OS BISPOS ITALIANOS E OS NOVOS SACRAMENTOS PANDÊMICOS

Enquanto a Fraternidade São Pio X enfrenta mil dificuldades para manter suas igrejas abertas em Québec – e em muitos casos vendo-se obrigada a fechá-las – por não cumprir com a obrigação de exigir a vacinação dos fiéis que vão aos serviços sagrados, os Bispos italianos vão além das exigências do próprio governo e criam novos poderes sacramentais reservados aos vacinados.

Fonte: DICI – Tradução: Dominus Est

Atualmente, apesar de um “super green pass” em vigor na Itália, que requer a vacinação para participar de quase todas as atividades da vida civil, o acesso aos locais de culto e a participação nos serviços sagrados permanece regulamentado por um protocolo governamental de 7 de abril de 2020, referendado pela Conferência Episcopal Italiana. Agora não é o momento para discutir o valor jurídico (mesmo partindo dos princípios iníquos da constituição italiana e da péssima Concordata de 1984) de tal documento. O fato é que o acesso aos serviços sagrados ainda é possível sem vacina ou exames de cotonete, respeitando as imposições sobre distanciamentos, máscaras, comunhão na mão e distorções semelhantes do culto.

Os Bispos italianos, no entanto, na onda do entusiasmo pela ampliação das exigências de vacinação por parte do governo, não querem ficar para trás. Durante meses, muitas dioceses impuseram, por iniciativa própria, a vacina ou exames a cada 2 dias a padres, diáconos, ministros da Eucaristia, agentes pastorais, etc., com um zelo certamente digno de registro.

Mas não para por aí. Para o Bispo Francesco Beschi, de Bérgamo, a vacina é literalmente “uma obrigação moral“, e não apenas legal. Continuar lendo

O SEGREDO DA CONFISSÃO: LEI DIVINA OU LEI HUMANA?

Le secret de confession, loi divine ou loi humaine ? • La Porte Latine

No site do jornal  La Croix, Jean-Eudes Fresneau, sacerdote da diocese de Vannes(França), contesta a afirmação da Santa Sé segundo a qual “o segredo inviolável da Confissão provém diretamente do direito divino revelado”(1).

Fonte: Courrier de Rome n° 648 – Tradução: Dominus Est

Ele afirma, ao contrário, que a Igreja tem o direito de modificar sua disciplina sobre o assunto. Que, com efeito, este segredo não é declarado pela Igreja como parte dos quatro elementos necessários, indispensáveis ​​e estruturantes do sacramento (contrição, confissão, satisfação e absolvição).

E o autor do artigo conclui: “Já não é absolutamente possível que a Igreja seja objetivamente cúmplice de crimes escondendo-os sob uma falsa misericórdia. “

Devemos, portanto, nos perguntar: a obrigação do confessor de guardar o mais estrito segredo sobre os pecados ouvidos na confissão provém apenas de uma lei eclesiástica, ou tem Deus como seu autor? No primeiro caso, o Papa poderia modificá-lo. No segundo, o Papa não teria poder sobre ela porque, como diz Santo Tomás: “O Papa não tem o poder de dispensar da lei divina“(2).

Recordemos de que o direito divino tem duas vertentes. A primeira é a lei natural, que se funda na natureza das coisas. A segunda é positiva, ou revelada, e baseia-se na Revelação, seja no Antigo ou no Novo Testame Continuar lendo

ONGS FEMINISTAS PROPÕEM ABORTO CONTRA A MUDANÇA CLIMÁTICA

ONGs feministas de planejamento familiar estão promovendo o uso do “planejamento familiar voluntário” como uma “solução eficaz” para conter o crescimento populacional e mitigar os efeitos das mudanças climáticas.

Fonte: DICI – Tradução: Dominus Est

Citando o impacto das alterações climáticas sobre mulheres e meninas, a Women and Gender Constituency apelou aos governos participantes da 26ª Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (COP26) para que investissem em ações climáticas justas do ponto de vista (…) de gênero e saúde“, compreendendo direitos à saúde sexual e reprodutiva.

Depois de serem excluídos da cúpula da ONU sobre o clima em 2015 em Paris, as defensoras do aborto e as ONGs de planejamento familiar estão ansiosas por influenciar a COP26 e obter sua parte dos bilhões de dólares que esperam.

A coalizão pró-aborto Women Deliver e o Fundo das Nações Unidas pela População(FNUPP) apelaram ao avanço dos direitos em matéria de saúde sexual e reprodutiva para assegurar “resiliência e adaptação climática” para mulheres e meninas, argumentando que doenças relacionadas ao clima, estresse térmico e insegurança alimentar não afetam apenas a saúde materna, mas também aumentam a vulnerabilidade à violência de gênero. Continuar lendo

PRIMEIRAMENTE, SERVOS DE DEUS

est

Fonte: SSPX Great Britain and Scandinavia – Tradução: Dominus Est

Caros fiéis,

O mundo

O novo ano inicia com uma sensação de “mau presságio”, como se estivéssemos às vésperas de uma guerra. A sociedade ocidental está se desintegrando porque não há mais nenhuma cultura para unir e direcionar as almas a um bem comum. O racionalismo, o materialismo e o capitalismo seguiram seu curso e foram considerados insuficientes; as elites globais visam agora a tecnologia e a coerção para sustentar as estruturas existentes, enquanto preparam uma nova ordem de coisas para manter sua hegemonia. Essa nova ordem mundial será uma tirania ateia, muito provavelmente como a da China, mas com vícios ainda mais antinaturais; e então, por sua vez, entrará em colapso, mas não antes de muito sofrimento e a perda eterna de muitas almas. Eis o presságio.

A Igreja

A única coisa que pode salvar o mundo é a Igreja, instituição essa fundada e dirigida por Deus Encarnado, Jesus Cristo, com uma hierarquia visível de ministros cujo dever é continuar a missão de Jesus Cristo na terra: ensinar, governar e santificar almas. A Igreja é Cristo no mundo: um sinal de contradição, uma cidade assentada no monte, mestra da verdade, defensora da lei natural e divina, uma criadora de santos.

Infelizmente, a Igreja também está em crise. Embora ela seja espiritualmente perfeita como o Corpo Místico de Cristo, ela está fisicamente doente porque muitos de seus ministros parecem ter perdido a fé. Coletivamente, comeram do fruto chamado Modernismo no Concílio Vaticano II, que apregoou uma nova compreensão da fé, uma nova consciência e um novo Pentecostes, mas que então causou um colapso espetacular da fé, da moral e dos membros. Continuar lendo

O ABORTO FOI A PRINCIPAL CAUSA DE MORTE EM TODO O MUNDO EM 2021

A empresa Worldometer publicou um relatório em 31 de dezembro mostrando que o aborto foi a principal causa de morte no mundo em 2021, com 42,6 milhões de não-nascidos. Isso eleva o aborto ao nível de genocídio.

Fonte: DICI – Tradução: Dominus Est

Mais de 42% de todas as mortes em 2021 foram de crianças assassinadas no ventre materno, de acordo com o Worldometer, um site de referência, utilizando dados da Organização Mundial da Saúde (OMS). As mortes, independentes das causas, totalizaram 101,5 milhões de pessoas: dessas, 42,6 milhões de abortos.

As mortes por todas as outras causas somadas chegam a 58,7 milhões. Assim, o aborto matou mais pessoas do que o câncer, AIDS, malária, acidentes de trânsito, etc.

Se compararmos este número com o número de mortes pela Covid 19, que segundo a OMS, chegou a cerca de 3,5 milhões no ano, podemos medir a escala do genocídio de vidas inocentes por nascer.

O Worldometer foi reconhecido como um dos melhores sites de referência pela American Library Association, relata Breitbart. Esta organização é dirigida por uma equipe internacional de desenvolvedores, pesquisadores e voluntários cujo objetivo é produzir estatísticas globais.

O crime de aborto, cometido contra inocentes indefesos, clama por vingança perante Deus (veja aqui e aqui), segundo a expressão bíblica. E alguns perguntarão por que somos atingidos pelos males de hoje…

MUNDO MODERNO: UMA DECISÃO JUDICIAL TENDE A FAZER CRER QUE O FILHO NÃO É DESEJADO EM SI MESMO, MAS NA MEDIDA EM QUE CORRESPONDA AOS PLANOS DE SEUS PAIS

Um tribunal britânico acaba de reconhecer, em primeira instância, a responsabilidade de um médico por ter permitido a “gravidez injustificada” de uma reclamante de 20 anos, portadora de uma patologia irreversível, cujo risco não teria sido suficientemente medido na época dos fatos.

Fonte: DICI – Tradução: Dominus Est

Não falem do Papai Noel à Philip Mitchell. Este médico britânico teve desagradável surpresa de encontrar em seu sapato, ao pé da árvore de Natal, uma conta de vários milhões de euros a ser paga a uma jovem campeã de hipismo, com cerca de vinte anos.

Evie Toombes nasceu com espinha bífida, uma doença congênita que consiste na malformação da medula espinhal, que não se desenvolve adequadamente.

Essa doença obriga a jovem a submeter-se pesados ​​tratamentos, obrigando-a, particularmente, a ficar deitada durante dias inteiros: o que não a impediu, contudo, de ascender ao mais alto nível da disciplina desportiva de que tanto gosta.

Mas, como adverte um provérbio chinês, “quem não consegue dormir encontra a cama por fazer“. Assim, de acordo com Evie Toombes, todos os seus males têm um culpado: o médico de família, Philip Mitchell.

Sua culpa: não ter, há vinte anos, aconselhado devidamente a mãe de Evie conforme as recomendações médicas vigentes, que recomendavam a suplementação de ácido fólico antes e durante as primeiras 12 semanas de gravidez, a fim de evitar a malformação da espinha bífida no nascituro. Continuar lendo

O PRECIOSO E RIDÍCULO RECUO DA UNIÃO EUROPEIA NA COMUNICAÇÃO INCLUSIVA: NATAL E NOMES CRISTÃOS SALVOS

Fonte: Medias-Presse.Info – Tradução: Dominus Est

Diante do clamor imediato desencadeado por suas “diretrizes para uma comunicação inclusiva“, a Comissão Europeia, esta referência de tecnocratas não eleitos, mas todo-poderosos, recuou. Esta verdadeira loucura que gerou a indignação de milhares de cidadãos em toda a Europa e repercutiu nos principais meios de comunicação europeus, provocando a intervenção de dezenas de eurodeputados e dirigentes políticos, desde o italiano Matteo Salvini até candidata presidencial Marine Le Pen, foi colocada na gaveta … até uma melhor oportunidade para impô-la (obviamente).

Pelo menos neste ano, o Natal está salvo das loucuras linguísticas da Comissão Europeia

Neste documento interno, foi solicitada:

– A não utilização da palavra Natal ou dos nomes Maria e João, em razão de sua origem cristã a fim de não ofender as minorias;

– A não abertura de conferências com a fórmula usual “senhoras e senhores“,

– A não utilização da expressão “colonizar Marte“, mas “enviar humanos a Marte“, dada a conotação negativa da palavra colonização.

Essa preciosidade inclusiva também se referia a palavras ‘vulgares‘ como: mãepaifamília, e claro: gayhomossexuais e lésbicas, que devem ser absolutamente combinadas com expressões mais legítimas como pessoas gays, pessoas homossexuais, pessoas lésbicas. Continuar lendo

ANTES QUE O MUEZIM CANTE DUAS VEZES…

A mesquita central de Colônia. Esta cidade conta atualmente com 120.000 muçulmanos (12% da população) e 35 mesquitas.

Poderá Jesus Cristo dizer à quarta cidade sagrada do cristianismo: “antes do muezim cantar duas vezes, negar-me-á três vezes”?

Fonte: La Porte Latine – Tradução: Dominus Est

Os três reis magos farão suas malas? Em 6 de outubro de 2021, a cidade de Colônia (Alemanha) deu sinal verde a um projeto que permitirá a difusão das chamadas às orações muçulmanas das sextas-feiras, no intervalo entre meio-dia e 15h, e com duração máxima de cinco minutos. Ouvidos sensíveis que se abstenham.

Colônia! Sua catedral gótica cujos pináculos afiados defenderam durante tantos séculos os restos mortais dos famosos Reis Magos abrigados em seu relicário monumental.

Colônia, que no século XII tornou-se a quarta cidade sagrada do Cristianismo, depois de Jerusalém, Roma e Constantinopla.

Colônia, sacrificada em 2021 no altar da “diversidade”, condenada a ouvir todas as sextas-feiras o chamado muçulmano à oração que proclama que “Alá é o maior, e Maomé, seu mensageiro”. Continuar lendo

BARRIGA DE ALUGUEL: PESADELO NA HOLANDA

O dia 5 de agosto de 2021 marca um passo adiante na mercantilização dos seres humanos na Europa: pela primeira vez na Holanda, uma criança nasceu de uma barriga de aluguel realizada entre uma mãe de aluguel e uma dupla de homens.

Fonte: DICI – Tradução: Dominus Est

Um nascimento com graves consequências, pois devido a esta barriga de aluguel realizada com uma doação de óvulos e por uma fertilização in vitro, a criança tem, então, um pai biológico, uma mãe “gestacional“, uma mãe biológica e dois pais “legais” – se puderem prosseguir com a adoção: o suficiente para a fazer girar várias vezes em seu berço…

Foi a reforma da lei de bioética implementada na Holanda que, ao modificar as disposições legais sobre embriões, abriu caminho para a prática da barriga de aluguel para duplas masculinas, por meio da doação de esperma de um dos membros da dupla, e uma doação de óvulos de uma mulher distinta da mãe de aluguel.

Mas isso não é tudo. Na terra das tulipas, a barriga de aluguel comercial não é ilegal. É apenas a mediação profissional ou comercial entre a mãe de aluguel e a dupla que pede a barriga de aluguel que é proscrita atualmente – mas por quanto tempo? – pela lei holandesa. Continuar lendo

A SEITA “O TEMPLO SATÂNICO” CONSIDERA O ABORTO “UM RITUAL RELIGIOSO SATÂNICO”

Fonte: Médias-Presse-Info – Tradução: Dominus Est

Nos Estados Unidos, o Templo Satânico decidiu desafiar a recente lei texana que proíbe o aborto após seis semanas usando um argumento que diz muito sobre o obscuro princípio do aborto. A seita, que é incrivelmente reconhecida pelas autoridades fiscais americanas como uma “organização religiosa“, pediu para ser excluída da nova legislação em virtude da Lei de Restauração da Liberdade Religiosa, ou seja, em virtude do princípio da liberdade religiosa.

O Templo de Satanás considera o aborto como um ritual religioso baseado na autonomia do corpo e na “ciência” e, ao mesmo tempo, considera a lei do Texas “tirânica”. “Ao limitar o contexto no qual o ritual ocorre, o próprio ritual fica limitado“, disse o representante legal dos satanistas, Matthew Kezhaya, aventurando-se então a fazer uma comparação blasfema com a Eucaristia. A seita enviou uma carta ao FDA (Food and Drug Administration) solicitando que seus membros tenham acesso à medicamentos abortivos sem estarem sujeitos aos regulamentos do próprio FDA e isso ainda de acordo com a ideia de que o aborto é, para o Templo Satânico, um “ritual religioso”.

Alguns jornais liberais saudaram a iniciativa do Templo Satânico: para o Huffington Post é “diabolicamente inteligente“, para o Salon “pode ​​ser a última, a maior esperança para salvar os direitos ao aborto no Texas” e mesmo o Fortune fala sobre a “última esperança” vinda dos satanistas.

A verdade diabólica do aborto sai das bocas do próprio inferno.

Francesca de Villasmundo

GOVERNO ESPANHOL QUER AFROUXAR LEI DE ABORTO

Irene Montero, Ministra da “Igualdade”

O governo social-comunista da Espanha se prepara para afrouxar a lei do aborto. O objetivo final seria descriminalizar definitivamente o aborto, ou seja, torná-lo um direito.

Fonte: DICI – Tradução: Dominus Est

Após a aprovação da lei sobre a eutanásia e após o sinal verde do Conselho de Ministros para a Lei Trans, que permitiria uma mudança do estado civil a partir dos 14 anos, a coligação do Partido Socialista dos Trabalhadores Espanhóis (PSOE) e os comunistas do Podemos agora querem uma nova reviravolta sobre o aborto.

Como afirma a Ministra da Igualdade, Irene Montero, “a Espanha está pronta para descriminalizar definitivamente o aborto”, que desde 1985 já custou a vida a cerca de 150.000 crianças arrancadas de suas mães.

A entusiasta do aborto

A proposta compreende quatro objetivos declarados:

– terminar com os três dias obrigatórios de reflexão antes de proceder ao aborto, atualmente previstos na lei;

– aumentar as penas contra os socorristas, incluindo prisão, a fim de proteger as instalações para aborto e privar as mães de seu direito à informação;

– suprimir o consentimento dos pais para menores que desejam fazer um aborto;

– limitar a objeção de consciência dos trabalhadores da saúde, pois a maioria quer salvar vidas, acusando o aborto de não ter nada de médico.

Como é fácil constatar, o objetivo é, por um lado, fazer com que o aborto pareça um procedimento normal da vida, um cuidado rotineiro, que não precisa de uma longa reflexão. Por outro lado, limitar ao máximo a oposição à lei, especialmente por parte dos médicos que poderiam ser privados de um direito fundamental: a recusa de matar uma criança inocente. Continuar lendo

SEREMOS, EM BREVE, OS NOVOS LEPROSOS?

lep

Qualquer pessoa que, razoavelmente, pretenda fugir das injunções estatais e sanitárias, constantemente variáveis ​​e contraditórias, encontra-se marginalizada como um pária.

Fonte: Fideliter n ° 260 – Tradução: Dominus Est

É surpreendente que a própria palavra contágio só tenha surgido no século XIV. Obviamente, bem antes, doenças graves já se transmitiam por aproximação e precisavam de medidas de proteção. O dicionário nos mostra que contágio é um “substantivo feminino que data de 1375, e que vem do latim tangere, tocar”. E se formos um pouco mais a fundo, descobrimos que a ideia de transmissão de uma doença por contato não teve origem na ciência da medicina. Não, não teve! Desde a antiguidade cristã, sempre houve um grande medo da propagação do mal.

Em primeiro lugar, o primeiro e pior dos males, aquele que é transmitido a todos de geração em geração e priva a natureza de sua ordenação, é o pecado original. Ele desordena todas as nossas faculdades entregues à própria vontade, em detrimento do governo da razão. É, até mesmo, a razão de nossa vida mortal e de todos os nossos males. O único remédio é a paixão de Nosso Senhor Jesus Cristo, cujo sacrifício se renova no altar, na Missa, que é um verdadeiro sacrifício propiciatório (que já não se manifesta na nova e atualizada Missa de Paulo VI). “Quem me livrará deste corpo (em que habita o pecado, que é causa de morte espiritual)?” pergunta o Apóstolo.

Outrora, o pecado original e a heresia eram estigmatizados

Mas, além dessa corrupção natural, qual é esse mal que todos os Padres da Igreja combateram, tão justamente, porque era tão contagioso? É a heresia. O caridoso Agostinho é cruel quando se trata de deter este flagelo, em particular, o dos donatistas . E por que, se não porque os hereges de todos os matizes rejeitam os cânones da fé e dissolvem a unidade política e social à imagem dos efeitos do pecado original? Por recusarem as regras de crença e ação que vinculam todos os membros de um corpo social organizado, eles devem ser excluídos. Continuar lendo

AS CRIANÇAS, ALVOS DA NOVA ORDEM MUNDIAL

A Unicef ​​- Fundo Internacional das Nações Unidas para a Infância – reitera essa opinião. Um artigo recente denunciou o laxismo de suas orientações sobre a proteção de crianças em relação a sites pornográficos. Este presente artigo mostra que não foi um lapso isolado.

Fonte: DICI – Tradução: Dominus Est

É mais uma vez o site C-Fam que alerta: a Agência das Nações Unidas para a infância reivindica ser mandatária na promoção do aborto, a contracepção e os direitos LGBTI nos Estados membros da ONU.

O projeto do Unicef ​​prevê a promoção da “saúde e dos direitos sexuais e reprodutivos”, um termo que inclui o aborto e os direitos LGBT, bem como “educação sexual integral”.

Esses polêmicos elementos foram repetidamente rejeitados pelos Estados-membros da ONU e os planos estratégicos precedentes da Unicef ​​não os incluíam.

Além de comprometer a Agência a trabalhar com “saúde e direitos sexuais e reprodutivos”, o projeto inclui a “saúde sexual e reprodutiva” como uma área de saúde distinta da saúde materna e da AIDS. Isso implica que a Agência está buscando um mandato para promover o aborto e a contracepção. Continuar lendo

NO CANADÁ, 2020 DÁ UM SALTO NO NÚMERO DE MORTES POR EUTANÁSIA

Triste balanço no país do ácer: no ano de 2020, o número de canadenses que deram fim às suas próprias vidas por meio do suicídio assistido aumentou 17%. Números que devem disparar, devido o sinal verde dado pelo Parlamento para ampliar os critérios de acesso à eutanásia.

Fonte: DICI – Tradução: Dominus Est

Em 7 de junho de 2021, Abby Hoffman, Subsecretária estadual da Saúde, manifestou-se à imprensa sobre as últimas estatísticas sobre a eutanásia em seu país: soube-se que 7.595 pacientes sofreram uma “morte ‘medicamente’ assistida” no ano passado, um número que representa 2,5% de todas as mortes no Canadá no ano.

Em comparação, em 2019, 5.631 pessoas haviam morrido de forma semelhante, o que representava cerca 2% de todas as mortes no Canadá.

A fim de relativizar o alcance desses números, Abby Hoffman salientou que a eutanásia representa 4,1% de todas as mortes em Benelux. Pobre consolação!

De acordo com dados fornecidos pelo Ministério da Saúde, o câncer é a causa mais frequentemente associada aos pedidos de assistência médica para a morte.

De acordo com Abby Hoffman, a maioria dos pacientes que recorreram à eutanásia tinham tido acesso a cuidados paliativos, mas sentiam que seu sofrimento não podia ser aliviado por esse meio. Continuar lendo

A IDÉIA É SUPERIOR À REALIDADE?

on ira

“Todos iremos para o céu, quer sejamos ladrões, assassinos, mentirosos, etc.” Tal conceito de santidade ou santificação é um verdadeiro afronta a Deus. É querer fazer de Deus cúmplice das injustiças.

Fonte: La Porte Latine – Tradução: Dominus Est

De um lado, os idealistas respondem afirmativamente. Para eles – quer dizer, infelizmente para um bom número de nossos contemporâneos – a ideia (o conceito) prevalece sobre a realidade (o fato, a verdade). É necessário, portanto, submeter a realidade à ideia concebida ou preconcebida. Do outro lado, os realistas respondem negativamente. Isso, dizem eles, é uma questão de simples bom senso, a realidade tem uma preeminência sobre a ideia, que dela deriva sua origem. O que devemos pensar sobre isso? Qual é a consequência em nossa vida espiritual?

O homem inteligente

O homem não nasce com suas idéias/conceitos infusos. Ao nascer, seu espírito é virginal, tabula rasa (literalmente: uma folha de papel em branco). No decorrer de sua vida, seu espírito será marcado, moldado, “instruído” (no sentido de uma “impressão sensível”) apenas pela experiência. Graças ao seu poder cognitivo, o homem compreende a natureza das realidades que o cercam: seja pela abstração, seja pelo raciocínio (julgamento), ou finalmente pela simples adesão da inteligência.

A inteligência humana compreende a natureza das coisas através de uma operação que lhe é própria, a abstração. Ela desenvolve, em seguida, um conceito, uma ideia da realidade (coisa) considerada. Por ideia ou conceito nos referimos à realidade (a coisa) como é conhecida pela inteligência. A inteligência, portanto, capta as realidades externas por meio de conceitos ou idéias. Também pode passar de uma ideia para outra, graças ao raciocínio. A ideia tem sua origem na realidade, na experiência. A verdadeira ideia é aquela que está de acordo com a natureza da coisa. É por esta razão que a verdade é definida, por Aristóteles e Santo Tomás de Aquino, como sendo a adequação da inteligência à realidade, isto é, a conformidade do conceito, da ideia à realidade, à natureza das coisas. Para ser verdadeira ou objetiva, a inteligência humana deve estar submissa à realidade e não o contrário: humildade, essa é verdade! Continuar lendo

AUSTRÁLIA: IGREJA PODE SER EXPULSA DE CEMITÉRIOS

O Arcebispo de Sydney protesta contra um projeto que visa colocar todos os cemitérios de New South Wales (Austrália) sob controle estatal, o que acabaria com o papel que a Igreja tem desempenhado até agora na manutenção dos cemitérios católicos.

Fonte: DICI – Tradução: Dominus Est

Tal decisão colocaria fim a 150 anos de envolvimento da Igreja em cemitérios, para enterrar os falecidos, apoiar famílias em seu luto e manter as sepulturas”, adverte Mons. Anthony Fisher, Arcebispo de Sydney.

Em 25 de maio de 2021, o governo de New South Wales (NSW) tornou público seu desejo de revisar a Lei de 2013 sobre os Cemitérios, prevendo a criação de órgão estatal único – OneCrown – cuja missão será administrar todos os cemitérios de New South Wales.

A OneCrown seria destinada a substituir as cinco empresas independentes que atualmente cuidam dos cemitérios, incluindo a Catholic Metropolitan Cemetery Trust (CMCT).

Para Melinda Pavey, o projeto governamental se faz necessário por uma gestão deficitária dos cemitérios: “os cinco atuais operadores enfrentam um passivo financeiro de mais de 300 milhões de dólares (AUD) – ou cerca 190 milhões de euros, aproximadamente – e Sydney não tem mais espaço para enterrar os mortos ”, explica a Ministra da Habitação, que – por coincidência ou ironia – é a encarregada do processo. Continuar lendo

O BRAÇO DE FERRO ENTRE A UNIÃO EUROPÉIA E A HUNGRIA

Em visita a Belgrado em 8 de julho, o Primeiro-Ministro húngaro, Viktor Orban, insistiu que o espírito de sua lei, criticada por muitos países da União Europeia (UE), especifica que os pais têm o direito de decidir sobre a educação de seus filhos, que é um princípio inviolável da lei natural.

Fonte: DICI – Tradução: Dominus Est

Viktor Orban não se intimidou com os ataques à soberania húngara que foram desencadeados na UE pela Lei [húngara] destinada a proteger as crianças, lei esta que proíbe que menores tenham acesso à propaganda sobre homossexualismo e transgenia, inclusive nas escolas.

O Parlamento Europeu e a Comissão Europeia querem que os ativistas LGBT tenham acesso livre às nossas escolas e jardins de infância, mas isso não vai acontecer porque não é isso que a Hungria quer“, disse o primeiro-ministro húngaro.

Em seguida, acrescentou: “O que quer que façam, não permitiremos propaganda LGBT nas nossas escolas“, numa mensagem direta à Presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, que ameaçou Orban com cortes de fundos europeus para a reconstrução econômica, se ele não se retirasse a lei, que ela descreveu como “vergonhosa“.

A pressão da UE

Em uma conversa entre os 27 chefes de estado, em 24 de junho, Viktor Orban foi submetido a duras críticas. A primeira salva foi disparada pelo Primeiro Ministro de Luxemburgo, Xavier Bettel, que disse: “A homossexualidade não é uma escolha, você nasce assim” – Xavier Bettel é um homossexual declarado. Continuar lendo

HUNGRIA PROTEGE MENORES DE CONTEÚDOS PERVERSOS

O Parlamento húngaro aprovou uma lei qualificando como crime sexual o fornecimento de material pornográfico e de conteúdo que promova a mudança de sexo e a homossexualidade a todos menores de 18 anos.

Fonte: DICI – Tradução: Dominus Est

Os defensores da lei enfatizaram a necessidade de proteger as crianças e apoiar os pais, citando a necessidade de garantir “a proteção dos direitos da criança”.

As principais medidas

A lei estabelece que “a pornografia e os conteúdos que representem a sexualidade para fins próprios ou que incentive o desvio da identidade de gênero, mudança de sexo e homossexualidade não devem ser disponibilizados a menores de 18 anos”.

Além disso, as aulas de educação sexual “não devem promover a segregação de gênero, mudança de sexo ou a homossexualidade“. Além dos professores, apenas pessoas ou organizações oficialmente registradas podem dar cursos de educação sexual.

Por fim, os canais de televisão deverão afixar uma advertência “18 anos ou mais” nos filmes e programas cujos conteúdos se desviem da lei, limitando o seu tempo de transmissão entre as 22:00h e as 05:00h. Uma autoridade responsável tomará medidas se essas regras forem violadas. Continuar lendo

DISSOLUÇÃO SOCIAL, DISSOLUÇÃO RELIGIOSA

Ordo

As atuais restrições sanitárias estão dissolvendo a sociedade e o atual governo do Papa tende a dissolver a Igreja.

Fonte: Editorial da Revista Fideliter n ° 259 – Tradução: Dominus Est

As restrições sanitárias decretadas pelos governantes impuseram à população, voluntariamente ou não, uma dissolução social. As crianças, agora obrigadas a estudar sem ir à escola e seus pais obrigados a concentrarem-se no computador, tiveram que encontrar, sob o mesmo teto, o melhor modo de viver para não interferirem uns aos outros. Todos tiveram que encontrar, ao mesmo tempo e no mesmo lugar, os meios para exercerem suas ocupações completamente díspares umas das outras. O recolhimento em si mesmo tornou-se uma necessidade e o destino de todos. Eis o paradoxo: isolamento universal. Quem pode deixar de ver o terrível dilema com que somos confrontados – um totalitarismo se ergue face a uma democracia que se desintegra? Os pensadores modernos, consumidos pelo modus operandi binário favorecido pelo computador, resolvem tudo usando um algoritmo, e não saem da velha ambiguidade: a escolha entre a multidão ou a unidade. Alguns querem dar prioridade à unidade, mesmo ao custo de esmagar a multidão, enquanto outros reivindicam o contrário e permitem que a diversidade viva correndo o risco de minar a unidade. Pais de família vivenciam essa ambigüidade todos os dias! Cada um dos seus filhos requer uma atenção especial, com a qual está atento para não prejudicar a unidade de toda a sua família. Este é o princípio de todo chefe honrado: “Como são muitos os homens, cada um seguiria o seu caminho se não houvesse quem cuidasse do bem da multidão.” (Santo Tomás de Aquino) A função do poder é precisamente ordenar uma multidão, ou seja, unificá-la sem destrui-la.

O vício da modernidade consiste em ver uma contradição entre unidade e multidão. A partir daí, a primeira se opõe necessariamente à segunda e a instabilidade se torna endêmica porque essa oposição é antinatural. Em seguida, passamos de um excesso de poder para sua ausência. Manter todos em casa dá ao estado poder quase direto sobre todos. O totalitarismo unitário toma o lugar de uma democracia pluralista decadente.

Infelizmente, esse desvio revolucionário entrou na Igreja. A monarquia divina fundada por Jesus Cristo tende a se tornar uma pluralidade chamada sinodal, em detrimento do poder do Papa. Passamos da unidade para a pluralidade não apenas porque o poder do Vigário de Cristo tende a se dissolver em todos os tipos de assembleias, mas ainda mais porque a Igreja Católica está definhando através do ecumenismo em meio a um conjunto de religiões mais ou menos idólatras. Esta gangrena da Igreja de Jesus Cristo, que a priva da sua unidade fundamental, a transforma na Igreja “conciliar”. A catolicidade se tornou uma vaga universalidade sem regras, onde cada um encontra seu próprio caminho com base em seu sentimento pessoal. Eis a outra forma de isolamento universal que sub-repticiamente conduz a um poder excessivo. Continuar lendo

O ARCO-ÍRIS AMERICANO DESAFIA O VATICANO

A Embaixada dos Estados Unidos junto a Santa Sé decidiu hastear a bandeira do arco-íris durante todo o mês de junho, para celebrar o mês do “Orgulho LGBT”.

Fonte: DICI – Tradução: Dominus Est

Nesses primeiros dias de junho de 2021, os romanos que passam em frente à Via Sallustiana, 49, ficaram confusos: enquanto o céu está azul, sem nenhum vestígio de nuvem ou chuva, um estranho arco-íris surge em uma das varandas de a Embaixada dos Estados Unidos junto à Santa Sé.

No caso da mensagem não ter sido clara, a embaixada comunicou imediatamente nas redes sociais: “Os Estados Unidos respeitam a dignidade e a igualdade das pessoas LGBTQI +. Direitos LGBTQI + são direitos humanos”, podemos ler no Twitter.

A decisão, na verdade, vem do alto escalão do governo Biden: algumas semanas antes, o secretário de Estado Antony Blinken, antecipando o “Dia Internacional contra a Homofobia” marcado para 17 de maio, encorajou os representantes diplomáticos americanos a hastear a “bandeira do orgulho” durante todo mês de junho.

Um mês que, no Ocidente secularizado e moribundo, já não é mais dedicado ao Sagrado Coração, mas ao “orgulho“, ou seja, à promoção da homossexualidade e da ideologia de gênero. Continuar lendo

NÚMERO RECORDE DE EUTANASIAS NA HOLANDA

Quase 7.000 pessoas foram “eutanasiadas” ou cometeram “suicídio legal” na Holanda em 2020. Um aumento acentuado em comparação com a diminuição na vizinha Bélgica.

Fonte: DICI – Tradução: Dominus Est

Os comitês regionais de monitoramento da eutanásia, responsáveis ​​por monitorar essas mortes e verificar se os critérios são elegíveis a tal procedimento, registraram 6.938 mortes no ano passado, um aumento de pouco mais de 9% em relação a 2019.

O pico anterior foi de 6.585 mortes em 2017. Os números caíram para 6.126 mortes em 2018. Parece que essa diminuição estava ligada a questões jurídicas envolvendo médicos que realizam a eutanásia na Holanda e na Bélgica.

O diagnóstico de câncer foi o motivo mais comum – 5.000 casos – para solicitar a eutanásia. No entanto, deve-se destacar que em 4 dos casos, as pessoas optaram pela morte em razão do sofrimento causado pela infecção do Covid-19.

O presidente dos comitês de monitoramento, Jeroen Recourt, não se surpreendeu com esta inflação de suicídios assistidos.

Ele observou, infelizmente com exatidão, que “cada vez mais gerações consideram a eutanásia como uma solução para um insuportável sofrimento”. Acrescentou que “a ideia de que a eutanásia é uma opção em caso de sofrimento irreparável dá (às pessoas) muita paz”.

Devemos lembrar que a Holanda permite a eutanásia desde 2002: particularmente quando o sofrimento do paciente é insuportável, não há perspectiva de melhora e o paciente pede para morrer.

Descendo ainda mais na ladeira dos critérios de elegibilidade para morte, o país incluiu “condições mentais e psicossociais” como “perda de função, solidão e perda de autonomia” entre os critérios aceitáveis ​​para a eutanásia.

Em outubro de 2020, o governo anunciou que elaboraria uma legislação para permitir que as crianças se submetessem legalmente ao suicídio assistido por médico com o consentimento dos pais (LEIA AQUI).

O país também está considerando estender seus critérios de eutanásia para pessoas que não têm problemas médicos, mas que estão “cansadas de viver“.

Este desenvolvimento, que manifesta a incapacidade de uma sociedade e seus indivíduos em ajudar as pessoas mergulhadas no sofrimento, é uma demonstração em “escala real” da desumanização inelutável que se segue ao abandono da fé cristã. Este abandono foi particularmente marcado na Holanda, após a terrível desilusão que se seguiu ao Concílio Vaticano II e ao “Concílio Pastoral Holandês”.

Os fiéis, liderados por clérigos que já haviam perdido sua fé, acreditavam que podiam transformar a Igreja. O sonho deles foi destruído e eles abandonaram da fé. Esquema esse que agora ameaça a vizinha Alemanha.

MONS. LEFEBVRE PROFETIZA SOBRE A SOVIETIZAÇÃO DE NOSSA SOCIEDADE

Trecho de um discurso de Mons. Lefebvre em 22 de agosto de 1979, em Shawinigan, Quebec:

“O socialismo está fazendo progressos consideráveis, mas isso com todo o poder da maçonaria presente em toda parte, em toda parte, que está em Roma e em toda parte. A Maçonaria está em toda parte e dirige tudo. Em breve estaremos listados (conectados) com computadores, todos teremos nosso número e não poderemos fazer nada sem que tudo esteja indicado na planilha que teremos, e tudo isso pelo computador. Estaremos em uma situação pior que de um país soviético. Dirão que são países livres, mas não são países livres: não seremos mais livres para fazer nada. Imagine só, é absolutamente inacreditável.

(…)

É chocante, não podemos imaginar para onde estamos indo neste momento, em direção a uma socialização que aparentemente não nos parece tão dura como a do comunismo, mas que, no final, será simplesmente uma imagem do comunismo, mas alcançada por meios científicos ao invés da força como fizeram os comunistas, mas será similar.

Então serão eliminados da sociedade todos aqueles que não quiserem se submeter a esta ordem, a esta ordem socialista. Eles serão eliminados. Sempre haverá uma maneira de eliminá-los. Agora estão eliminando as crianças que incomodam, em breve se eliminarão os idosos. Em breve os idosos passarão por isso também, e então não será difícil dar uma injeção ou fazer qualquer coisa a alguém que está doente, que é um incômodo; os farão desaparecer. Eles os farão desaparecer da sociedade sob o pretexto de que essas pessoas são um incômodo, que não conseguem ser enquadrados nos padrões que foram estabelecidos. Estamos realmente caminhando para uma sociedade terrível, que afirma ser livre e que não terá mais nenhuma liberdade, não terá liberdade alguma”.

ENTENDENDO A INSANIDADE

Fonte: SSPX/District of Great Britain – Tradução: Dominus Est

Insanidade no mundo

Meus queridos fiéis,

Parece haver uma escalada alarmante de conflitos e insanidades em nossa sociedade atual. Um “zeitgeist” (sinal dos tempos) frenético de desequilibradas ideologias está acelerando a queda da Igreja Católica e de toda a civilização ocidental: liberalismo, feminismo, construtivismo, amor livre, ideologia de gênero, direitos reprodutivos, ambientalismo, ideologia pandêmica, teoria crítica racial e outros. 

Estes são promovidos e impostos pelos pilares do poder mundial: governos, acadêmicos, corporações multinacionais, bancos, mídia e celebridades. Nunca antes eles foram tão coordenados e sem oposição em seus esforços. A hierarquia da Igreja Católica, outrora poderosa no cenário mundial como guardiã tanto da verdade como da moralidade, natural e sobrenatural, repete pateticamente sua mensagem em linguagem pseudo-teológica para não ser deixada para trás.

Como tantos podem abraçar a insanidade? De onde vem isso?

Motivos para aceitar a insanidade

Que as novas ideologias do “zeitgeist” são insanas é fácil de ver, pois elas contêm múltiplas contradições internas e têm consequências catastróficas na sociedade quando implementadas (ver Figura 1).

Alguns realmente não se importam se o zeitgeist é um vento favorável ou desagradável, mas cinicamente abraçam múltiplas e insanas ideologias para ganho pessoal – desde que seguir a ideologia do mundo “seja bom para mim”. 

Alguns outros querem apenas prosperar no mundo e, assim, apesar de suas reservas quanto às ideologias, capitulam às suas exigências. Continuar lendo

CHILE: UM PASSO EM DIREÇÃO AO ABISMO

Fonte: DICI – Tradução: Dominus Est

Os deputados chilenos aprovaram a primeira leitura de um projeto de lei que legaliza a eutanásia e o suicídio assistido no país. O texto agora deve ser examinado pela alta Câmara. Se os senadores aprovarem o projeto de lei, o decreto de implementação deverá ser publicado pelo Ministério da Saúde no prazo de três meses.

Sobre Santiago, o céu cinzento e pesado parece ter tomado as cores do luto da tarde de 20 de abril de 2021. A Câmara dos Deputados acaba de aprovar por 79 votos a favor, 59 contra e 1 abstenção, um projeto de lei que prevê um marco legal para a eutanásia.

O texto, com 40 artigos, foi submetido ao exame dos deputados no último dia 14 de abril. Ambíguo em seu título – “Morte com dignidade e cuidados paliativos” – o projeto foi votado quatro dias depois por uma câmara situada na “centro-direita” do espectro político.

A fim de fazer os parlamentares engolirem a pílula, pacientes com transtornos mentais foram excluídos do projeto durante os debates. A futura lei será, portanto, aplicável a maiores de 18 anos, portadores “de uma doença incurável, irreversível e progressiva, sem possibilidade de resposta aos tratamentos curativos e com um tempo de vida limitado”. Continuar lendo

TEMPO DE TRIBULAÇÃO, TEMPO DE ESPERANÇA E DE GRAÇA

trib“Porque o estipêndio do pecado é a morte…

Mas a graça de Deus é a vida eterna em Nosso Senhor Jesus Cristo” (Rom. 6, 23)

“Suplicamos-Vos, Senhor, afastai propício a morte e a epidemia, a fim de que nossos corações mortais reconheçam que sofrem os flagelos da vossa ira, e que vós também sois quem faz eles cessarem pela vossa grande misericórdia. Por Jesus Cristo, Senhor nosso” (Rogações no tempo de epidemia).

Caros fiéis e amigos,

As tribulações deste mundo: o preço do pecado.

Um grande pensador católico, Romano Amerio, na sua obra-prima Iota unum, comenta: “O cristão, na sua condição de pecador, não pode medir o preço da reparação que, pelos seus pecados e os do mundo, deverá suportar em dores e penas”.

O autor apenas lembra a doutrina do pecado original, segundo a qual ‘em Adão todos [os homens] pecaram’ (S. Paulo), e que Santo Tomás comenta: “Segundo a fé católica, é preciso afirmar que a morte, assim como todas as deficiências da vida presente, são penas devidas ao pecado original”.

Fatal e triste constatação que não precisa de demonstração, pois é evidente a abundância de males que acompanham a vida do homem nesta terra apenas pelo fato de ser homem.

Ora, a diferença essencial entre o homem que padece os males desta vida, e o cristão, filho de Deus, é que este sofre e padece em união com Cristo. Ele, nosso Salvador, não quer poupar-nos todas as penas temporais, enquanto sim nos tira da pena eterna, o inferno, pelos méritos de sua Paixão e Morte. Assim, o cristão não esquece que a felicidade do homem na terra é feita de esperança, pois o nosso fim é o bem infinito e eterno, não os bens finitos da terra. Enquanto chega a recompensa, devemos suportar como pena do pecado (o pecado original, os pessoais, os do mundo) os males inevitáveis da vida; devemos, mais ainda, aceitá-los por amor e gratidão a Jesus, nosso Redentor, que sendo o Cordeiro sem mancha de pecado, sofreu gratuitamente para salvar-nos. É assim que a oração da Igreja faz sentido e nos reconforta: “Perdoai, Senhor, perdoai ao vosso povo, para que, castigado por justos flagelos, respire na vossa misericórdia” (Oração na quinta feira de Cinzas). Continuar lendo

EM UM MUNDO DE MUDANÇAS…

mud

Fonte: La Porte Latine – Tradução: Dominus Est

A Igreja deve ser a casa construída sobre a rocha que permanece firme contra ventos e marés.

É isso que Nosso Senhor recomendou na conclusão de seu Sermão da Montanha (Mt 7, 24). Nosso Senhor queria Pedro como chefe de Sua Igreja (Mt 16,19), indicando assim que ela seria uma monarquia sólida e não uma democracia dominada pelos sobressaltos da colegialidade (esta palavra evoca para mim, inevitavelmente, as confusões de alunos secundários!).

A rocha é a fé expressa no Credo.

A rocha também é a moralidade expressa nos Dez Mandamentos.

Há um escândalo quando, no dia das comunhões solenes, as “profissões de fé” sejam abandonadas à iniciativa individual das crianças que se dirigem ao microfone para dizer no que querem acreditar. Eis os novos Padres da Igreja! Eles mal sabem como dizer a “Ave Maria”, mas são capazes, ao que parece, de integrar todas as religiões na Fraternidade Universal de amanhã.

Há escândalo também quando altos dignitários religiosos e eclesiásticos elogiam o Ramadã, o laicismo, o nirvana budista na imprensa ou na televisão e querem inventar uma ética que ocuparia o lugar – agora vago – da moralidade.

Neste mundo em movimento, estou muito surpreso que as pessoas da Igreja estejam se movendo em vez de permanecer firmes na pedra estabelecida por Jesus Cristo.

São Paulo disse aos Gálatas: Admiro-me de que, assim tão depressa, passeis daquele que vos chamou à graça de Cristo para outro Evangelho. Evidentemente que não há outro (Evangelho diferente que eu vos preguei), mas há alguns que vos perturbam e querem inverter o Evangelho de Cristo. Mas, ainda que nós mesmos ou um anjo do céu vos anuncie um Evangelho diferente daquele que vos temos anunciado, seja anátema. Como já vo-lo dissemos, agora de novo o digo: se alguém vos anunciarum Evangelho diferente daquele que recebestes, seja anátema.(Gal1, 6-9)

Pe. Philippe Sulmont

ELES TREMIAM DE MEDO ONDE NÃO HAVIA NADA A TEMER

medo

Fonte: La Porte Latine – Tradução: Dominus Est

Pe. Frédéric Weil, FSSPX

Os tempos não são mais de festa. Há alguns anos, o medo invadiu nossas sociedades. A esperança está desaparecendo do nossos horizontes em favor de um mundo de incertezas. O católico deve se juntar ao terror que o cerca?

Terror ambiente

Terrorismo, aquecimento global, tensões sociais e raciais, censura, confrontos urbanos, fluxos migratórios e ainda por cima o famoso vírus: estes são os novos avatares do terror contemporâneo que pairam sobre este mundo como pássaros de mau agouro. De novembro de 2015 a 2017, a França passou 2 anos em “estado de emergência” através de 6 prorrogações devido aos atentados. Em janeiro de 2019, a jovem Greta Thunberg falou na cúpula de Davos sobre o aquecimento global: “Quero que entrem em pânico, quero que sintam o medo que sinto todos os dias“, como uma profetisa de um apocalipse sem revelação divina. Mais recentemente o jornal Liberation, em sua edição de 4 de outubro de 2020, publicou um artigo sobre o perigo dos “tranquilizadores” que erraram ao quebrar o consenso do medo. “Eles me assustam muito“, disse um médico sobre essas pessoas. Era preciso temer quem tranquilizava.

As posições se invertem quando se fala em vacina. O campo do medo então se torna o de “tranquilidade” e vice-versa, de modo que não podemos designar de maneira unívoca um campo do medo. Um medo é correlativo a um outro: uma pessoa que não teme o vírus pode temer medidas governamentais, anátemas jornalísticos, crítica de colegas, discussões acaloradas, denúncias da vizinhança, multa ou mesmo a perda de um trabalho.

O que varia é o que tememos: o objeto de nossos medos é um indicativo de quem somos. Continuar lendo

QUANDO OS INIMIGOS SE TORNAM AMIGOS

Abbé Philippe Toulza • La Porte Latine

Pe. Philippe Toulza, FSSPX

Como explicar o declínio da evangelização na Europa? A rigor, a resposta a essa pergunta é que qualquer decréscimo no Cristianismo tem como sua causa, ao menos na porção adulta que afeta, uma falta de cooperação com a ação de Deus. De fato, a graça nunca falta; se a evangelização não se consuma, então isso se dá porque o homem, a quem ela está destinada, apresentou um obstáculo a ela. A descristianização ocorre quando, em um grupo humano, uma proporção crescente de almas não mais adere à fé ou, embora se mantendo católica, negligencia seu progresso em direção a Deus ou mesmo abandona a fé (ou a vida católica). Durante o iluminismo, o filósofo Julien de la Mettrie (1709-1751) foi um desses casos; ele nasceu em uma família católica na Bretanha, e seu pai achava que ele poderia ser um Padre. Ele preferiu dedicar-se ao estudo da medicina, o que o levou ao materialismo, ao ateísmo e ao libertinismo; ele espalhou essas convicções em seus escritos e entrou para a história como um exemplo lamentável de secularização. Aqueles responsáveis pela descristianização são, portanto, homens como ele e outros que rejeitam, em maior ou menor grau, para si mesmos ou para aqueles sob seus auspícios conforme o caso, as exigências do Reinado de Cristo.

Essa explicação põe a culpa em várias portas de entrada e, portanto, não é muito específica. Por essa razão, muitos preferem explicar essa descristianização não pelas suas verdadeiras causas, que devem ser buscadas nas almas, mas por aquilo que incita as almas a se afastarem de Cristo. Algumas dessas causas começaram a agir em Pentecostes: o demônio e o mundo. Outras causas estão mais intimamente conectadas a circunstâncias específicas, e são essas causas que nos interessam: quais delas levaram à secularização da Europa?

O pensamento moderno

Uma realidade tão complexa quanto a descristianização e realizada em um continente inteiro ao longo de vários séculos, necessariamente, é resultado de diversas causas: a perda das raízes [de um povo] devido à industrialização, a subversão das sociedades intelectuais, o apoio eclesiástico à escravidão, o avanço do hedonismo, etc. E alguns fatores trabalharam no sentido de promover outros fatores. Porém, o consenso geral é que a principal causa da descristianização é a modernidade. A começar com o Renascimento, a Europa pensou que estava redescobrindo a grandeza da natureza humana que o teocentrismo medieval, supostamente, havia escondido. Havia dúvida quanto a se a raça humana realmente tinha o pecado original e se o homem realmente precisava bater no próprio peito. Então, com o ímpeto da reforma protestante, toda autoridade religiosa parecia perigosa à liberdade; seguindo Rousseau e, após, Kant, a Europa divinizou a autonomia do homem. Assim como Descartes, no Século XVII, havia recusado argumentos que apelassem à autoridade na Filosofia, os pensadores modernos questionaram o dogma; eles não tinham mais a fé da mãe de Villon. No fim, levantes políticos como aqueles de 1789 desafiaram as instituições. Pedia-se liberdade de expressão do pensamento. A aliança entre o trono e o altar era denunciada. Padres eram suspeitos de serem gananciosos e o jugo da moralidade foi jogado fora; o ódio de Voltaire se espalhava. A diversidade religiosa, mesmo aquela entre católicos e protestantes, tornou-se um pretexto para rejeitar a autoridade dos Padres; havia tantas religiões na terra… o fato do Catolicismo ser a religião de nossos pais bastava para torná-lo mais crível que as outras? Continuar lendo

EUGENIA CONTRA CRIANÇAS COM SÍNDROME DE DOWN

Fonte DICI / La Nuova Bussula Cotidiana – Tradução: Dominus Est

A descriminalização do aborto, associada à ampla disponibilidade de testes que permitem a detecção precoce de anomalias no feto, desencadeou a implacável lógica da eugenia. O caso da trissomia do cromossomo 21 é emblemático nesta área.

Era inevitável, e aqueles que ainda escondem o rosto ou são hipócritas ou são ingênuos, para usar de um eufemismo. Se, por um lado, a autoridade permite o assassinato do bebê no útero materno e, por outro lado, os laboratórios estão desenvolvendo testes cada vez mais eficientes e previdentes para anomalias genéticas, não há necessidade de um especialista para prever o que acontecerá.

Se, finalmente, como vimos em muitos países, o sistema de “saúde” reembolsa esses testes, o que equivale a um incentivo, os ingredientes para a eugenia estatal estão lá. E, embora os responsáveis possam ​​sempre tentar negá-lo, explicando que são os pais decidem, não é difícil contrapor que eles forneceram as armas para matar.

O que era tão previsível e já observado aqui e ali em alguns estudos, acaba de ser trazido à luz por um artigo no European Journal of Human Genetics , publicado a 31 de outubro.

Os autores estudaram ao longo de 5 anos, de 2011 a 2015, a evolução da percentagem de nascimentos de crianças com síndrome de Down em toda a Europa. Parece que, em 5 anos, essa taxa diminuiu 54%: ou seja, caiu praticamente pela metade. Continuar lendo