ISLÂNDIA PODE SER O PRIMEIRO PAÍS A ERRADICAR A SÍNDROME DE DOWN

COMO ESTÃO CONSEGUINDO?

DE UMA FORMA SATÂNICA MODERNA BEM SIMPLES: ABORTANDO OS FETOS IDENTIFICADOS!

news-header-image

De acordo com a CBS News, em 14 de agosto de 2017, a Islândia poderá ser, em breve, o primeiro país livre da Síndrome de Down, já que quase todos os fetos com essa síndrome são mortos.

Fonte: SSPX USA  – Tradução: Dominus Est

Neste país de 330 mil habitantes, apenas uma ou duas crianças com síndrome de Down nascem todos os anos. Segundo a agencia de notícias americana, esses raros nascimentos se devem às “falhas” nos exames pré-natais”. As mulheres islandesas tem permissão para abortar após a 16ª semana de gestação se o feto tiver alguma deformidade. A síndrome de Down, obviamente, está incluída nesta categoria. De acordo com as estatísticas apresentadas pela CBS News, “cerca de 100% das mulheres que receberam o teste positivo para a síndrome de Down encerraram sua gravidez”.

O episódio apresenta o geneticista islandês Kari Stefansson regojizando-se pelo país “praticamente ter erradicado a síndrome de Down da nossa sociedade“. Embora não haja “nada de errado em aspirar a ter filhos saudáveis”, ele se pergunta “até onde devemos buscar desses objetivos”. “É uma decisão bastante complicada”, acrescenta.

De acordo com Jor-El Godsey, presidente de um grupo pró-vida americano que também foi entrevistado pela CBS, a questão é bem simples: “Estes são seres humanos preciosos, feitos à imagem de Deus, e nenhum governo ou pessoa na terra tem autoridade para roubar pessoas com síndrome de Down de suas vidas “.

Abortar fetos com síndrome de Down é uma prática generalizada em todo o mundo. Quase 70% de todos os fetos que apresentam risco são mortos nos Estados Unidos, 77% na França, 90% na Suíça e 98% na Dinamarca.