exaltação da Santa Cruz, no Domingo, 14 de Setembro de 1902, seis meses antes de morrer. Trata do espírito da Cruz, que é “a participação do próprio espírito de Nosso Senhor, levando a Cruz, pregado à Cruz e morrendo na Cruz”. 

exal

O ESPÍRITO DA CRUZ

O último sermão do Padre Emmanuel

Irmãos, há muito tempo que não me vedes aqui; não venho aqui com frequência.

Vou falar-vos de uma coisa da qual nunca falei, nem aqui, nem algures. E essa coisa desejo-a a todos; sei bem que o meu desejo não chegará a todos. Vou falar-vos do espírito da Cruz.

Quando o Bom Deus cria um corpo humano, dá-lhe uma alma, é um espírito humano; quando o Bom Deus dá a uma alma a graça do batismo, ela tem o espírito Cristão.

O espírito da Cruz é uma graça de Deus. Há a graça que faz apóstolos, e assim por diante. O que é o espírito da Cruz?

O espírito da Cruz é uma participação do próprio espírito de Nosso Senhor levando a Sua Cruz, pregado à Cruz, morrendo na Cruz. Nosso Senhor amava a Sua Cruz, desejava-a. Que pensava Ele levando a Sua Cruz, morrendo na Cruz? Há aí grandes mistérios: quando se tem o espírito da Cruz, entra-se na inteligência destes mistérios. Existem poucos Cristãos com o espírito da Cruz, vêm-se as coisas de modo diferente do comum dos homens. Continuar lendo

EUA: OS AMERICANOS NÃO ACREDITAM MAIS NA PRESENÇA REAL NA MISSA

Fonte: DICI – Tradução: Dominus Est

Dois terços dos católicos norte-americanos não acreditam mais na presença real: esse é o resultado de um estudo publicado pelo Pew Research Center em em 5 de agosto de 2019. Uma declaração contundente que destaca a solução para a continuidade na transmissão da fé no coração de um Ocidente secularizado. 

Quando perguntados sobre o dogma da transubstanciação, dogma católico no coração do sacrifício da Missa, 69% dos católicos americanos dizem não professá-lo, vendo mais as santas espécies após a consagração como “símbolos do corpo e do sangue de Cristo “.

O número de católicos que acreditam na presença real certamente aumenta em proporção ao grau da prática religiosa, mas não tanto quanto se esperava: assim, entre aqueles que frequentam a missa ao menos uma vez por semana, 37% deles não professam este dogma fundamental da fé católica, e confessam ao contrário, uma concepção protestante da Eucaristia. 

Por fim, o estudo põe o dedo na espinhosa questão da transmissão da fé e da Tradição, pois quanto mais jovens os entrevistados, menos acreditam que o pão e o vinho se tornam, na Missa, o Corpo e o Sangue de Cristo, a vítima ou hóstia perfeita oferecida em remissão dos nossos pecados. 

Um sinal de perigo para toda a igreja 

A pesquisa da Pew Research tem que ser levada a sério: cerca de 11.000 respostas de amostras representativas da sociedade americana foram assim tratadas e ponderadas. Mons. Robert Barron, Bispo Auxiliar de Los Angeles reconheceu isso. O prelado reagiu em 6 de agosto de 2019: “É difícil expressar a indignação que sinto depois de ler o último estudo da Pew Research (…). É um sinal de perigo para toda a Igreja. Então, em um vídeo, Mons. Barron comentou sobre essa ruptura na transmissão da fé com estas palavras: “todos temos nossa parcela de culpa, é o fracasso de toda a Igreja que não pode dar contas de sua própria Tradição“. 

A conclusão é bem lúcida: pode-se levar a um exame não menos corajoso das causas que provocaram tal obscurecimento das verdades mais elementares da fé: a Igreja, quando é secularizada, e cuja liturgia celebra mais o homem que seu Criador e Redentor, não é mais capaz de transmitir o depósito da fé e, por conseguinte, o Evangelho de Cristo. É a razão pela qual Monsenhor Marcel Lefebvre denunciou a protestantização da Missa através da reforma litúrgica do Papa Paulo VI, cuja proximidade com a “Missa de Lutero” causou a perda da fé.  

Humildade, a discernimento e a conversão são certamente os eixos principais para a Igreja recuperar plenamente das riquezas de sua Tradição. 

06 DE AGOSTO: TRANSFIGURAÇÃO DE NOSSO SENHOR

Resultado de imagem para transfigurationHoje comemoramos a Transfiguração de Nosso Senhor.

Tratando desse assunto, Santo Tomás discorre 4 artigos:

Uma Meditação de Santo Afonso de Ligório em relação ao tema pode ser lida clicando aqui.