MAIS HORROR: HOMENAGEM PRESTADA À ESTÁTUA DE LUTERO NO VATICANO POR VONTADE DO PAPA FRANCISCO

luther_au_vatican_161013_001

Quinta-feira, 13 de outubro de 2016, aniversário do Milagre do Sol em Fátima, a estátua de Lutero adentra ao Vaticano por vontade do Papa Francisco!

Fonte: La Porte Latine – Tradução: Dominus Est

O que nos une é muito maior do que aquilo que nos separa”. Isto é o que o Sumo Pontífice repete à exaustão quando ele quer, a marcha forçada, promover um ecumenismo que vai contra os ensinamentos do Magistério anterior ao funesto Concílio Vaticano II.

É assim que ele será a testemunha voluntária e participativa dos 500 anos da Reforma de Martinho Lutero, ao lado dos protestantes suecos. 500º aniversário que será comemorado ao longo de todo o ano de 2017, e que se inscreverá amplamente no diálogo dito “Luterano-Católico”.

Aquele que foi um dos maiores heresiarcas da história católica romana e gerou um dos cismas mais dramáticos, aquele cuja doutrina foi oficialmente condenada pelo Papa Leão X, em 15 de junho de 1520, através da bula Exsurge Domine, se vê cada vez mais coberto de louvores.

luther_au_vatican_161013_01

Mas o que é, no mínimo, insólito – para ficar em um respeitoso eufemismo – é a homenagem prestada à estátua de Lutero dentro das próprias paredes do Palácio Apostólico durante a audiência de 13 de outubro!

luther_au_vatican_161013_02

Papa Francisco recebe de presente as 95 teses de Lutero e uma Carta Ecumênica em uma edição prestigiosa

Diante das autoridades luteranas, Francisco voltou novamente, sob o olhar vermelho da estátua de Lutero situada à sua direita, sobre o Ecumenismo e o proselitismo, afirmando que “o proselitismo é o veneno do ecumenismo!” (Sic).

Nada menos que um veneno! Pobres santos mártires católicos que morreram por ter querido converter as almas presas aos erros heréticos ou cismáticos… eles trabalharam pelo envenenamento! É o papa Francisco quem o diz.

A partir do Concílio Vaticano II surgiu a luz do ecumenismo! Antes, havia a escuridão do proselitismo. É por isso que, logicamente, o papa Francisco, o argentino, terá o prazer de ir à Suécia, daqui a duas semanas, “recordar”, explicou ele, a reforma de Lutero juntamente com o Federação Luterana Mundial. Um evento significativo, evento já amplamente divulgado, evento portador de um novo evangelho, o evangelho conciliar, o evangelho do proselitismo ecumênico.

Não há sequer uma única palavra sobre a Contra-Reforma e os papas e santos do século XVI que trabalharam contra a heresia crescente! Nenhuma palavra sobre as razões da nossa divisão doutrinal, profunda, capital. Mas é de se espantar com isso, quando muitos elementos do Vaticano II já nos orientavam sobre essa inclinação ecumênica luterana…?

Nossa Senhora, que abominas todas as heresias, rogai por nós!

19 ideias sobre “MAIS HORROR: HOMENAGEM PRESTADA À ESTÁTUA DE LUTERO NO VATICANO POR VONTADE DO PAPA FRANCISCO

  1. Caro Diego as indulgências não foram palhaçadas. Lembre que JESUS disse:PEDRO TU ES PEDRA E SOBRE ESTA PEDRA EDIFICAREI A MINHA IGREJA TUDO QUE ELA LIGAR AO CÉU TA LIGADO TUDO QUE DESLIGARES TA DESLIGADO E OS INFERNOS NÃO PREVALECERAM SOBRE ELA. Esta autoridade dada a PEDRO pertence a Igreja de CRISTO. Então as indulgencias estavam ligadas ao Céu. Com certeza os que pagaram tiveram os pecados perdoados, mas os que não arrependeram continuaram a pecar mas o seu dinheiro trouxe benefícios para a Igreja e a comunidade. Lembre que DEUS fez um homem para uma mulher mas ELE permitiu que o homem tivesse mais de uma mulher por determinado tempo por causa da dureza do coração do homem. As indulgências duraram também um certo tempo. Como criticar?

  2. Para aqueles que tem preguiça de ler, vai um “resumo” da Encíclica, que é suficiente para desmascarar esse falso ecumenismo !!

    9. Um erro capital do movimento ecumêmico na pretendida união das Igrejas cristãs

    Ocorre-nos dever esclarecer e afastar aqui certa opinião falsa, da qual parece depender toda esta questão e proceder essa múltipla ação e conspiração dos acatólicos que, como dissemos, trabalham pela união das igrejas cristãs.

    Os autores desta opinião acostumaram-se a citar, quase que indefinidamente, a Cristo dizendo: “Para que todos sejam um”… “Haverá um só rebanho e um só Pastos”(Jo 27,21; 10,16). Fazem-no todavia de modo que, por essas palavras, queriam significar um desejo e uma prece de cristo ainda carente de seu efeito.

    Pois opinam: a unidade de fé e de regime, distintivo da verdadeira e única Igreja de Cristo, quase nunca existiu até hoje e nem hoje existe; que ela pode, sem dúvida, ser desejada e talvez realizar-se alguma vez, por uma inclinação comum das vontades; mas que, entrementes, deve existir apenas uma fictícia unidade.

    Acrescentam que a Igreja é, por si mesma, por natureza, dividida em partes, isto é, que ela consta de muitas igreja ou comunidades particulares, as quais, ainda separadas, embora possuam alguns capítulos comuns de doutrina, discordam todavia nos demais. Que cada uma delas possui os mesmos direitos, que, no máximo, a Igreja foi única e una, da época apostólica até os primeiros concílios ecumênicos.

    Assim, dizem, é necessários colocar de lado e afastar as controvérsias e as antiquíssimas variedade de sentenças que até hoje impedem a unidade do nome cristão e, quanto às outras doutrinas, elaborar e propor uma certa lei comum de crer, em cuja profissão de fé todos se conheçam e se sintam como irmãos, pois, se as múltiplas igrejas e comunidades forem unidas por um certo pacto, existiria já a condição para que os progressos da impiedade fossem futuramente impedidos de modo sólido e frutuoso.

    Estas são, Veneráveis Irmãos, as afirmações comuns.

    Existem, contudo, os que estabelecem e concedem que o chamado Protestantismo, de modo bastante inconsiderado, deixou de lado certos capítulos da fé e alguns ritos do culto exterior, sem dúvida gratos e úteis, que, pelo contrário, a Igreja Romana ainda conserva.

    Mas, de imediato, acrescentam que esta mesma Igreja também agiu mal, corrompendo a religião primitiva por algumas doutrinas alheias e repugnantes ao Evangelho, propondo acréscimos para serem cridos: enumeram como o principal entre estes o que versa sobre o Primado de Jurisdição atribuído a Pedro e a seus Sucessores na Sé Romana.

    Entre os que assim pensam, embora não sejam muitos, estão os que indulgentemente atribuem ao Pontífice Romano um primado de honra ou uma certa jurisdição e poder que, entretanto, julgam procedente não do direito divino, mas de certo consenso dos fiéis. Chegam outros ao ponto de, por seus conselhos, que diríeis serem furta-cores, quererem presidir o próprio Pontífice.

    E se é possível encontrar muitos acatólicos pregando à boca cheia a união fraterna em Jesus Cristo, entretanto não encontrareis a nenhum deles em cujos pensamentos esteja a submissão e a obediência ao Vigário de Jesus Cristo enquanto docente ou enquanto governante.

    Afirmam eles que tratariam de bom grado com a Igreja Romana, mas com igualdade de direitos, isto é, iguais com um igual. Mas, se pudessem fazê-lo, não parece existir dúvida de que agiriam com a intenção de que, por um pacto que talvez se ajustasse, não fossem coagidos a afastarem-se daquelas opiniões que são a causa pela qual ainda vagueiem e errem fora do único aprisco de Cristo.

    10. A Igreja Católica não pode participar de semelhantes reuniões

    Assim sendo, é manifestamente claro que a Santa Sé, não pode, de modo algum, participar de suas assembléias e que, aos católicos, de nenhum modo é lícito aprovar ou contribuir para estas iniciativas: se o fizerem concederão autoridade a uma falsa religião cristã, sobremaneira alheia à única Igreja de Cristo.

    11. A verdade revelada não admite transações

    Acaso poderemos tolerar – o que seria bastante iníquo-, que a verdade e, em especial a revelada, seja diminuída através de pactuações?

    No caso presente, trata-se da verdade revelada que deve ser defendida.

    Se Jesus Cristo enviou os Apóstolos a todo o mundo, a todos os povos que deviam ser instruídos na fé evangélica e, para que não errassem em nada, quis que, anteriormente, lhes fosse ensinada toda a verdade pelo Espírito Santo, acaso esta doutrina dos Apóstolos faltou inteiramente ou foi alguma vez perturbada na Igreja em que o próprio Deus está presente como regente e guardião?

    Se o nosso Redentor promulgou claramente o seu Evangelho não apenas para os tempos apostólicos, mas também para pertencer às futuras épocas, o objeto da fé pode tornar-se de tal modo obscuro e incerto que hoje seja necessários tolerar opiniões pelo menos contrárias entre si?

    Se isto fosse verdade, dever-se-ia igualmente dizer que o Espírito Santo que desceu sobre os Apóstolos, que a perpétua permanência dele na Igreja e também que a própria pregação de Cristo já perderam, desde muitos séculos, toda a eficácia e utilidade: afirmar isto é, sem dúvida, blasfemo.

  3. Bom, não preciso falar mais nada. O próprio post tece um excelente comentário sobre esse escândalo do Papa e a Encíclica Mortalium Ânimos já ensina tudo sobre o verdadeiro ecumenismo que os modernistas teimam em não aprender.

  4. Caro amigo Martinho Lutero morreu e não tem como se arrepender. Mas Cristo fundou a sua igreja através de Pedro e ela é una e deve trabalhar para que seja uma só igreja e alguém tem que ter coragem de dar o primeiro passo nab direção a união. Como você disse o nosso Deus católico. Catolico significa que nosso Deus é universal compreende todos os homens sem distinção e a igreja deve estar imbuído da conversão de todos. O Sagrado converte o profano. É necessário saber que nossa igreja bem como todas as outras é feita por homens que erra e acerta, ela é Sagrada quando os homens que a compõem fazem a vontade do Pai. O papa foi escolhido pelo ESPIRITO SANTO e JESUS disse que os infernos não prevalecerão sobre ela então sei que com o tempo ela sempre vencerá.Bom domingo amigo.

  5. Prezado Vicente, louvado seja Nosso Senhor Jesus Cristo.

    Quanta confusão em seu comentário. A impressão é de uma total ignorância sobre o ecumenismo, história e a crise que a Igreja passa graças ao modernismo.

    Vamos lá…

    Sim, Nosso Senhor ensina o perdão….mas em quais condições? Acredito que saiba que o perdão esta condicionado a duas coisas: o reconhecimento do erro e o propósito de não repetir a ofensa.Isso, qualquer catecismo e o bom senso ensinam. O mesmo vale para a misericórdia, que não pode vir sem a justiça. Agora, o que isso tem a ver com Lutero, se o mesmo morreu na heresia e abriu o mundo para as mais perniciosas seitas?

    Outra coisa que você propõe: que o nosso Deus católico, uno e trino, onisciente, onipresente, todo poderoso, criador do céu e da terra, seria o mesmo dos povos pagãos, adoradores de ídolos (“Os deuses dos pagãos são demônios” – Salmos 95, 5), que acreditam em deus sol, deus lua, deus vaca, fazem sacrifícios humanos, muitas são gnósticas, reencarnacionistas, etc, etc, etc. Se o que você disse fosse verdade, por qual motivo que Nosso Senhor mandou os apóstolos “irem por todo o mundo, pregar o evangelho a toda criatura e quem crer e for batizado será salvo; mas quem não crer será condenado“? E por que seguindo Seus mandamentos a Sua Igreja sempre enviou missões para evangelizar todos esses povos que você diz terem o mesmo Deus?

    Outra coisa: como que o Papa pode unir o sagrado com o profano, a única Igreja verdadeira com a heresia? Só pode haver essa união se os cismáticos, hereges e pagãos se converterem à verdadeira Igreja fundada por Nosso Senhor sobre Pedro, a Igreja Católica.

    Por favor, leia a Encíclica Mortalium Animos, de Pio XI que perceberá sua total distorção sobre o que é o verdadeiro ecumenismo: http://catolicosribeiraopreto.com/carta-enciclica-mortalium-animos-sobre-a-promocao-da-verdadeira-unidade-de-religiao/

  6. Jesus ensina o perdão. Todos que adoram o DEUDEUS UNICO, chinês, africano, Maia, asteca, indio estão no caminho certo. O papa não está adorando a imagem de Lutero. Entendo que ele está unindo Ass duas igrejas podendo fdaqui a três gerações tornar uma só igreja como antes. E espero que seja uma igreja melhor.

  7. Prezada D. Maria José, louvado seja Nosso Senhor Jesus Cristo.

    Não é preciso ter conhecimentos teológicos muito aprofundados para distinguir a mentira da Verdade, o erro do acerto. Basta conhecer bem o catecismo. O que Francisco está fazendo e falando, até uma de minhas filhas de 8 anos já refutou, dentro de sua inocência sobre a terrível crise de fé que a Igreja passa….e que muitos, infelizmente, estão alienados.

    Sim, concordo em colocarmos prática as “Palavras do Mestre”, porém de acordo com o que a verdadeira Doutrina católica ensina, sem novidades, contradições ou ambiguidades impostas nas últimas décadas, até porque precisamos conhecer o que acreditamos e recebemos (sacramentos).

    Outra coisa, está enganada sobre esse “TEMPO DA GRANDE TRIBULAÇÃO em que cada um quer impor a sua verdade” (sic), pois hoje em dia cada um quer impor sua mentira. A Verdade é ensinada há 2000 anos pela Igreja e se há cerca de 50 anos tentam impor muitas mentiras, são esses que devem rever sua fé, rever esse modernismo impregnado na alma.

    Rezemos pelo Papa e por todos aqueles que estão alienados, perdidos, nessa terrível época.

  8. Não tenho conhecimentos teológicos suficientes para rebater todas estas intervenções. Mas, a procura diária dos Sacramentos, que a Santa Igreja põe ao meu dispor, leva-me a afirmar que a Luz do Espírito Santo para todas as situações da nossa vida, nos é concedida pela frequência dos mesmos, que Jesus instituiu, É bom ser instruído, mas não ao ponto de ficar somente por aí, querendo sempre que a nossa visão seja a melhor! Ponhamos em prática as Palavras do Mestre e deixemos que Ela haja! Acredito que este é o TEMPO DA GRANDE TRIBULAÇÃO em que cada um quer impor a sua verdade!
    Sejamos humildes e vigilantes, mas não deitemos mais achas para a fogueira!

  9. V fez Teologia com o Leonardo Boff e/ou + da TL, como com frei Gilvander nos acampamentos do MST?
    Porém, que a tal de lavagem cerebral tem funcionado nas escolas, o máximo nas universidades é um fato!

  10. Prezado Alexandre, louvado seja Nosso Senhor Jesus Cristo.

    O grande “desequilíbrio” de Lutero foi querer desempenhar um papel para o qual ele não tinha nenhuma vocação, nenhum preparo intelectual e moral, nem mandato divino, tal como muitos de seus filhos de hoje em dia.

    Assim, para continuar na vida de pecado sem qualquer constrangimento diante de Deus, o glutão e luxurioso Lutero não só negou o livre-arbítrio como passou por cima de séculos de Cristianismo, dilacerando as Escrituras ao seu bel-prazer e criando um sistema onde tudo é permitido.

    Sistema que não só mergulhou multidões no inferno, como abriu as portas para todos os males da sociedade moderna (basta ver as Revoluções que se seguiram – Francesa e Russa – que destruíram toda e qualquer hierarquia e ordem da sociedade), pois sua consequência lógica, e vemos isso no protestantismo europeu, é abraçar desde o menor dos pecados até o mais abominável, a sodomia. E não seria por menos, pois basta crer e tudo está resolvido, não é mesmo?

    Sem contar todo o fundo gnóstico das: sole fide, sola gratia e sola scriptura.

    Logo, Lutero não entendeu nada de São Paulo, meu caro, nem de Santo Agostinho ou de santo algum, pois todos os santos e doutores sempre pregaram, juntamente com os papas e seus sucessores, que a fé é uma graça de Deus que, sem as obras, é morta (cf. Tg 2, 14-26). Sempre se ensinou que a Salvação depende da aceitação livre do Senhorio de Nosso Senhor Jesus Cristo sobre a vida do homem, que é chamado a “ir e não pecar mais” (cf. Jo 8,8), a ser “perfeito como meu Pai é perfeito” (cf. Mt 5,48). Talvez por isso, ao ser apresentado à carta inquestionável de São Tiago, Lutero, em vez de ceder e reconhecer seu erro flagrante, preferiu chamá-la de carta de palha, tal como fazem os milhares de protestantes que têm uma fé desprovida de qualquer sentido sobrenatural, que se constituem em papas infalíveis de si mesmos prontos para cuidar de quem está ao lado e da Criação.

    Aliás, para que cuidar de quem está ao lado e da Criação mesmo?

  11. A grande aflição de Martim Lutero foi: como eu posso merecer o amor de Deus? Lutero clamava: Meu Deus, a Igreja ensina que eu vou merecer o teu amor somente se eu não pecar, mas meu esforço para não pecar é em vão! Se não pratico pecado, meus pensamentos estão tomados pelo pecado.
    Nessa aflição, qual foi a descoberta de Lutero?
    Estudando a Sagrada Escritura, Lutero descobriu e entendeu o que o apóstolo Paulo tão bem compreendera. Pelo nosso esforço, jamais vamos merecer o amor, o abraço e o perdão de Deus. Deus é que veio até nós em Jesus Cristo: Deus enviou seu Filho […] para resgatar os que estavam sob a lei, a fim de que recebêssemos a adoção de filhos e filhas (Gl 4.4-5). Todos pecaram e carecem da glória de Deus, sendo justificados gratuitamente, por sua graça (Rm 3.21-24). Pela graça, sois salvos, mediante a fé e isto não vem de vós, é dom de Deus (Ef 2.8).
    Então Lutero conclui com o apóstolo: isso que Deus fez por mim e por ti – por nós – em Cristo, nós acolhemos por meio da fé, e essa aceitação torna-nos pessoas agradecidas e livres: “Para a liberdade foi que Cristo nos libertou” (Gl 5.1).
    Lutero redescobriu o inverso do ensino da sua Igreja na época: não são as nossas obras e a nossa aparente vida sem pecado que nos fazem merecer o abraço de Deus. É Deus quem nos abraça, nos perdoa diariamente e nos livra do sentimento de culpa, tornando-nos livres para cuidar de nós, de quem está ao nosso lado, de toda a Criação.
    Que a paz de Deus, que excede o nosso entendimento, guarde as nossas mentes e guie os nossos passos, em Cristo Jesus.

    Amém!

  12. Salve Maria…NAO nos esqueçamos da Inquisição Protestante,famosa vitima,chamada Joana D’ark,queimada numa fogueira pelos Protestantes Ingleses…

  13. Tem gente que nem sequer leu as “95 teses” e acha que pode opinar sobre o assunto. Entre essas “teses” o herege defendia o Papa a as indulgências:

    Tese 51. Deve-se ensinar aos cristãos que o papa estaria disposto – como é seu dever – a dar do seu dinheiro àqueles muitos de quem alguns pregadores de indulgências extorquem ardilosamente o dinheiro, mesmo que para isto fosse necessário vender a Basílica de S. Pedro.

    Tese 81. Essa licenciosa pregação de indulgências faz com que não seja fácil nem para os homens doutos defender a dignidade do papa contra calúnias ou questões, sem dúvida argutas, dos leigos.

    Tese 91. Se, portanto, as indulgências fossem pregadas em conformidade com o espírito e a opinião do papa, todas essas objeções poderiam ser facilmente respondidas e nem mesmo teriam surgido.

    Esses são alguns exemplos apenas.

    Como bem escreveu a página, as pessoas aprendem através dos livros no MEC, dos filmes de Hollywood e da ruminação dos ignorantes e por isso passam vergonha.

  14. Dieguez, cuidado. Na ânsia de demostrar uma suposta indignação e sapiência teologal e histórica, você apenas mostra total ignorância sobre o assunto.

    Quem lhe disse que Lutero acabou com as indulgências? Por acaso tirou de algum livro de cursinho?

    As indulgências são lucradas até hoje!!!! Procure uma bibliografia confiável e estude um pouco, por favor. Se tiver interesse e apego à Verdade, lhe indicamos bons textos.

  15. Interessante o teu comentário, meu caro, pois não nos esquecemos da Santa Inquisição, muito pelo contrário, lembramo-nos dela todos os dias, pois ela extirpou do mundo de seu tempo as sementes de todos os erros que hoje carcomem a sociedade moderna, levando-nos cada vez mais para o caos. Lembramo-nos todos os dias que o sistema jurídico da Inquisição foi o mais justo sistema criado até hoje, proporcionando ao acusado o mais amplo direito de defesa, e tudo isso em liberdade. Mas talvez você não saiba disso, afinal, quantos livros você já leu sobre a Inquisição? Ah, não vale os da escola!

    Também não nos esquecemos das Cruzadas, que evitaram em seu tempo que a Europa fosse dominada pelos muçulmanos, que escravizavam e perseguiam os cristãos em seus territórios, tal como acontece hoje no Oriente Médio e como logo ocorrerá em uma Europa que abandonou sua fé. Lembramo-nos todos os dias que não haverá cruzados para defender novamente o continente, somente os “corajosos” da internet, que certamente se tornarão os mais ferventes fiéis de Alá ou os mais subservientes pagadores das taxas que são cobradas para se poder viver em um país muçulmano, isso, claro!, se não virarem escravos sexuais de algum príncipe árabe.

    Não nos esquecemos também dos povos que foram dizimados, porque esses povos dizimados nunca existiram. Lembramo-nos sim dos povos pagãos e atrasados que receberam a luz da Fé e da civilização. Dos povos que abandonaram os sacrifícios humanos e a idolatria para adorar o único Senhor e Salvador do mundo, o Senhor da vida e da paz.

    Também não nos esquecemos dos padres e bispos perseguidos pelo nazismo, nem do papel de Pio XII para evitar uma desgraça maior em toda a Europa, de suas mensagens contra essa ideologia que se alimentava de fatos inverídicos igual aos comentaristas e doutores da internet de hoje.

    Não nos esquecemos também das orgias dos papas, nem da venda de salvação, pois a Igreja sempre nos ensinou que cada um pagará por seus erros individualmente, e que o erro do outro não justifica em nada o nosso. E que para entrar no Reino do Céu é preciso muito mais do que fazer uma doação voluntária à Igreja, coisa que qualquer criança sabia outrora.

    Em suma, como os povos de antigamente deveriam ser ignorantes, não é mesmo? Ainda bem que há pessoas sábias como o senhor, que não nos deixa esquecer que sem a luz e a força da fé da Igreja logo o mundo cairá em um abismo jamais visto sobre a face da terra, com a diferença de que, para nós, isto é sinal de esperança, e, para vocês, é o prelúdio do fim.

  16. INTERESSANTE QUE ESQUECEM DA SANTA INQUISIÇÃO,DAS CRUZADAS,DE POVOS DIZIMADOS,QUE ALGUNS DEIXARAM DE EXISTIR,AJUDA AOS NAZISTAS,A LISTA É GRANDE,ORGIAS PAPAIS,TUDO COMANDADO POR PAPAS,VENDA DE SALVAÇÃO(INDUGÊNCIAS),CRIMES INCLUSIVE RECONHECIDO PELO VATICANO,E QUE PEDIRÃO PERDÃO PUBLICAMENTE.

  17. PECCA FORTE ET CREDE FORTIUS!
    Na famosa carta a Melanchthon em 1521, do infelizmente entronizado ULTRA HERESIARCA LUTERO: … “Se você é um pregador da misericórdia, não pregue uma misericórdia imaginária, mas a verdadeira… … Seja um pecador, e peque fortemente, mas que sua confiança em Cristo seja mais forte, e alegre-se em Cristo, que é o vencedor do pecado, da morte e do mundo. […] … mesmo que matemos e cometamos adultério milhares de vezes por dia! Lutero, o “reformador”, teria mandado trucidar mais de 100 000 anabatistas apenas no sul da Alemanha e/ou onde ela se tornava religião oficial, onde se instalavam! Uns muito mais, outros em menos em números aos assassinatos de Lutero, recordam-se tais similares a ele: Stálin, Lênin, Pol Pot, Kim Jong, Fidel Castro…
    Até hoje nenhum comentario adverso de padres/bispos ao papa Francisco – apenas elogios; reservas a ele, apenas os de sempre! No seu Denzinger, existe cada uma…

  18. Uma das maiores autoridades da Maçonaria italiana, o Píccolo Tigre, exclamava: “Conspiremos contra Roma; e para isto sirvamo-nos de todos os incidentes, aproveitemos todas as eventualidades”. (Pe Teófilo Dutra – As Seitas Secretas – 1931).
    O Jornal do Recife, órgão da Maçonaria, edição de 18/09/1897 lançou a pergunta: “O que adianta, que utilidade tem a Missa?” “A Missa é uma mentira convencional como outra qualquer”. Ainda do mesmo jornal: “O celibato clerical é um absurdo! o voto da castidade, uma blasfêmia!… (Livro “Um Cristão Católico” – Recife – 1898).
    Lutero pregava em 1524: “Sim, eu o digo, todos os prostíbulos, condenados, entretanto, severamente por Deus, todos os homicídios, mortes, roubos e adultérios, são menos prejudiciais do que a abominação da Missa papista”.(15). No já citado panfleto “O Cativeiro da Igreja na Babilonia” de Lutero, o mesmo doutrinava afirmando que o padre “oferecendo a missa como um sacrifício […] é o auge da perversidade!”.(16). Os 2 sincronizam-se!

Comentários encerrados.